037. WebGincanas: um artigo

Escrevi recentemente texto sobre WebGincana que será publicado em livro que deve ser lançado na Espanha em maio/2010. A primeira versão do citado texto ultrapassou o espaço determinado pela editora, em vez de um máximo de 8 páginas acabei produzindo 12. Tive então que editar o material para que o mesmo coubesse no livro.

Acabei não finalizando a primeira versão do meu texto. Ela está completa, mas não terminei de tratar as referências de acordo com normas de publicação. Além disso, não fiz uma revisão final para melhorar estilo e corrigir prováveis erros de ortografia e sintaxe. Quando tiver mais tempo, vou expandir o texto, esticando um pouco mais explicações e oferecendo mais exemplos. Por ora, o material fica como está.

Para uso de meus alunos e de prováveis interessados, resolvi colocar minha primeira versão da matéria sobre WebGincanas aqui nas páginas do Boteco. Se alguém quiser colaborar com sugestões de melhoria, agradeço.

Há dois outros textos sobre WebGincanas que podem ser encontrados num site que o Senac de São Paulo organizou sobre esse formato de proposta de uso da internet para educação. Seguem links para os mesmos:

WebGincanas: Um Uso Estruturado da Web em Educação

Jarbas Novelino Barato

jarbas.barato@gmail.com

Os meios de comunicação costumam divulgar que o acesso à Internet está proporcionando a nossos jovens muito conhecimento. A idéia comum é a de que basta domínio de operações básicas de um buscador da Web (o Google, por exemplo) e um tema de investigação para que nossos estudantes adquiram saberes cujo acesso depende apenas de um  “clic” sobre um link. E os mesmos meios de comunicação dão destaque a uma suposta dificuldade dos professores: enquanto os alunos navegam com facilidade pelos mares da Internet, os mestres têm muita dificuldade para usar as novas tecnologias.

Estudos e observações não confirmam a suposta verdade proclamada nos termos assinalados no parágrafo anterior (ver autora de artigo sobre Scavenger Hunt). É certo que os jovens usam com facilidade o ambiente Web, mas não há nenhuma evidência de que estejam por causa disso aprendendo mais e melhor que as gerações que não dispunham das novas tecnologias da informação e comunicação. Há, pelo contrário, muitas indicações de que estudantes que pesquisam na Internet se perdem e não encontram informações de qualidade na rede mundial de computadores. Um dos motivos para tanto é o de que buscas de informação exigem certo domínio da área de saber pesquisada. Pessoas pouco familiarizadas com o campo de conhecimento que é objeto de buscas na Internet não conseguem realizar levantamentos criteriosos de informações. Para tanto é necessário conhecimento prévio.

Novos meios de comunicação mudam significativamente a cultura, e por conseqüência a educação (Postman, 1….., Norman, ….). E mudança nem sempre quer dizer melhoria, quer dizer novos meios de ver e fazer as coisas. No caso de produção, armazenagem e circulação de informações, os computadores, mesmo antes da universalização da Internet, sugeriam mudanças profundas (Kay, 1….., Miller). Possibilidades interativas, ambientes com simulações e integração de mídias são características muito diferentes dos modos de tratar informações antes do advento do computador.  E, apesar da expansão formidável da Internet, ainda não sabemos muito bem como produzir narrativas que aproveitem integralmente os ambientes informacionais que integram num único espaço todas as mídias inventadas desde o surgimento da imprensa (Norman em prefácio par Computer as Theatre).

Nos meios educacionais, os desafios de uso da Internet tiveram uma resposta em propostas de buscas com estrutura. Ou seja, por meio de modelos que funcionam como andaimes para dar apoio ao estudo dos alunos (cf. proximal zone em WQ and Geography). O modelo mais conhecido com essas características é o da WebQuest que propõe usos da Internet a partir de desafio (Tarefa) e roteiro de estudos (Processo e Recursos) criados por professores. O enorme sucesso desse modelo mostra que a invenção de estruturas capazes de auxiliar atividades educacionais com uso da Internet é um caminho interessante e promissor.

O modelo WebQuest não é a única solução para uso estruturado da Internet em educação. É uma alternativa. Produz dinâmicas originais de estudo e transformação de informações com bom aproveitamento das novas tecnologias da informação e comunicação. Se bem aplicado, é muito exigente para os alunos, pois requer aprofundamento de estudos bem maior que as práticas convencionais de educação escolar. É uma ferramenta na direção do sonho de uma educação que se preocupa com a qualidade dos estudos não com a quantidade de conteúdos (Gardner, ). Mas tem limites. Ele é adequado apenas para saberes voltados para as habilidades cognitivas descritas como avaliação, síntese e análise na taxonomia de Bloom (Bloom, ). Bernie Dodge, seu criador, insiste que o mesmo não é adequado para as demais habilidades cognitivas da citada taxonomia (Dodge, 20 ). Cabe, portanto, buscar outros modelos que possuam estruturas capazes de garantir bons aproveitamentos da Internet para aplicação, compreensão e conhecimento.

WebGincanas: descobertas intuitivas

Uma das estruturas utilizadas para trabalhar com o que Bloom chama de conhecimento – assimilação e identificação de informações – é o Scavenger Hunt. Esse modelo baseia-se em propostas de perguntas que exigem respostas curtas e unívocas. Em linhas gerais, na elaboração de uma Scavenger Hunt, o professor-autor escolhe o assunto, seleciona fontes de informação na Web, elabora perguntas, estabelece um sistema de pontuação e publica o desafio numa página da Web cujo formato inclui uma introdução, um elenco de perguntas e uma indicação de recursos. Nos países de língua espanhola e portuguesa, as Scavenger Hunts receberam o nome de Caças ao Tesouro.

Por volta de 2001 comecei a traduzir algumas Scavenger Hunts produzidas por autores americanos com a intenção de fornecer, para meus alunos do curso de formação de professores, uma sugestão de usos educacionais da Web. Como achei que o termo Caça ao Tesouro não correspondia ao conceito implícito no original em inglês, resolvi fazer uma tradução mais livre do nome da proposta. Entendi que o espírito das Scavenger Hunts tinha algo parecido com o clima competitivo das gincanas, um jogo muito popular no Brasil. Surgiu, assim, o termo WebGincana.

No início as WebGincanas não se diferenciavam de Scavenger Hunts. Mas, ao elaborar materiais de estudo para meus alunos percebi que a idéia de gincana poderia resultar em mudanças capazes de enriquecer o modelo original. Duas características foram se definindo a partir de minhas conversas com alunos e professores que se interessaram pelo modelo. A primeira delas foi a definição de que WebGincanas são jogos de equipe, não atividades que possam ser feitas individualmente. A segunda foi a introdução de desafios que exigiam das equipes usos das informações descobertas na Web.

Em gincanas tradicionais, equipes formadas por diversos componentes são desafiadas a procurar itens de informação ou objetos, e a cumprirem certas tarefas que podem ter finalidade social (levantar fundos para uma instituição com fins sociais, por exemplo) ou ser algo que implica em uso de bom humor (imitar artistas famosos, por exemplo). Os desafios de uma gincana podem ser bastante complexos e exigir buscas com alto grau de dificuldade. Para participar do jogo as equipes precisam se organizar e inventar estratégias que garantam bons resultados. Essa exigência pode gerar soluções interessantes do ponto de vista educacional, uma vez que o grupo precisará discutir organização do trabalho e planejar sua atuação. Essa característica não é análoga à aprendizagem cooperativa existente em boas WebQuests. No caso destas últimas, a cooperação cognitiva entre os alunos é determinada por proposta desenhada pelo professor-autor , tendo em vista natureza dos estudos a serem realizados. No caso das primeiras, a cooperação é resultado do uso de estratégias de busca de informação decididas de comum acordo pela equipe.

Em Caças ao Tesouro toda a atividade está voltada para a busca de informações na Web.  Quando comecei a examinar a aplicação de normas dos jogos de gincanas em associação com a estrutura de Scavenger Hunts, descobri que poderia operar uma mudança significativa no modelo. Essa mudança resultaria em atividades mais dinâmicas e envolventes. Cabe aqui explicar a natureza de tais atividades.

Em gincanas, as equipes são desafiadas a realizar certas perfomances (exemplo: cantar uma música popular), ou buscar objeto raro que deverá ser mostrado publicamente (exemplo: encontrar e trazer até determinado local exemplar da primeira edição de certo poema de Antonio Machado), ou obter depoimento de personagem famoso (exemplo: gravar uma entrevista em VT com Belini, capitão da seleção brasileira de futebol em 1958). Esses desafios são lúdicos e envolvem toda a equipe em sua realização. Não exigem elaboração de novos saberes, mas exigem formulação de boas estratégias para obter êxito.

As duas características até aqui descritas foram introduzidas no modelo WebGincana. No começo, fiz isso de modo intuitivo. Posteriormente, sugeri dinâmicas dentro de um padrão que começou a definir as WebGincanas como um estrutura relativamente original. Dividi os desafios extra-web em duas categorias: atividades e missões.

As atividades são solicitações para que a equipe utilize informação encontrada na Web de forma criativa. Exemplos de atividades:

  • Apresentem, num jogral, este poema de Pablo Neruda (referência a um poema que é resposta para uma questão que exige busca na Web).
  • Agora que vocês descobriram o nome científico da árvore que deu nome ao Brasil, retirem com o professor indicação de onde encontrá-la no parque. Dirijam-se ao local e desenhem a mão livre o exemplar da citada árvore.
  • Descobriram o nome da música que foi campeã do carnaval brasileiro em 1950? Se sim, ouçam-na até aprenderem a melodia da mesma e preparem-se para cantá-la no show final desta WebGincana.
  • Imprimam as imagens dos quatro personagens de histórias em quadrinho que vocês descobriram. Mostrem as figuras para cinco diferentes adultos e verifiquem quantos deles são capazes de dizer os nomes dos referidos personagens. Relatem suas descobertas para o professor.

As atividades, portanto, são realizações que envolvem o conteúdo encontrado. No geral devem ser algo com certa dimensão lúdica. Ao mesmo tempo, convém que sejam algo que implique em exercício de competências desejáveis como desenhar, cantar, falar em público etc. Criar atividades requer certa inventividade dos educadores. Não há fórmulas para isso. O que se quer é que os alunos utilizem a informação descoberta de um modo descontraído. Mas, a proposta não se resume a um exercício lúdico. O que se espera é que as atividades propostas ajudem os alunos a apreciar o conteúdo e a fixá-lo em termos de aprendizagem.

As missões são solicitações para que a equipe se organize para complementar a informação descoberta com a busca de pessoas que possam falar sobre o assunto, ou com a busca de objeto raro que possa ser mostrado para todos os participantes da WebGincana. Exemplos de missões:

  • Agora que vocês descobriram o significado de cinco palavras do dialeto gaúcho, encontrem um cidadão que fale com o acento típico do Rio Grande do Sul. Tragam a pessoa encontrada para contar uma breve história do folclore do Sul do Brasil para a classe.
  • Descobriram o nome do autor dos desenhos O Amigo da Onça? Muito bem! Agora saiam a campo e tragam para a sala de aula um exemplar da revista O Cruzeiro (publicação que incluía uma seção de desenhos de crítica a costumes e à política nacional na década de cinqüenta, e que tinha como personagem o Amigo da Onça) de qualquer mês do ano de 1955.
  • Muito bem, agora vocês sabem qual é o filme de ficção científica que faz referência ao mito da caverna de Platão. Para complementar o trabalho, encontrem pessoa que viu tal película e tragam-na até a sala de aula para uma entrevista filosófica com seu professor.

As missões são desafios típicos de gincanas tradicionais. Elas exigem que a equipe planeje busca de informações inusitadas. Exigem, muitas vezes, que os participantes convençam pessoas que participaram de algum evento histórico a irem até a escola e se comunicarem com os alunos. Da equipe, elas exigem planejamento e coordenação de esforços para conseguir o resultado esperado.

Atividades e missões envolvem busca de informação em outras fontes que não a Web. Elas exigem que os alunos articulem buscas via computador com contatos pessoais, idas a bibliotecas, visitas a parques, entrevistas com profissionais, circulação pelos espaços escolares, preparação de apresentações orais ou de performances artísticas, consultas a arquivos, idas a galerias de artes ou museus, e muitas outras realizações cujos limites são a imaginação de um professor-autor.

Atividades e missões, por outro lado, não podem colocar em segundo plano a busca de informações na Web. Os principais recursos de uma WebGincana são fontes de materiais publicados na rede mundial de computadores. Por essa razão, no desenvolvimento do modelo, limitei o número de atividades e de missões. Numa WebGincana padrão (com quinze questões), sugiro três atividades e duas missões. Ou seja, apenas um terço das informações obtidas terá desdobramentos na forma de missões ou atividades.

O Desafio

Em WebQuests, a parte central da estrutura é a Tarefa. É ela que dá alma ao trabalho proposto (Barato, Quaderns Digitals). Papel similar é exercido pelo Desafio nas WebGincanas. O que chamo de Desafio é o conjunto questões que se propõe para os alunos.

Em Scavenger Hunts tradicionais, os autores propõem uma série de questões de caráter factual (quem foi? quantos são? onde está? qual a capital do Benin? que países são atravessados pelo equador na América do Sul? etc.) que devem ser respondidas a partir de buscas na Web. Tais questões devem seguir exigências de perguntas que requerem respostas curtas e unívocas. Se bem redigidas, tais perguntas não ficam com aparência de questionários tradicionais. Mas o risco de “escolarização” é grande no caso.

Nos primeiros ensaios de WebGincanas, criadas por mim ou por meus alunos, o Desafio era muito parecido com o elenco de questões das Scavenger Hunts ou de Caças ao Tesouro. Mas a inspiração das gincanas fez com que percebêssemos que o modo de elaborar questões precisava sofrer alterações. Começamos a trabalhar com o objetivo de desescolarizar as questões. Em outras palavras, procuramos modos de perguntar que tivessem algum parentesco com questões que aparecem em jogos. Isso exige certo esforço em termos de uso da linguagem. Assim, em vez de perguntar “qual o nome científico do pau-brasil”, buscamos elaborar questão que requeresse a mesma resposta, mas, que incluísse certo ar de mistério ou de jogo de palavras. No caso, uma variante possível foi “nome científico da madeira que deu nome a nosso país”.  Este não chega a ser um bom exemplo, mas sinaliza o caminho buscado por mim e pelos meus alunos.

Em repetidas experiência para elaborar WebGincanas com acento cada vez mais lúdico, fomos descobrindo que a base do Desafio não eram propriamente questões, mas a apresentação de situações que justificassem o uso de fontes Web de boa qualidade. Em conseqüência, embora as WebGincanas continuem a ter um elenco de questões, abrimos espaço para algumas propostas que não são propriamente perguntas. Na Web há muitos sites cujo uso implica em interação com o material. Há, por exemplo, programas online que convertem caracteres latinos em hieróglifos, há outros programas online que criam anagramas a partir de palavra fornecida pelo usuário, há ainda programas online que são jogos interessantes do ponto de vista educacional. Assim, além de questões ou perguntas, começamos a incluir “atividades interativas” como parte de buscas que os alunos devem realizar no espaço Web.

Convém dar um exemplo de proposta de interação online que pode substituir perguntas tradicionais. Há na web um espaço do site Geography Zone (http://www.geographyzone.com/new/index.php ) que pode ser usado livremente. Um dos jogos ali existentes desafia o usuário a apontar num mapa mundi  nomes de países gerados aleatoriamente.  Em cada jogada, o usuário deve encontrar dez países. Assim, em vez de perguntar aos alunos onde fica determinado país, pode-se propor à equipe que jogue Paises do Mundo no Geography Zone e alcance, em três tentativas, pelo menos cinqüenta por cento de acertos. Soluções parecidas podem ocorrer com a utilização de objetos de aprendizagem que não sejam muito complexos e que permitam interação com algum conteúdo alvo. Outras fontes de informação com características similares podem ser encontradas em sites de museus científicos ou de projetos investigativos. Neste último caso, por exemplo, pode-se propor que a equipe realize alguma das atividades relacionada com a cultura neolítica de Çatalhyouk (http://www.smm.org/catal/activities/), no caso de uma WebGincana que aborde a história humana nas vésperas da surgimento das cidades.  Em resumo, a utilização de sites interativos numa WebGincana pode abrir portas interessantes para facilitar aproximações dos alunos com o conteúdo a ser estudado.

Outras descobertas

Assim como no caso das WebQuests, Scavenger Hunts , Caças ao Tesouro e WebGincanas listam todos os recursos Web necessários para o estudo dos alunos. Essa decisão baseia-se na convicção de que o processo investigativo no caso deve ser facilitado, evitando que os alunos se percam em navegações sem rumo pelos mares da Internet. Mas, quando se elaboram perguntas para serem respondidas a partir recursos informacionais existentes na rede mundial de computadores corre-se um risco: buscadores cada vez mais eficientes podem encontrar a informação requerida sem necessidade de estudo. Em parte isso pode acontecer por causa da qualidade das questões elaboradas pelos autores. Se as perguntas feitas forem muito diretas é provável que um buscador como o Google mostre a resposta no primeiro site da lista que produzir a partir do fornecimento de palavras-chaves por parte dos alunos. Isso exige um distanciamento cada vez maior de modos de perguntar assemelhados aos velhos questionários de livros didáticos.

Nos estudos sobre elaboração do Desafio em WebGincanas fica cada vez mais evidente a necessidade de propor questões que exijam interpretação de informação em fontes selecionadas pelo professor-autor. Com isso o modelo se converte numa alternativa interessante para desenvolvimento da habilidade cognitiva que recebe o rótulo de compreensão na taxonomia de Bloom.O que se espera no caso é que os alunos leiam com certo entendimento e que desenvolvam estratégias interpretativas para converter informação em conhecimento (Larsen, 1989). Mas isso dependerá da habilidade dos educadores ao propor itens de investigação numa WebGincana. Vai aqui um exemplo. Em estudos do romantismo no Brasil, cabe uma ou mais questões sobre Castro Alves. Uma solicitação de investigação feita de modo parecido com o de perguntas de livros didáticos – “Que poeta escreveu Navio Negreiro?”, por exemplo –  será respondida, logo no primeiro site indicado em busca no Google, da seguinte forma: Castro Alves, autor do poema O navio negreiro”. Não há necessidade de estudo, não há necessidade de leitura de texto para descobrir a resposta. O Google responde.

Uma solução possível para o exemplo dado no parágrafo anterior é a de apresentar uma questão, cuja resposta seja Castro Alves, de um modo que evite acesso a informação obtida de modo mecânico via buscador. Entre as possibilidades que andei examinando no caso, acho que um detalhe da vida do poeta pode ser utilizado para driblar o Google e exigir que os alunos leiam uma curta biografia para descobrir a resposta. Vai aqui uma alternativa que encontrei: “Poeta que se feriu em caçada pelos campos do Brás”. Por enquanto os buscadores são incapazes de encontrar de imediato uma resposta para tal tipo de pedido de informação. Para chegar à resposta será necessário que um intérprete humano leia um texto escolhido pelo professor-autor.

A elaboração de questões imunes ao poder dos buscadores não é tarefa fácil. Exige muita criatividade dos autores de WebGincanas. Exige testes preliminares para verificar se a resposta não pode ser gerada automaticamente pelo Google ou ferramentas assemelhadas.

Até aqui falei de questões que exigem interpretação de textos. Mas não podemos nos restringir a atos tradicionais de leitura. As informações armazenadas na rede mundial de computadores são cada vez mais imagéticas e sonoras. Por isso, na formulação do Desafio é preciso contar com itens que exigem leituras de imagens ou interpretação de informação sonora. No caso de imagens, além de vídeos e fotos, podemos pensar em gráficos, mapas e esquemas. Forneço aqui um exemplo para a utilização de mapas: “Identifiquem num mapa do Brasil e listem os estados que tem fronteiras com o Tocantins”. Vai aqui um exemplo com utilização de fontes sonoras: “Ouçam entrevista X em arquivo do NPR (National Public Radio) e identifiquem o nome completo da atriz que conversa com o apresentador do All Things Considered ”.

As descobertas até aqui relatadas possibilitam a formulação de Desafios bastante diferentes de um elenco de perguntas convencionais como os encontrados em Scavenger Hunts e Caças do Tesouro. A partir de experiências feitas com meus alunos e com grupos de professores de algumas redes de ensino, creio que já posso sugerir as linhas gerais de um Desafio em WebGincanas. Seguem aqui sugestões de como configurar o Desafio:

  • O Desafio deve ser constituído por solicitações de informações que exijam buscas em recursos selecionados especialmente para o tema de estudo proposto. Tais solicitações não são necessariamente perguntas parecidas com os antigos itens de questionários didáticos. Cada item do desafio deve ser um pedido de informação que desencadeie interesse por busca de respostas curtas e unívocas. Um cuidado: itens do desafio devem ser imunes a soluções oferecidas automaticamente por buscadores da Web. Itens do Desafio devem exigir interpretação.
  • Em WebGincanas, cada vez mais, os itens do Desafio deixam de ser apenas questões cujas respostas demandam leitura de textos. As experiências até aqui desenvolvidas indicam que o Desafio deve ser constituído por itens que comportem certa variação nos modos de solicitar busca de informações na Web. Esses itens podem incluir: 1. solicitações que exigirão leitura e interpretação de textos, 2. solicitações que exigirão  análise de vídeos, mapas, fotos ou gráficos para encontrar determinado detalhe, 3. solicitações de identificação de algum aspecto relevante em fonte sonora, 4. realização de atividade num site interativo.
  • WebGincanas devem ser ambientes lúdicos. Por essa razão a busca de informações de acordo com as solicitações do Desafio deve ser dinâmica e rápida. O modelo não é uma oportunidade para estudos aprofundados. É muito mais uma gincana na qual não cabem intervalos muito longos entre uma e outra atividade. Neste sentido, todas as solicitações de informação do Desafio não devem exigir processos demorados de transformação de informações. O modelo está voltado para a identificação e reprodução de informações factuais, limitando-se a habilidades cognitivas de conhecimento e compreensão nos termos da taxonomia de Bloom.

Voltarei ao desenho do Desafio mais à frente. É preciso agora mostrar quais são os componentes do modelo de uso da Web em discussão.

Componentes de uma WebGincana

A inspiração original para o desenvolvimento das WebGincanas foram as Scavenger Hunts. Estas últimas não têm um padrão nítido quanto a componentes. No geral incluem pequena introdução, um elenco de questões e uma relação de recursos Web. Resolvi, desde o início, definir mais claramente a estrutura de uma WebGincana. Para tanto, inspirei-me na proposta de componentes do modelo WebQuest. Fiz as necessárias adaptações para o caso. O resultado  foi uma proposta de incluir as seguintes partes numa WebGincana: 1. Introdução, 2. Desafio, 3. Recursos, 4. Avaliação, 5. Conclusão, 6.  Créditos e Referências. Seguem aqui explicações sobre as funções de cada uma destas partes.

Introdução. Texto curto buscando apresentar o tema de estudo proposto articulando-o com prováveis interesses dos alunos. Na primeira WebGincana que criei, um exercício de busca de informação sobre o São Francisco, o mais brasileiro dos rios, o assunto era introduzido a partir de curiosidades sobre a mais importante fonte de água potável do Nordeste Brasileiro.

Desafio. Proposta estruturada com solicitações de informações que podem ser obtidas por meio de interpretação do conteúdo dos recursos selecionados pelo professor-autor. O Desafio deve ser planejado de modo a criar um ambiente lúdico onde uma equipe de alunos se propõe a acumular o maior número possível de pontos. Antes de apresentar os itens do desafio, é preciso comunicar quais serão as regras do jogo (tamanho das equipes, formas de comunicação com o professor, sistema de registro dos pontos obtidos, etc.).

Além de solicitações de itens de informação que podem ser obtidos por meio de uso dos recursos Web indicados na WebGincana, as equipes deverão realizar atividades e missões quando essas forem solicitadas em alguns casos. Atividades e missões dão à WebGincana um perfil “gincaneiro”. Exigem movimentação dos alunos por espaços que não o laboratório de informática e a sala de aula. Exigem entendimentos no interior da equipe para planejar o que fazer e encontrar estratégias que ajudem a resolver os problemas propostos no menor tempo possível.

Missões e atividades devem ser planejadas a partir da descoberta do item de informação com o qual se relacionam. Por exemplo: se o item de informação a ser descoberto for o poeta romântico Castro Alves, a atividade ou missão proposta deve ser algo que tenha relação direta com o escritor (recitar um poema do citado autor, encontrar fotos da época em que o poeta foi estudante de direito na cidade de São Paulo). Missões e atividades devem ser, portanto, um desdobramento da informação descoberta na Web.

Para orientação das equipes, convém indicar logo após a solicitação de um item de informação os respectivos pontos que podem ser obtidos se o resultado esperado for alcançado.

Recursos. Lista de links dos sites onde as equipes podem encontrar todas as informações necessárias para atender as solicitações de informação propostas no Desafio. Tal lista não deve ser nem muito extensa nem muito longa. Estima-se que uma boa WebGincana deve ter cerca de oito ou dez indicações de recursos Web.

Para alunos mais avançados os recursos devem ser listados aleatoriamente simulando listas de sites que aparecem quando se usa um buscador Web. Para alunos que tenham mais dificuldades para se organizarem e de lerem com rapidez, pode-se indicar o recurso correspondente logo após a formulação de solicitação de informação no Desafio. Nesse último caso os recursos ficarão integrados ao componente Desafio.

Avaliação. Este componente em WebGincanas deve ser algo bastante simples, uma vez que os resultados esperados são respostas curtas, diretas e unívocas. Isso já fica explicitado no Desafio. Destaco o componente Avaliação para que professor-autor possa comunicar os critérios que utilizará ao conferir pontos às equipes que alcançarem o resultado esperado. Esses critérios podem incluir condições tais como: pontua apenas a equipe que chega antes das outras ao resultado; todos pontuam independentemente da ordem de chegada, mas a equipe obtiver resposta correta antes das outras equipes ganha algum bônus, etc. A comunicação dos critérios deve ser feita num texto curto de modo bastante claro e direto.

Conclusão. Esta parte da WebGincana deve ser uma comunicação curta que reitere o que já foi dito na Introdução ou que incentive os alunos a continuarem estudos sobre o assunto.

Créditos e Referências. Nesta parte o professor-autor deve indicar as ajudas que recebeu para elaborar sua obra (créditos), e relacionar os recursos (livros, artigos, sites) e ferramentas que utilizou em seu trabalho (referências).

O componente essencial de uma WebGincana é o Desafio. Por essa razão volto a ele na próxima seção.

Considerações sobre o Desafio

O modelo WebGincana foi se diferenciando de Scavenger Hunts e caças ao Tesouro na medida em que meus estudos pessoais e as realizações dos meus alunos foram incorporando o espírito lúdico das gincanas num ambiente que privilegia recursos publicados na rede mundial de computadores. No processo, aprendemos a aproveitar melhor o que a Internet pode oferecer e a converter o modelo num jogo. Ainda não chegamos a um desenho definitivo da proposta e talvez nunca cheguemos a isso, pois as WebGincanas são um modelo bastante flexível. Mas é preciso definir certos parâmetros para que o modelo em discussão tenha natureza própria e finalidades educacionais bem claras. Por essa razão, a cada período de experimentação, costumo revisar as definições do componente mais importante do citado modelo. Seguem aqui as linhas gerais de como as WebGincanas estão caracterizadas no final de 2009.

Há quatro anos, defini com a colaboração de Carlos Seabra um padrão para WebGincanas. Tal padrão estabelece um Desafio com solicitação de quinze itens de busca de informação. Além do padrão, defini possibilidade de WebGincanas curtas (com dez itens) e WebGincanas longas (com vinte itens). Nas considerações que seguem vou levar em conta apenas o modelo padrão.

Em observações já registradas neste texto, notei que o Desafio deixou de ser um elenco de questões cujas respostas podem ser obtidas por meio de leituras de textos publicados na Web. Indiquei a necessidade de se pensar em itens de solicitação de informação em vez de perguntas. Indiquei também necessidade de considerar que as informações existentes na rede mundial de computadores estão se diversificando com inclusão vídeos, gráficos, fotos, mapas, fontes sonoras. Essa diversidade informativa exige desenvolvimento de habilidades de interpretação extra-textual. Devemos aprender a ler imagens, gráficos e mapas. Devemos aprender a extrair informação de comunicações orais gravadas e divulgadas de diversas formas na Internet. Contamos, cada vez mais, com uma riqueza enorme de fontes informativas. Tudo isso precisa ser considerado na hora de se elaborar um Desafio em WebGincanas.

Além da diversidade das fontes de informação, a Internet oferece em muitos casos a oportunidade de manipulação interativa da informação disponível. Isso aparece na forma de jogos, de ferramentas que permitem criação de textos ou de figuras, de ambientes que facilitam comunicação com pessoas em qualquer parte do planeta. Todas essas alternativa oferecem alternativas de lidar com a informação de forma ativa, recriando conteúdos, jogando, experimentando novos arranjos de organização dos conteúdos etc. Faz sentido, portanto, imaginar que uma parte do Desafio possa ser o de obtenção de resultado decorrente de interações usuário/fonte de informação.

Finalmente, a vinculação do modelo com as propostas de gincanas tradicionais exige a formulação de missões e atividades. Estas devem dar á WebGincana uma dinâmica que mostre que as descobertas na Internet precisam articular-se com usos do conhecimento na vida cotidiana. Missões e atividades são oportunidades para que os alunos exercitem competências importantes; desenhar, cantar, realizar apresentações públicas, buscar informações junto a pessoas, etc. Cabe notar que a proposta não é a de aprender tais habilidades, mas de exercitá-las. Por essa razão, o professor-autor deve assegurar-se de que missões e atividades que inventar não demandarão aprendizagens dos processos que lhes são subjacentes.

Convém aqui sugerir as linhas gerais de organização de um Desafio a partir das observações já registradas:

  1. No Desafio, devem ser elaborados quinze itens de solicitação de informação sobre o assunto escolhido, incluindo questões que demandam contato com informações da Web organizadas no formato de texto, de imagens, de registros sonoros, e de ambientes que permitem que os usuários entrem em interação com o conteúdo. Além disso, deverão ser criadas duas missões e três atividades de espírito gincaneiro que serão associadas a itens de informação cujas respostas precisam ser encontradas em recurso Web.
  2. Os itens de solicitação de informação no Desafio deverão ser assim distribuídos: oito questões que demandem leitura e compreensão de texto, três questões que demandem interpretação de informação presente em imagens, duas questões que demandem busca de informação em recursos sonoros, duas questões que demandem interação dos participantes com o conteúdo. Se natureza do estudo justificar distribuição diferente da aqui proposta (numa WebGincana sobre música, por exemplo, é de se supor que o Desafio inclua mais que duas demandas  de busca de informação em recursos sonoros), deve-se tomar cuidado para que todas as possibilidades de uso de diferentes recursos seja garantida.
  3. Missões e atividades devem privilegiar buscas de informação ou contatos que obriguem as equipes a circular por espaços diferentes da sala de aula e do laboratório de informática. Eventualmente, computadores e outras ferramentas digitais poderão ser utilizados em missões e atividades. Por exemplo: entrevista com personagem importante no cenário da literatura pode ser feita por meio de telefone celular ou pelo Skype. É preciso, porém, escolher tais alternativas com cuidado, evitando que todo o trabalho aconteça apenas com apoio de recursos digitais.

Convém acrescentar mais uma observação sobre a natureza do Desafio. Ele, como já disse, é uma estrutura que pode auxiliar alunos a aprenderem conteúdos educacionais relacionados com as categorias conhecimento e compreensão da taxonomia de Bloom. Não vejo isso como algo limitante, embora muitos educadores achem que conhecimento e compreensão precisam ser complementados imediatamente por análise, síntese e avaliação. A suposta necessidade de tal complementação aparece, por exemplo, na sugestão de que Caças ao Tesouro tenham uma questão final chamada a “grande pergunta” (Adell, 2003). Não vejo necessidade disso. Conhecer e compreender nos termos propostos pela classificação de saberes de Bloom são dimensões epistemológicas que não precisam ser justificadas por outras dimensões supostamente mais complexas. Em termos didáticos, momentos de integrar conhecimentos ao repertório pessoal de saberes e de interpretar informações (compreensão) são habilidades intelectuais necessárias, úteis e relativamente independentes.

Conclusões

O modelo WebGincana vem mostrando que é uma estrutura que pode ajudar os alunos a construírem conhecimento de compreensão nos termos propostos por Bloom. Ao mesmo tempo, os diversos ensaios feitos em criação de WebGincanas por meus alunos mostram necessidade de integrar de modo significativo a diversidade de fontes informativas da Web.

A inspiração lúdica das gincanas tradicionais dá mais vida e dinamismo a buscas de informação na Web e fora dela. Neste sentido, parece-me que o modelo proposto é  mais completo que Scavenger Hunts e Caças ao Tesouro. Missões e Atividades, ao proporem uso de informações descobertas na Web criam interesses mais significativos que a simples satisfação de encontrar resposta para uma questão na rede mundial de computadores.

Experiências com WebGincanas ainda estão muito circunscritas a um pequeno grupo de educadores brasileiros. O modelo ainda necessita de um uso mais expressivo nas escolas para que as aplicações forneçam os necessários feedbacks que lhe darão uma estrutura mais sólida e definitiva.

Referências

Anúncios

45 Respostas to “037. WebGincanas: um artigo”

  1. Daniela Vieira Says:

    Nossa AMEI.tenho uma Ideia de Atividade para webgincans.

    Descrição: Uma WebGincana sobre nossa estância, nosso Rio Tiete e as águas da vida.

    Introdução:
    Vocês já repararam como a água é importante para as nossas vidas? Viver sem ela é impossível.E mesmo assim vemos como os rios estão Puluidos.Temos que cuidar da Nossa Agua.Aproveite esta WebGincana para conhecer mais sobre a água,Entrem na brincadeira, descubram coisas importantes e divirtam-se!

    Rio Tiete

    Pergunta 1.
    Quantos km tem o rio Tiete?

    Pergunta 2
    O rio Tietê possui quantos quilômetros de extensão?Seu trajeto, banha quantos municípios paulistas ? Ele faz parte de quantas desub-bacias hidrográficas?

    Pergunta 3
    Como houve Poluição no rio?

    Pergunta 4
    Todos os seres vivos dependem da água. Todos os seres vivos têm muita água em seus organismos. Nós, os humanos, também precisamos da água para viver. Qual a porcentagem de água presente no corpo de um ser humano adulto?

    Pergunta 5
    Em que ano o Nome do Rio Tiete foi registrado em um Mapa?

    Pergunta 6
    Ao longo do rio Tietê foram construídas muitas barragens com o intuito de se aproveitar o potencial hidrelétrico. Entre estas podem-se citar:

    Pergunta 7
    20% de toda a água potável do nosso planeta estão num único lugar. Que lugar é esse?Em que continente fica ?

    Pergunta 8
    Qual cidade, às margens do lago Leman, produz a água mineral mais famosa do mundo?

    Pergunta 9
    Segundo a Embrapa, o Aqüífero Guarani tem capacidade para abastecer a população bras:
    ileira por quantos anos?

    Pergunta 10
    Em Tupi, Tietê significa?

    Pergunta 11
    Uma árvore brasileira muito importante tem o nome científico de Caesalpinia echinata. Descubram o nome popular dessa árvore.

    Pergunta 12
    Encontrem um mapa da América do Sul que mostre o Aqüífero Guarani. Quando encontrarem o mapa, façam uma cópia dele à mão livre numa folha de papel.

    Espero que tenha Gostado Professor Jarbas.

    Daniela

    Ra:201013066

    Curso: Pedagogia

  2. Geyse Says:

    Muito interessente ensinar, ou estimular um aprendizado melhor, com uma “brincadeira”, que além de ensinar prender a atenção do educando.

    Pedagogia

    RA: 201013859

  3. Jéssica Denuse Murray *1APGN* Says:

    Pedir a os alunos qu plantem sementes de Girrasol e Feijão, esperar que nasça e ir fazendo avaliações do crescimento e evolução dessas sementes

    Girassol – na terra (vasinho)

    Feijão Algoodão(copinho de plástico)

    Depois fazer perguntas em cima dessas plantas como por exemplo:

    1- Qual a primeira etapa para a plantação de um feijão?

    2- Depois de quantos dias o seu Feijão enrrugou?

    3- Por que o seu feijão não cresceu muito?

    Essa é am minha ideia para a Web Gincana .

    Bjinhos Profº Jarbas

  4. Cristiane matos da silva*1APGN* Says:

    Achei seu texto super intessante, poque ele aborda fatos que é muito comu acontecer no dia-a dia com uso da web como tem muita gente que tem muita facilidade com internete e como tem pessoas começa a navegar acabam ficando perdido´.É por isso que eu concordo com seu texto quando ressalta que ao mesmo tempo que a internet pode gerar um grande avanço auxiliando os alunos a aprenderem conteúdos educacionais relacionado as categorias de conhecimento e comprensão, ela pode retardar o conhecimento daquele que encontra nos meio educacionais como um desafio o uso da internet porque ele não consegue navegar e explorar nas suas pesquisas na web.
    Acho que o uso da webgicanas nas escolas vai representar para todos que usa a web uma grande importância na questão de pesquisa a busacra vários sits e relacionar os conhecimento adquirido.
    Exemplo de missão: fazer com que todo consiga acompanhar os avanços tecnologicos do mundo.
    Exemplo de atividade:alfabetizar todas crianças do mundo.

    pedagogia RA201007088
    profº Jarbas

  5. Angela Vicente Says:

    Prof º Jarbas, bom dia!

    Elaborei um exemplo de atividade que aborda a história de um grande cantor da jovem guarda.
    “Agora que vocês sabem que o cantor chamado de “dedo duro” era Wilson Simonal. Ensaiem a música País Tropical para posterior apresentação”.

    Angela Vicente
    201004496

  6. Paula Catalan da Silva Says:

    Bom dia professor!
    Pensei em uma forma de missão.

    * Tema seria Alimentação.
    * Primeiramente teriam que dizer o que mais gostam de comer, escrevendo em um bloco de notas no computador.
    * Após, pesquisariam se estes alimentos são bons para a sua saúde.Organizaríamos um debate em sala de aula.
    * Finalizariam com a selecionalização de fotos dos alimentos que mais gostam e imprimiriam e montarão um cartaz organizando os alimentos que são saudáveis e não saudáveis.

    Obrigada.
    Paula Catalan da Silva 1º ano
    Pedagogia USJT 201013595

  7. Idalina Isabel 1- APGN Says:

    A webgincana é uma prosposta que provavelmente poderá mudar conceito de pesquisas pela internet e o famoso Google.
    Bom, depende de nós futuros educadores proporcionarmos a atividade com nossos educandos de modo que atinja os objetivos da webgincana.

    Mas, como é difícil montar uma WEBGINCANA, estou quebrando a cabeça com essas questões, missões e atividades.

    Mas vamos lá. Vou aproveitar o tema do meu grupo e criar a missão e a atividade que o enhor pediu na última aula.

    MISSÃO

    Colher alguns artigos da internet que abordem a filosofia de FRATO e o que ele defendia. Depois encontrar o autor do artigo e traze-lo para a sala de aula. Na sala fazer uma entrevista com o autor, perguntando o que lhe chama a atenção em Frato entre outras coisas.
    (cuidado professor vc pode estar na lista em ?)

    ATIVIDADE

    Encotrar um livro de Frato só com imagens. Depois de encontrado montar uma pequena exposição dessas imagens sendo que , todos aqueles que visitarem devem deixar um parecer sobre qual figura o chamou mais a tenção e por que motivo ?

    Espero que tenha acertado !
    Até quinta ;D

  8. Jéssica Fabre (1APGN - USJT) Says:

    Bom Dia professor Jarbas!

    #A minha idéia de missão seria com o tema : “Desmatamento da Amazônia”

    # Após selecionar alguns sites, faria perguntas como :
    – qual a atual porcentagem desmatada da Amazônia?
    – em que época começou o desmatamento em larga escala?
    – qual o principal motivo das derrubadas?

    # Após isso, o foco da missão deve fazer com que após a busca de informações e respostas adquiridas na web, os grupos devem levar para a sala de aula, algumas folhas desta árvore, com uma pequena descrição da mesma, juntamente com o nome do local onde a encontraram.

    # Seria interessante juntar os resultados de cada grupo num exposição; e assim fazer com que cada grupo compare as características de suas folhas com a dos outros grupos, chegando a conclusões como cor, textura, tamanho, etc.

    Acredito que seja isso professor.
    Boa Semana !
    Até quinta !!!

  9. Hanayza Silagi (1º APGN-USJT) Says:

    Acredito que a WEBGINCANA é uma forma revolucionaria de interagir o aluno com a tecnologia de forma educativa, gerando conhecimentos variados e é claro a diverção.
    Mas para atingir essas metas é necessário que esta atividade seja feita com uma estrutura atualizada e selecionada.

    -Missão: As sete Maravilhas do mundo.

    -Os alunos pesquisarão:
    -Quais são as sete maravilhas do mundo?
    -Como foram classificadas? A ordem delas?
    -Quais os quesitos para essa classificação?
    -Em quais países estão situadas cada uma das sete maravilhas?
    -Quais as historias que deram origem a elas?

    -Atividade:
    Será montada uma oficina de confecção de replicas das sete maravilhas do mundo, onde os alunos terão que realizar as construções e antiguidades em forma de escultura, usando materiais recicláveis. As esculturas finalizadas ficarão expostas com dados da pesquisa realizada anteriormente pelos alunos.

    Hanayza

  10. Pryscilla Cabral de Souza Silva Says:

    Profº Jarbas, bom dia!

    Criar uma webgincana não é fácil, são muitos detalhes a serem pensados, como formular perguntas, criar atividades e missões. Pensei em uma webgincana com o tema: “Brasil, meu Brasil brasileiro” de início propondo a pesquisa:
    1. qual o principal produto interno?
    2. tal produto é utilizado para exportação?
    3. a população
    4. culinária
    5. qual estado tem por costume tomar Tererê?
    6. educação

    Atividade: preparar mapas, fotos, objetos e curiosidades dos estados para apresentação a classe.

    Boa semana!
    Pryscilla RA 201008066
    1º APGN

  11. ana paula vieira Says:

    oiii,professor gostei muito do texto.
    pensei em web gicana com tema é sobre
    do transporte mais usado hoje em dia que é o metro?
    1-quantas estações o metro tem?
    2- quando foi a sua inaugurado?
    3 quem inventou esse meio de transporte?
    4-quantas pessoas hoje em dia utiliza esse meio de transporte?
    espero que o senhor tenha gostado da minha ideia.
    e meus parabéns pelo seu texto e muito legal!
    nome:Ana Paula Vieira RA:200912793
    1 APGN

  12. Maria Regina Chaves Says:

    Bom dia, Professor Jarbas!

    Parabéns, pela iniciativa de criar uma webgincana, deve ter sido muito trabalhoso, porém o resultado ficou exelente.
    Através deste recurso os alunos poderam brincar e ter conhecimento de uma forma diferente, ou seja saem em busca através de pesquisas ou de matérias concretos, para melhor aprendizado. Além de despertar no aluno a curiosidade de saber mais e mais sobre o assunto abordado, disperta também seu o lado competitivo, que fará com que ele busque as respostas e assim ficará informado e com mais conhecimentos.

    Beijos! Maria Regina, Pedagogia, RA 200913050

  13. Rafael Borges 1APGN Says:

    Webgincana. A princípio parace fácil, mas exige muitos detelhas. s perguntas devem ser objetivas evitando variedades de respostas. O Legal da Web gincana é que ela permite um trabalho mais apmplo, levando o aluno a utilizar esta maravilhosa ferramente que é a internet. LEvando o homem em especial no processo educacional a utilizar a internet, livros e aprender a pesquisar de uma forma dinâmica, desenvolvendo as suas habilidades e o raciocínio.

    Tema: ” A Cidade de São PAulo no Século XIX”

    Missão:

    PRocurar materiais escritos sobre a cidade de Sâo Paulo no Sèculo XIX,e trazer algum historiador que estude o tema para a sala, possibilitando os demais colegas perguntarem para adquirirem conehcimento.

    Atividade:

    Recolher materiasis, que demosntre a cultura da época e apresentar em forma de Teatro para a Turma.

  14. Suellen Rosa (1APGN USJT) Says:

    Boa tarde professor Jarbas!!

    Amei o texto,ele facilitou o entendimento do que realmente é uma WebGincana.
    É um meio de gerar conhecimento de forma prática e dinâmica.

    Missão: Lixo (A vida numa sociedade do descartável).

    Os alunos pesquisarão o seguinte:

    *Quanto lixo é produzido por ano?Em determinados países.
    *Qual país, gera o maior número de lixo?
    *O que é considerado um fator principal para o aumento do lixo.
    *Que atitudes contribuem para uma sociedade tão desperdiçadora,e como podemos combatê-las?

    Atividades

    Montar exposição de produtos feitos com materiais reciclaveis,onde deverão apontar idéias novas,de materiais que podem ser reciclados,criar novos produtos reciclaveis que são de grande útilidade em nosso dia – dia. Apresentando assim uma solução para este grande problema.

  15. Marina Morato - 1APGN Says:

    A web gincana com certeza é uma forma revolucionária de fazer com que alunos acostumados a “pesquisar” as coisas prontas na internet, passem a pesquisar de verdade, buscando coisas novas e tirando estes da preguiça e da acomodação.

    Pensando no trabalho que terei de apresentar, cujo tema é “FRATO”, formulei as seguintes atividades:
    1 – fazer uma releitura das obras de FRATO, deixando seu desenho com a sua cara, para uma exposição;
    2 – escolher cerca de 5 charges e, a partir destas, fazer uma pequena encenação, usando figurino, cenário e falas;
    3 – se você fosse o FRATO como seria uma charge sua falando de cenas vivenciadas na universidade.

  16. rosilangela 1apgn Says:

    tema ditadura brasileira trazer uma pessoa que vivenciou essa epoca e trazer para ela contar sua experiencia.

  17. Mariana Pachioni - 1APGN Says:

    Professor Jarbas, Boa Tarde!

    Acredito que a WebGincana é um ótimo projeto educacional, pois por ser diferente de outros modos de ensino mais utilizados, a WebGincana vai trabalhar com a interesse do aluno, com sua total dedicação ao que lhe foi proposto.
    Pensando em como produzir uma, me veio em mente o tema Asilos, pois em minha opinião é importante mostrar as crianças, uma realidade que elas não estão acostumadas a ver, conhecer lugares que são visitados pela grande minoria das pessoas e quem sabe, não torná-las interessadas sobre o ato voluntario, ajudando pessoas que precisam apenas de mais carinho.

    Perguntas:
    – Como surgiram os asilos;
    – Qual é a verdadeira função de lugares como esses;
    – Geralmente, por quais motivos os idosos são internados nesses lugares;
    – Qual foi o primeiro asilo criado no Brasil, ainda existe, a onde está localizado;

    Atividades:
    – Criar diversas atividades para os idosos, atividades de música, dança, brincadeiras, alimentação, etc.
    – Montar um grupo de pessoas interessadas em se dedicar um dia a visita do lugar, passar o tempo com eles e trabalhar as atividades planejadas pelo próprio aluno.

    Missão:
    – Trazer para a classe uma pessoa do asilo que possa fazer um depoimento detalhando tudo o que lhe foi proporcionado no dia da visita.

  18. simone da cruz silva-1apgn Says:

    muito bom esse trabalho os desafios que são passado as pessoas da um pouco de medo isso torna a webgincana emocionantes parabens, procura as resposta torna e uma maneira de aprendizagem assim todos trabalham em equipe.
    -CULINARIA BRASILEIRA
    desafio:Qual é melhor comida brasileira e trazer pronto?
    Quemm trousse ao brasil?…..

  19. Gideane Pereira 1° APGN Says:

    A WEBGINCANA é uma forma dinâmica de ensinar o aluno. A principio é um pouco complicado, mas após se iniciar essa atividade com algumas pesquisas o aluno começa a descobrir o que vem pela frente e percebe a sua alta capacidade de pensar. A missão principal dessa atividade é desenvolver o aprendizado do aluno utilizando o computador, a internet e o que não pode faltar é uma competição saudável. Já o Educador pode adicionar o tema que desejar ampliando a visão do aluno e também a sua percepção e observação.

  20. Ana Paula Brito 1APGN Says:

    Oi Professor.
    Adorei a ideia da web gincana.
    Se fomos aplica isso em ma escola as crianças vao adora..
    1 as crianças nao vao decora nada.
    2 vao se diverti e ao mesmo tempo vao esta apreendendo isso que é o gostoso e a atividade nao se torna cansattiva e sim divertida….

  21. Daniela Miranda Says:

    Olá professor,
    A ideia da Web Gincana é bem bacana, estimula a criatividade do grupo e exercita a pesquisa e as pessoas que dela participam devem se sentir estimulados também devem se divertir muito.
    Por outro lado, esse tema que o Sr. nos deu para nossa Web Gincana de 2010 é meio complicado pelo fato de não podermos jogar a questão no google e ele dar a resposta nas duas primeiras páginas, isso nos complica MUITO, porque o google responde tudo de cara e está muito difícil criar as questões da gincana.
    Estamos tentando criá-las, espero fazer um trabalho bacana e que o pessoal que se propor a nos ajudar na aplicação dessa gincana se divirta bastante! E nós também, claro!

    É isso, bjs e até a próxima aula.
    Danny

  22. Daniela Miranda - Licenciatura Says:

    Esqueci de dizer, sou da Licenciatura, primeiro horário na sexta-feira.

  23. Daniela Miranda - Licenciatura (1º horario sexta) Says:

    Olá professor,
    a ideia de web gincana é bem legal, estimula a criatividade do grupo em criar as questões e as pessoas que dela participam se divertem e aprendem bastante!
    No entanto, criar uma web gincana é complicado, ainda mais que o Sr. disse que não podemos criar uma questão que seja facilmente respondida pelo Google, isso está dificultando MUITO nosso trabalho, porque o google responde tudo logo de cara…
    Esperamos superar esse desafio e montar uma web gincana bem bacana em que todos possam aprender muita coisa e se divertir!

    É isso, bjs e até a próxima aula!
    Danny

  24. Fernando Lopes Says:

    Gostei bastante!
    A busca de informações através de desafios cria um novo horizonte para a formação dos alunos, já que os coloca em contatos com estímulos que para eles são reforçadores.
    A interação com o meio faz com que os alunos passem a desenvolver o conhecimento de forma dinâmica e ativa, evitando a passividade convencional do ensino tradicional.
    A escola se tornou um ambiente avesivo para praticamente todos os alunos das escolas ditas “tradicionais” e o uso de ferramentas como essa possibilita uma nova visão de como a escola e principalmente com a forma de aprendizado.
    Outro item interessante é o fato da atividade ser bastante parcecida com ARG´s que são jogos baseados em técnicas de propaganda e marketing e jogos de Role Play Games. Me recordo de dois ARGs (Alternative Reality Games) publicados no Brasil, um pela Antartica em uma campanha do Guaraná e outra atual para o HSBC.

  25. Felipe Palma Says:

    Professor Jarbas, Colegas,
    Buenas Noches!

    A atividade “web gincana” sem dúvida é uma atividade que exigirá atenção, trabalho em equipe, paciência e pesquisa dos participantes porém de forma descontraída a caráter competitivo, fato que provavelmente será um insentivo para a aplicação da atividade.

    “Acredito que a “chave” para o sucesso da atividade “Web Gincana” será o nosso desafio, desperta o interesse dos participantes e competidores pela atividade”.

    Abraços

  26. Heloisa Baltazar - Licenciatura Educação Física Says:

    Em relação à pesquisa realizada na internet, esta dinâmica da WebGincana evidencia que quanto maior a quantidade de informação, melhores são os resultados encontrados, ou seja, é fundamental orientar quanto a melhor forma – quantitativa e qualitativamente – para uma efetiva utilização dos sitemas de busca oferecidos pela internet, fazendo da mesma uma ferramenta que auxilie a construção do conhecimento, ao invés de prejudicá-lo (o que têm sido mais comum).
    Assim, “cabe ao professor oferecer um andaime ao aluno para que ele construa o seu saber”.

  27. Rafaela Cirillo Barricelli Says:

    Boa noite, prof. Jarbas!
    Após ler o referido artigo, cheguei à conclusão de que, infelizmente, a internet tem sido explorada pelos educadores de forma errônea, pois as poucas vezes que os professores levam os alunos a laboratórios de informática as aulas ficam ´´desajustadas´´, ou seja, o ´´google´´ passa a ser o educador virtual de uma atividade utópica.
    Ao aplicar a redação cooperativa, pude ter uma boa noção de como utilizar a tecnologia de maneira eficiente.
    Abraços,
    Rafaela (Licenciatura- turma LI02B- Ra: 200180229)

  28. Melissa Padilha - Licenciatura Says:

    A proposta maior da web gincana ao meu ver, é a possibilidade do professor de orientar o aluno a um melhor uso da ferramenta internet. Esse meio vem sido usado de forma errada por todos os níveis educacionais, desde os alunos de ensino fundamental até como nós alunos de ensino superior.
    A possibilidade de descobrir o conhecimento de forma dinâmica também é um grande atrativo desta atividade, acredito que possibilitará ao aluno uma forma divertida e descontraída de pesquisar e aprender, sem que este mesmo perceba este processo.
    Será bastante interessante para nós alunos passar por este processo e aprender como podemos diversificar os nossos métodos.

    Abraços.

    Melissa Padilha D. Rosa – Licenciatura

  29. Eliane Cekenda Machado Says:

    Oi!
    Acho que essa Webgincana vai ser um grande desafio para mim e para os meus colegas, mas acho que poderemos nos sair bem. Esse artigo nos esclarece muito bem como funciona e também me ajudou a sanar algumas dúvidas quanto às questões. Minha maior preocupação é sobre a criatividade na formulação das perguntas
    Espero não decepcionar o senhor!
    Uma boa noite!

  30. Fernanda Domiciano Says:

    Olá prof Jarbas, boa noite!!!! Adorei seu texto sobre webgincana. Entendi que a internet vem sendo explorada de uma maneira errada. Hoje em dia, o aluno não tem idéia do que se pode aprender com essa tecnologia, e muitas vezes busca esse canal, e não sabe utiliza-lo. Minha idéia para webgincana é “porque exercícios fisicos são importante para nossa saúde?”
    1-Porque é importante fazer exercícios fisicos?
    2-Quais são as doenças que se pode evitar fazendo exercícios fisicos?
    3-Com que idade podemos começar a fazer exercícios fisicos?
    Essa é minha idéia,espero que tenha gostado.
    abraços!! Fernanda 1APGN.

  31. Rafaela Bastos Says:

    . – Muito construtivo o tema a ser discutido.

    De fato temos que nos adequar as tendências e tecnologias comtemporâneas. Em pleno ano de 2010, existe ainda muita dificuldade em administrar uma aula que envolva tais tecnologias.
    A WebGincana se bem discutida e fundamentada, será sim um ótimo meio de aprendizagem, digo isso, pois estudava no SESI, durante o ensino fundamental tinhamos um instrumento super envolvente, que fazia-nos esquecer de otras ferramentas atribuidas á Web. O tal do SESINHO, existe um site que incorpora diversos assuntos atuais e históricos, de forma bem humorada e divertida para as crianças ainda na fase inicial da escola. É interessantissima a maneira que os professores dessa instituição conseguiam abordar os temas conflitantes para os educandos, esse trabalho colheia deliciosos frutos, já que estudos apontam o maior enriquecimento do apredizado se feito de maneira diversificada.

    Introdução
    O surgimento do catolicismo no Brasil…

    Missão
    Levantar as diferenças assossiadas a todos os tipos de religião, procurando sempre um representante das tais, avaliar as diferenças e as propostas semelhantes.

    1ª Pergunta:
    Você acha que foi certo os Jesuítas implantarem essa religião no Brasil?

    2ª Pergunta:
    Quais eram os objetivos dessa catequização?

    3ª Pergunta:
    Os Jesuítas queriam difundir o catolicismo em quais regiões do Mundo?

    R.A: 20101329

    Se cuida**

  32. Tweets that mention 037. WebGincanas: um artigo « Boteco Escola -- Topsy.com Says:

    […] This post was mentioned on Twitter by Jarbas Barato. Jarbas Barato said: WebGincanas: um artigo: http://bit.ly/d3HLlp , versão ampliada de texto publicado na Espanha. […]

  33. Marlene F. Profeta - Formação de professores - LI2B Says:

    Boa tarde, Prof. Jarbas!

    O que eu compreendi do texto é que web gincana é mais uma ferramenta para educadores trabalharem diversos temas com os alunos, integrando jogos, perguntas, pesquisas na web, relacionamentos extra sala de aula, prática de talentos. Trazendo ao aluno um caminho mais dinâmico de compreenderem/entenderem um certo tema. Exigindo do educador, estudo e pesquisa para montar as web gincanas, acrescenta-se no trabalho do dia a dia do educador, mais entusiasmo para quem se afinizar com esta ferramenta de trabalho.
    Parabéns Prof. Jarbas pela dedicação ao estudo das Web Quest e Scavenger Hunt e pelo nascimento das Web Gincanas.

  34. Eliana Franzão da Silva Says:

    Desculpe a demora de responder, estamos com muitos trabalhos da Faculdade de do nosso emprego.

    Professor é muito interessante a Web Gincana, embora um tanto complexa, esperamos que consigamos fazer como o senhor almeja, pois para nós é uma situação nova, é muito interessante sua aula não fica maçante do modo que o senhor interage com a nossa turma.

    Elaian Franzão da Silva 1º APGN – RA 200702973

  35. Ana Carolina PAtto 1 APGN Says:

    Professor, muito interessante o Artigo da Web Gincana, pois ela auxiliar o professor na elaboração de materiais para estimular os alunos a pesquisarem posteriormente sobre o tema.

    POrém a webgincana é muito complexa, pois exige do educador, pesquisas para elaborar de uma forma dinâmica que não deixe vaga as respostas. as atividades são legais, pois permite o aluno sair do seu lugar e buscar novas fontes. a missão então, é legal pois permite o criar, e levar para todos o conhecimento obtido com a pesquisa.

  36. Mariza Coelho Says:

    A tarefa de realizar uma WebGincana não é fácil, mas quando concluída proporciona uma aprendizagem significativa tanto para o aluno quanto para o professor.
    A utilização de ferramentas tecnológicas como é no caso da internet a nosso favor é sem duvida interessante e enriquecedor na busca de conhecimento. A WebGincana por exemplo, é uma das diversas formas de interagir com a tecnologia e o saber mostrando para o educando que há inúmeras maneiras de se adquirir conhecimento.

    Pedagogia RA 201013659

  37. DIRCE Says:

    boa noite, professor,

    mesmo sem aplicar o exercício da Web Gincana aos nossos alunos, ficamos a imaginar como os alunos brasileiros de ensino superior ou médio, veriam a aplicação desse exercício.
    As perguntas, bem elaboradas e profundas, podem permitir um meio de aprendizagem bem interessante. Esses exercícios já foram aplicados em alunos brasileirosdo de ensino médio? De ma escola estadual ou municipal? Se foi, gostaria muito de saber quais impressões eles tiveram.

    abraços e até mais,

    Dirce

  38. Kelly Nunes Licenciatura Sexta 17h20 Says:

    A idéia da WebGincana é bem interessante, algo desafiador tanto para o aluno-professor, quanto para o aluno que irá participar da atividade. Uma excelente atividade onde envolve o trabalho em grupo, estimula a pesquisa e também a criatividade. É uma tarefa trabalhosa e um pouco difícil. Afinal como comentado em aula, hoje em dia é muito difícil algo que o Google não responda. A elaboração das questões talvez seja a mais complicada, visto que a criação das atividades e missões são mais tranquilas. O tema escolhido também achei um pouco difícil e de certa forma “restrito”, mas acredito que ao final da aplicação, o grupo de trabalho possa possibilitar aos participantes através das questões, atividades e missões, um conceito “diferente” de Universidade para os alunos do 1º ano.

  39. Paulo W. Carvalho (Licenciatura- Sexta 17h20min) Says:

    Bom dia Professor, desculpe a demora.
    Quando o Senhor passou essa dinâmica na aula ja achei muito interessante, após a leitura do texto pude perceber que realmente ela pode ser usada em vários contextos. Como se trata de um trabalho professor tenho que dizer que a tarefa é um pouco complexa porque hoje em dia tudo o que você quiser é só digitar no Google que já esta lá, é até impressionante mas com certeza deixa o nosso trabalho muito mais dificil.
    Essa é uma idéia excelente para variar as formas de trabalho usadas atualmente e uma nova forma que a maioria deve aprovar pois exige muita busca e procura dos participantes e que ja aguça nos alunos a parte cientifica pela própria pesquisa e pela interação com algum tema especifico.

  40. Berenice licenciatura-sexta 19h Says:

    A idéia da WG é bem interessante para ser usada como um material de apoio às aulas, independente da disciplina. Pode tornar o aprendizado mais interessante e desafiador, que é o que precisamos proporcionar para nossos jovens alunos. Porém, é preciso tempo para se planejar um bom material, e claro, criatividade. Será que os professores, principalmente de escolas públicas, têm tempo hábil para isso, já que geralmente trabalham em mais de uma escola? E o material? Computadores não são amigos íntimos dessas instituições.

  41. José Ribeiro (Licenciatura sexta-feira 17hhh) Says:

    Boa tarde, Professor Jarbas.
    Na última aula foi feita uma WebGincana no laboratório, a atividade esclareceu algumas dúvidas quanto a execução da tarefa. O meu grupo está preparando uma WebGincana para o semestre e agora temos uma ideia de como é na prática. Uma das qualidades das WebGincanas é que os temas podem ser variados, ou seja, independentemente da área há diversos assuntos que podem ser explorados. Ao passo que no final da tarefa pode-se fazer uma análise do resultado e dos objetivos. É isso. Até mais.

  42. Luana Melo Says:

    Olá professor!

    As atividades da web gincana requerem não só dedicação e atenção dos alunos desafiados, mas ao professor que aplica, pois submete a uma pesquisa extremamente diferenciada pra que as respostas possam dar certo trabalho e consequentemente o conhecimento e a capacidade investigativa e reflexiva, em vários níveis de dificuldade e complexidade.
    Eu já havia tido contato com algo bem parecido num jogo online chamado Clude Side, onde as páginas do site continham apenas um foto e uma frase e para passar de página e nível teria que investigar os elementos por toda a internet. Este contato que tive me auxiliou muito a descobrir outras fontes de informações mais concretas (outras não) além do Google e da Wikipedia. Me diverti e aprendi a ter uma visão investigativa e despertei minha curiosidade. Tenho certeza de que valeu a pena pra mim e vai valer para todas as pessoas que participarem da gincana.
    Acredito que este tipo de atividade é o futuro da aprendizagem moderna, e os profissionais envolvidos terão que estar sempre à frente para poderem atualizar-se cada vez mais, acrescentando conhecimento e desenvolvendo sua capacidade de raciocínio numa pesquisa.

  43. Ana Paula - 1APGN Says:

    Olá Professor Jarbas, Boa tarde!

    A webgincana é uma norva forma de aprendizado apresentada aos novos alunos, exige muita criatividade e necessário que o autor provoque o interesse no participante. Por meio de questões mais elaboradas de atividades e missões, o participante vai criando um interesse mais aprofundado sobre o assunto, todas as respostas são encontradas em teoricos na web. Não é interessante que o participante procure em um pesquisador apenas pela palavra chave, ou que coloque a pergunta lá, e sim que ele procure saber mais sobre o assunto apresentado.
    Pra mim, foi meio assustador quando o professor pediu que criassemos uma webgincana, mas depois de tantas explicações, está ficando mais claro.
    Vamos falar de um assunto de uma forma que será mais interessante e também competitiva, o professor aplicou uma webgincana na sala e fez com que entendessemos mais e que se divertissimos, pois cada um corria atras das respostas das peguntas para aumentar a pontuação, elaboramos as atividades e podemos compreender de verdade.

    RA.201013361

  44. WebQuests (WebGincanas). Uma leitura para o domingo | Ensino de línguas com TIC Says:

    […] ver agora “WebGincanas: um artigo“, mas depois da leitura poderão ver que o professor Jarbas tem nesse blog “Boteco […]

  45. ROSELI MARIA PEREIRA MOURA Says:

    Nao conhecia as atividades do webgincana, mas tive a oportunidade de conhecer um pouco através dos textos que li e gostei do curso ,achei as atividades da webgincana é uma forma interessante de aprendizagem que exige muita atenção, concentração e dedicação. Acredito que essas atividades é uma grande oportunidade para melhorar o aprendizado dos alunos e também dos profissionais que atuam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: