Archive for dezembro \03\+00:00 2015

Conhecimento e verdade: uma avaliação diferente

dezembro 3, 2015

Em meus tempos de professor de filosofia em cursos de comunicação social, fiz várias experiências para deixar de lado a sisudez nas abordagem de temas filosóficos. Inventei. Experimentei. Acertei. Errei. Foi uma aventura interessante. Para muitos alunos, surpreendente. Para alguns, incômoda.

Tentei inovar no desenvolvimento de aulas, na solicitação de trabalhos para os alunos, na avaliação. Revendo meus guardados, encontrei uma avaliação que quero compartilhar com interessados e talvez com algum ex-aluno que passe por aqui.

Em meu programa, dei destaque à epistemologia. Em comunicação social fala-se muito em verdade, em verificação, em fidelidade aos fatos. Presume-se que o povo da área de comunicação social tem a verdade como um de seus compromissos mais sagrados. Por isso, julguei que meus alunos deviam ter uma iniciação em epistemologia.

Depois de oito aulas sobre epistemologia, sempre relacionando essa disciplina filosófica com os fazeres dos profissionais de comunicação, achei que deveria realizar uma avaliação. Não uma prova sobre o que é, quais são as partes de, escreva sobre etc. Resolvi que uma técnica de escrita criativa, a redação cooperativa, poderia ser um modo interessante de verificar o que sabiam meus alunos. Segue aqui o que fiz.

 

Atividade de Avaliação
Filosofia nos cursos de comunicação social
Universidade São Judas Tadeu

Professor Jarbas Novelino Barato

 

Em oito aulas fizemos diversos exercícios com a finalidade de examinar problemas relacionados com epistemologia, disciplina filosófica que estuda a questão do conhecimento. Examinamos principalmente situações que podem nos ajudar a refletir sobre a verdade. Já é hora de verificar como as coisas vão indo. Será que já temos algumas ideias mais claras com relação ao nosso conhecimento?
Procuramos, ao analisar questões do conhecimento, articular nossas reflexões com dois conceitos muito importantes para profissionais de comunicação social: informação e comunicação. De certa forma, um e outro conceito é sinônimo de conhecimento. Um e outro é representação de objetos, situações, ideias.
Mas, chega de conversa sobre o que rolou até agora. A proposta é fazer uma avaliação. Para que? Para ver como os alunos estão percebendo questões epistemológicas. Para ajudar o professor a melhor planejar o que vem pela frente.
Proposta de avaliação
Vocês não farão um teste. Nem darão respostas para uma série de questões. Esta avaliação é diferente. Elaborei uma proposta de redação cooperativa, a partir do início de uma história. Muitos de vocês já fizeram exercício de redação cooperativa. Lembram-se da história da Cotovia e os Sapos? Agora a redação merece um pouco mais de capricho. Ela servirá de elemento de verificação de aprendizagem (a popular avaliação). Vejam, a seguir, o que será feito:

1. Cada um de vocês continuará a história no ponto em que ela parou. Se não pudermos fazer a avaliação em laboratório, caprichem na letra, por favor.
2. Será considerada a redação cooperativa com participação de cinco alunos.
3. A cada dez minutos, as folhas de redação (ou telas Word) mudarão de mãos . Essas mudanças serão determinadas pelo professor.
4. Quando a redação estiver concluída (ou quando o professor determinar o fim da atividade), cada grupo deverá escolher a melhor história que elaborou. Apenas esta será considerada para efeitos de avaliação.
5. A história que será apresentada a seguir tem como personagem central uma senhora chamada Verdade. Na continuação da narrativa (obra de vocês), essa senhora deverá encontrar-se com os seguintes personagens:
• Percepção
• Razão
• Poder
• Interesse
• Pensamento
• Representação
• Epistemologia
• Erro ou engano
• Ciência
• Informação
• Comunicação
• Racionalismo
• Empirismo
Não se esqueçam de registrar nomes e RA dos autores na medida em que a redação for se desenvolvendo.
O ponto de partida para todos os grupos é o texto que segue.

 

Dona Verdade Chegou
Ela é uma senhora. Bonita. Vivida. Bem humorada. Nasceu muito longe, numa outra galáxia. E ninguém sabe por que ela resolveu fixar residência no planeta Terra. Ah! O nome dela? Dona Verdade.
Faz alguns anos que Dona Verdade anda por aqui. Já visitou todos os países. Já participou de muitos eventos históricos. Sempre desejou ser bem conhecida, mas, numa entrevista, declarou que muita gente sequer olha para ela. E tudo que ela quer é estar presente na vida de todos.
Nos últimos tempos, Dona Verdade parece muito preocupada. Na maior parte dos lugares por onde passa ninguém lhe dá a mínima. Ela até andou pensando que o problema é de aparência. “Talvez eu esteja ficando velha”, pensou a bela senhora. Considerou fazer uma plástica e até uma lipo. Porém, depois de muito pensar, ela chegou a uma conclusão terrível. Ninguém mais a vê. Ela ficou invisível.
As coisas precisam mudar, pensa Dona Verdade. Para tanto, ela começou a conversar com seus vizinhos, amigos e conhecidos dos velhos tempos: pensamento, percepção, razão etc. Ela acha que vai encontrar um modo de recuperar a visibilidade.
Começou assim uma grande aventura. No fim desta história saberemos se Dona Verdade tem chances de recuperar sua visibilidade.

Blogs, comunicação e educação

dezembro 2, 2015

Quando planejei este Boteco Escola, tinha como objetivo principal criar um espaço de conversa sobre blogs na confluência dos diários eletrônicos coma comunicação e a educação. Ao mesmo tempo, o espaço foi imaginado como referência para minhas alunas e alunos da pedagogia desafiados a publicar blogs.

Com o passar do tempo, outros assuntos entraram na prosa: tecnologia educacional, educação, NTIC’s, usos educacionais da internet, redação cooperativa, obras de grandes educadores, e até filosofia.

Este Boteco Escola ganhou certo destaque nos meios educacionais. Por esse motivo, fui convidado diversas vezes para entrevistas sobre uso de blogs em educação. Parte do que eu disse ou escrevi para tais entrevistas aparece aqui na forma de posts e páginas. Além disso, traduzi diversos artigos sobre blogs e seus usos nas comunicações e na educação para enriquecer papos neste boteco. Mas, nos últimos anos pouco publiquei sobre blogs neste espaço. Em parte isso se deve a redução do entusiasmo por blogs no ciberespaço.  Novas formas de publicação como o Twitter e o Facebook foram ocupando o lugar dos blogs na internet. Mas, os blogs não morreram. Estão por aí, como espaços privilegiados de autoria e comunicação.

Tempos atrás apareceu um livro importante sobre blogs, Blog Theory, de Jodi Dean. Escrevi resenha da obra e indiquei aqui no Boteco link para a mesma. Agora, para reavivar conversas sobre blogs neste espaço, resolvi trazer para cá a dita resenha, publicada nos idos de 2011.

blog imageDEAN, Jodi. blog theory: feedback and capture in the circuits of drive. Malden, MA: Polity Press, 2010. 153 p.

Novas tecnologias da informação e comunicação (NTICs) ganham espaço cada vez maior na vida cotidiana. Essas tecnologias são vistas como avanços desejáveis, pois os ganhos que trazem em termos de ampliação do conhecimento são imensos. Tal interpretação do papel das NTICs tem uma dupla face. De um lado, ela entende que produção e acumulação de saberes é um processo contínuo e cumulativo. De outro, ressalta a necessidade de se adotarem as mudanças que as mais recentes tecnologias trazem. Comentários nos meios de comunicação e em produções acadêmicas tendem à tecnofilia. Ao mesmo tempo, a aceitação entusiasmada das NTICs tem muitos traços de ingenuidade.

O pensamento hegemônico sobre as novas tecnologias da informação e comunicação sugere que sociedade e indivíduos têm conhecimento cada vez maior, que a educação dará um salto de qualidade e que a prática política ganhou grandes espaços de exercício da liberdade. Tais conclusões não são fruto de análises aprofundadas das NTICs. São, muito mais, consequências de crenças que ignoram qualquer análise crítica dos novos meios de comunicação.

Blog Theory, obra de Jodi Dean, contesta o pensamento hegemônico. Examina o fenômeno dos blogs, tentando perceber o significado dessa prática comunicativa na sociedade e para os blogueiros individualmente. A autora, porém, não se restringe aos blogs. Na verdade, realiza uma análise mais ampla, incluindo em seu estudo outras práticas comunicativas que ganharam espaço expressivo na web.

A intenção de Dean é analisar criticamente as NTICs a partir de uma tradição que busca entender o significado e impactos sociais das tecnologias, assim como a maneira pela qual as forças hegemônicas se apropriam das ferramentas de comunicação. Ela procura superar o nível das aparências para desvelar o que está acontecendo nos planos coletivo e individual. Há mudanças. Mas, que mudanças estão acontecendo em modos de ver a vida, no plano dos valores, na vida política, no plano epistemológico? Respostas a essas perguntas balizam o caminho percorrido por Dean.

A autora reconhece que analisar criticamente as NTICs não é tarefa fácil. A atualidade das análises é efêmera, pois as novas redes de comunicação são turbulentas, sempre mutantes. Muitos de seus aspectos definidores desaparecem em pouco tempo. A obsolescência de equipamentos e ferramentas é extremamente acelerada. Por esses motivos, livros que abordem criticamente os novos meios de comunicação correm o risco de ficarem desatualizados assim que chegarem às livrarias. Por outro lado, utilizar a própria web para registrar aspectos críticos em blogs e outros ambientes de publicação digital é providência vã, pois o conteúdo não merecerá a devida atenção.

Dean mostra que os livros desempenham papel importante na elaboração e no registro de análises críticas. Sugere que as mídias digitais não conseguem substituí-los em tal função. Conclui que eles continuam a ser o veículo mais adequado para articular análises que evidenciem as consequências mais profundas das NTICs.

O funcionamento da Internet, segundo a autora, mostra a emergência do capitalismo da comunicação. Esse fenômeno vem recebendo diversos nomes, com destaque para “sociedade da informação”. No entanto, quase sempre os analistas ignoram o capital como o maior interessado na produção, na circulação e no uso de uma commodity intangível que vem mudando as relações entre as pessoas, a formação de identidade e os modos de ver o mundo. Para Jodi Dean, “o capitalismo marca a estranha convergência da democracia e do capitalismo em redes de comunicações e mídias de diversão” (p. 4).

Para mostrar os desdobramentos ideológicos do ambiente mediático de nossos dias, Dean examina como movimentos de esquerda com raízes nos anos 1960,
acreditando em virtudes intrínsecas das redes de comunicação, acabaram caindo em armadilhas e passaram a defender valores que criticavam. Para ela, esse é o caso, por exemplo, dos novos comunalistas. Estes, ao abraçarem promessas libertárias da Internet, aliaram-se aos adversários de outrora – as forças armadas, o capital, a burocracia –, promovendo ideias neoliberais e justificando a flexibilização do trabalho e outras decorrências de um capitalismo no qual se entranha a comunicação.

As observações de Jodi Dean sobre aspectos ideológicos promovidos no e pelo uso das redes digitais nada têm a ver com teorias conspiratórias. A autora examina as práticas comunicativas correntes e nelas encontra características que não são evidentes para usuários e entusiastas das novas mídias. Ela busca caracterizar que cultura e sociedade estão sendo construídas naquilo que se convencionou chamar de “sociedade da informação”.

Na produção e circulação de informações, a autora vê um fenômeno que precisa ser considerado: o fenômeno da reflexibilidade. Este, em síntese, é caracterizado por uma circularidade, na qual informação gera mais informação, sem qualquer referência a realidades que não integrem as redes digitais. No plano individual, a reflexibilidade gera comportamentos análogos aos da obsessão pelo jogo. Usuários de redes sociais entram em um circuito que não privilegia conteúdos, mas o constante uso de veículos de informação.

Nos planos axiológicos e epistemológicos, Jodi Dean sugere que a utilização das novas mídias caminha na direção do declínio da eficiência simbólica. Ou seja, as pessoas deixam de ter uma referência sólida para julgar a informação. Vale tudo. Em
Blogs e outros meios de expressão digital, acredita-se que todas as opiniões sejam válidas. A tendência reforça traços de relativismo já presentes na cultura ocidental antes do advento das redes digitais. No caso dos valores, há um esvaziamento de referências aceitas coletivamente. No caso da ciência, há uma crença de que todo e qualquer saber é equivalente. O resultado dessas maneiras de ver é que banalidades sem fundamento e afirmações ancoradas em investigações sistemáticas em nada diferem. São informações que entram no circuito, reivindicando tratamento igualitário.

Predomina na rede digital impulso para o uso, não importando outros fins. A lógica do sistema é a de um consumo cada vez mais avassalador de informações, não pelo valor intrínseco destas últimas, mas pelo sentimento de participar de um processo informativo que não cessa. A comunicação constante é uma obrigação. Mais ainda: uma obsessão. É preciso comunicar-se, não importa para quê, nem o que comunicar.

Dean consagra um capítulo inteiro à questão do afeto (Affective
Networks). A autora observa: “O capitalismo da comunicação manda nos divertirmos, ao mesmo tempo que nos adverte de que não estamos nos divertindo o bastante, ou tão bem como os outros. Nossa diversão permanece frágil, arriscada”(p. 92).

A ordem para nos divertirmos aparece de diversas formas. Uma delas é a de sentir-se membro de uma comunidade que, segundo a autora, “é uma comunidade sem comunidade”. Contraditoriamente, as redes facilitam a superação do isolamento, embora as pessoas continuem isoladas. Outra forma é a da repetição. Faz-se a mesma coisa o tempo todo. Não importa o significado do que é repetido, mas sempre a repetição, em um ritmo cada vez mais envolvente. Repetição e redundância é o nome do jogo. Isso já era característico nos meios de comunicação de massa que chegaram um pouco mais cedo que as redes digitais. Essa circunstância foi e é largamente utilizada em publicidade na TV.

Convém, mais uma vez, recorrer ao texto da autora:

A dimensão aditiva da comunicação pela comunicação marca um excesso.
Esse excesso não é novo significado ou perspectiva. Ele não se refere a um novo conteúdo. Em vez disso, advém da repetição, agitação ou emoção por mais. Na duplicação reflexiva da comunicação, a diversão incorporada à comunicação pela comunicação desaloja intenção, conteúdo e significado. O extra na repetição é diversão, a diversão que é capturada no impulso e na diversão expropriada pelo capitalismo da comunicação. (p. 116)

A meta, como já se disse, é a de usar a rede. E usá-la à exaustão. O discurso ideológico justifica tal uso com promessa de mais conhecimento. Mas, conforme diz a autora, “quanto mais conhecimento incorporamos, menos sabemos”. Na verdade, o
que predomina é a circulação de informação, não a sua apropriação pelos usuários. Uma das consequências disso é a falta de ação. Em vez de agir, busca-se mais informação. Os resultados encontrados não satisfazem. Por isso, mais informações são procuradas. Esse processo não tem fim, e estar nele é fonte de prazer. A produção de informação com características de reflexibilidade é uma criação dos usuários. Eles acabam produzindo o ambiente em que vivem, pois as conexões estabelecidas no interior do sistema configuram as pessoas. Gerar informação, consumi-la, reproduzi-la, dentro de um loop, substitui busca de sentido, de significado; é tudo que se quer.

Apesar do título de seu livro e de ter um capítulo dedicado aos
blogs, estes não são o foco de Dean, mas, sim, as práticas mediáticas que se tornaram comuns com a chegada dos recursos digitais. A autora faz menção às características técnicas dos diários eletrônicos e examina as analogias mais comuns que são utilizadas para defini-los. Ela, porém, não se prende a visões mais tradicionais. Para além de aparências óbvias de blogs como diários eletrônicos ou formas de expressão de um novo jornalismo, Jodi Dean mostra como a prática deles está a serviço da expressão da subjetividade.

A autora vai buscar nas práticas epistolares do antigo Império Romano, assistida por estudos realizados por Michel Foucault, analogias para iluminar o sentido da escrita em diários eletrônicos. Revela que as correspondências produzidas pelos latinos tinham acima de tudo características de auto-escrita. A arte de escrever cartas era vista como um elemento de reflexão. Nesse sentido, importava pouco o que comunicar. Importava o próprio exercício de produzir as cartas, mesmo que estas não fossem enviadas aos seus destinatários. Essa é uma descoberta intrigante. O ato, a prática era mais importante que o escrito. E é isso o que acontece com os blogs: valem para eles as observações feitas para todo o sistema de comunicação digital. Eles são uma alternativa de ingresso na ciranda interminável de gerar e consumir informação, pouco importando o conteúdo. Também concretizam o sentimento de participação no qual se acentua a dimensão afetiva. Não são, assim, diferentes de qualquer outro formato que facilita a participação dos usuários na Web.

Blog Theory é um livro denso e exigente. A autora, para desenvolver seus argumentos, recorre a uma ampla literatura, influenciada principalmente por Lacan. Cada capítulo da obra mereceria uma resenha própria para que não se perdessem elementos importantes das análises feitas por Dean. Porém, os registros aqui feitos são suficientes para situar a obra e sua importância em áreas relacionadas com informação e comunicação. Importa assinalar como Blog Theory sugere novos modos de ver as NTICs em educação. O estudo de Dean mostra que aproveitamentos de qualidades aparentes da web para finalidades pedagógicas não podem acontecer de modo ingênuo. O predomínio de práticas de comunicação pela comunicação é um traço que deveria merecer análises críticas dos educadores. Usos educacionais das NTICs, caso ignorem uma visão crítica, irão apenas facilitar ingresso dos alunos em circuitos comunicativos que desconsideram conteúdos e significados.

Sociedade da imagem

dezembro 1, 2015

Faz muito tempo que vivemos numa sociedade que recebeu o qualificativo “da imagem” pelo historiador Daniel Boorstin. Ele escreveu um clássico que educadores e profissionais de comunicação precisam ler: The Image: A Guide to Pseudo-Events in America. A obra mostra como a imagem foi se tornando, cada vez mais, o que importa nas comunicações e na promoção de valores em nosso mundo. Em parte isso vem ocorrendo porque a possibilidade de produzir imagens aumenta crescentemente com as novas tecnologias.

Todos nós observamos hoje a mania de tudo fotografar ou filmar com os celulares. E a mania por fartura de imagens não é tão nova quanto parece. Desde a invenção das máquinas fotográficas e das filmadoras “fazer imagens” se tornou mais importante que viver experiências.

Acho que um bom ponto de partida para pensarmos como as imagens estão ocupando o lugar da experiência é usar imagens de como fazemos imagens. Colaboro com tal proposta trazendo para cá uma imagem de fotógrafos num evento esportivo de 1910. Reparem no grande numero de fotógrafos que buscavam fazer as melhores imagens de um jogo de futebol há mais de um século.

foto 1910

Tecnologia e liberdade

dezembro 1, 2015

Um vídeo que aborda questões de tecnologia que não costumam ser contempladas pela mídia. Relações de poder, preconceitos, estratégias de dominação, insistência em mais vigilância são alguns dos temas abordados. Vale ver e meditar.