Educação divertida 2

Sempre me preocupou a ideia de que a educação deve ser divertida. Tentei, em meus tempos de professor em faculdades de educação, combater essa crença. Mas, confesso que não tive muito sucesso. Por isso, certo dia resolvi aderir ao movimento. Já tinha me esquecido disso. Hoje minha memória foi reativada quando encontrei um rascunho de texto que comecei a escrever em defesa da educação divertida. Tal rascunho pode ser muito melhorado. Por isso, publico-o aqui, solicitando colaboração dos amigos.

MANIFESTO POR UMA EDUCAÇÃO DIVERTIDA

Não dá mais pra suportar. A educação que temos é muito chata. Já é hora de virar o jogo. E podemos começar com as medidas que seguem neste manifesto.

  1. Extinção do Conselho Nacional de Educação (CNE) e demais conselhos de educação em todos os níveis, substituindo-os por órgãos capazes de julgar e animar espetáculos. Há exemplos de coletivos que podem exercer tal papel com muita competência. Sugere-se que os novos conselhos se inspirem em grupos de jurados como os do Chacrinha, Flávio Cavalcanti, Raul Gil, Bolinha e Silvio Santos.
  2. Fechamento imediato das faculdades de educação. Elas devem dar lugar a escolas circenses que formam palhaços, malabaristas, trapezistas, showpeople, profissionais muito necessários nas escolas de hoje. Entre os novos profissionais da educação, destaque especial será dado aos palhaços. Queremos já bons doutores em palhaçadas. Eles serão adorados pelos estudantes.
  3. Proibição de livros do Paulo Freire e autores assemelhados. Fora com a chateação de discursos articulados sobre fins da educação, Eles serão substituídos por manuais de como organizar espetáculos. Em vez de Freire, queremos Bial.
  4. Reforma urgente de espaços escolares, com derrubada de salas de aula, bibliotecas, laboratórios, oficinas. Os ambientes ideais das novas escolas serão picadeiros, arenas, palcos, estúdios. E enquanto a demolição da velha escola não se concretiza, façamos tudo via celular.
  5. Proibição de livros de disciplinas chatas como Anatomia e Fisiologia, Estatística, Física, Matemática, Cálculo, Lógica e História. Mas não basta proibir livros assim. É preciso proibir também as disciplinas. Elas são muito desagradáveis, exigentes, Não há qualquer razão para aprendê-las,
  6. Proibição de pesquisas científicas que deverão ser substituídas por roteiros capazes de gerar bons programas de TV, de jogos eletrônicos e de outros produtos que promovam o riso e a diversão.
  7. Eliminação de exercícios exigentes para a formação de artistas na música, na pintura, na dramaturgia etc. Toda a produção artística deverá ser levada à frente por robôs.
  8. Eliminação da chatice do dia a dia, as obrigações aborrecidas. Para gente que delas não consiga se livrar, serão administradas generosas doses diárias de SOMA ou de outra droga mais eficaz para promover o prazer.
  9. Há um objeto maldito que se aliou à escola e tem ojeriza quase que total dos alunos, o tal de livro. Ele precisa desaparecer. Não merece lugar nem mesmo em museu. E não venham com essa história de que o livro pode se transferir para a banda digital. Isso é golpe baixo, além de baita equívoco. As bibliotecas e livrarias serão conservadas apenas para alimentar uma diversão que deixará os estudantes muito contentes: fogueiras de livros em praças públicas. Essa diversão será provisória e desaparecerá quando o último livro for consumido pelo fogo.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: