Webquest na academia

O sucesso do modelo Webquest gerou muito interesse de estudos do modelo criado por Bernie Dodge por investigadores cursando mestrado ou doutorado. Mas, a produção de teses e dissertações sobre o modelo encontrou uma barreira inesperada. Bernie Dodge é, num certo sentido, um anti-acadêmico. O modelo Webquest não é um produto de pesquisas apuradas. É, muito mais, um arranjo que foi criado para responder a necessidade imediata de Dodge, para responder a pergunta de como fazer algo interessante num curso de formação de professores para que estes usassem recursos da internet. E Bernie achou uma forma bem arrumada de fazer isso. Na sequência ele estruturou de modo mais definitivo o que havia feito no curso de formação de professores e deu ao arranjo o nome de Webquest. O sucesso foi imenso. Em pouco tempo, professores em todo o mundo criaram e publicaram Webquests na internet. Bernie foi convidado a levar a boa nova para quase todos os estados americanos e para muitos países do planeta, incluindo, entre outros, Brasil, China, Austrália, Espanha, Perú.

Para ver a questão da ausência de boas referências acadêmicas sobre Webquests é bom dar uma olhada aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: