Educação: informação ou conhecimento?

Acabo de recuperar um resumo de palestra que escrevi por volta do ano 2000. Publico-o aqui, pois acho que o mesmo ainda tem atualidade.

 

Na sociedade da Informação, as representações externas do saber (as formas de registro) estão sendo confundidas com o próprio saber. Assim, as novas filosofias de tal sociedade estão reduzindo o conhecimento aos mecanismos capazes de armazenar, ordenar, recuperar e transmitir informações. Este reducionismo acaba elegendo o raciocínio instrumental como única forma válida de pensar.

A filosofia atrás esboçada elege como valores a produção industrial da informação e a transformação do conhecimento em mercadoria.

Dentro deste contexto, o conhecimento é equiparado à informação, os sistemas informativos são vistos como próteses mentais; quantidade e velocidades da produção são eleitas como critério de validade do saber.

Num plano mais concreto vemos a Filosofia da Sociedade da Informação em situações tais como:

• É VERDADE, DEU NO JORNAL

Esta crença popular passa a idéia de que o registro no papel é o critério de verdade. Não importa o fato social ou histórico. Importa a versão elaborada para o jornal ou outro meio de comunicação.

• TRABALHADOR INFORMADO NÃO FICA DESEMPREGADO

Este bordão do antigo MOBRAL vê a informação (teoricamente sempre disponível) como caminho certo para o sucesso. E se alguém está sem trabalho o problema é a falta de informação… Em outras palavras, a vítima é culpada.

Os dois exemplos atrás apontados mostram o predomínio da idéia de que “pensar é processar informação”. Este modo de ver as atividade mentais gera, entre outras coisas, propostas de uma educação sem conteúdos e de um imperialismo das lógicas formais. Ou seja, uma das consequências mais graves da Sociedade da Informação é a concepção de uma educação sem qualquer compromisso com significados.

Há mais consequências. Uma delas, analisada por Daniel Boorstin em The Image, é a de que, cada vez mais, a realidade processada (informação) ocupa o lugar da realidade vivida (experiência). Outra, analisada por Steen Larsen, é a de que o avanço tecnológico resulta sempre num “não mais fazer”, pois máquinas ou sistemas passam a substituir ação humana. Por isto deixamos de aprender fazendo, abandonamos o concreto pelo abscreto, perdemos a autenticidade.

Uma outra consequência: O DESPERDÍCIO É SABEDORIA. O sintoma disto aparece em situações onde vemos claramente a convicção de que “novo é certo; velho é errado”.
Dentro deste novidadismo não há lugar para a História. Na raiz desta fome insaciável por novidade está a velha estratégia do desperdício do Capitalismo. Em termos de capacitação humana, tal estratégia procura sucatear a educação.

Minhas críticas à Sociedade da Informação procuram mostrar que informação não é conhecimento. Na aprendizagem humana é preciso que a informação morra para que o conhecimento nasça. Assim, para uma educação de verdade, a escola de amanhã deverá promover significados em vez de insistir no armazenamento de informação. Finalmente, é preciso deixar claro que pensar não é simplesmente processar informação.

Não apresento aqui propriamente um resumo da minha comunicação. Apresento mais pistas para reflexão desde uma coleção de transparência sobre o tema. Para mim, o ponto central de discussão é distinguir claramente informação de conhecimento. E por esta razão não há saber sem agentes de conhecimento capaz de transformar informações disponíveis em significados.

Entre outras coisas, as consequências educacionais de uma distinção clara entre conhecimento e informação são:

• nos processos técnicos e tecnológicos, mais importante que a artefactos e sistemas, é a capacidade humana de realizar coisas, de transformar informação e experiência;
• a quantidade imensa de informação armazenada e veiculada pelos meios eletrônicos não garante “per se” elaboração do saber;
• não precisamos de mais informação; precisamos de mais conhecimento;
• possivelmente as escolas estão no ramo da distribuição de informação e não no ramo da elaboração do saber;
• é preciso ficar claro, do ponto de vista educacional, que os meios devem ser mais veículos de expressão que veículos de transmissão;
• apesar de toda informação disponível, corremos o risco de ficar cada vez mais ignorantes;
• as escolas deveriam desempenhar um papel mais decisivo na promoção do saber;
• as questões postas pela sociedade da informação deveriam revolucionar nossas escolas;
• professores e outros educadores são (ou deveriam ser) profissionais do conhecimento, não agentes do sistema de informação.

Anúncios

2 Respostas to “Educação: informação ou conhecimento?”

  1. TICs na Educação » Blog Archive » O desperdício do uso das Mídias Sociais na Educação Says:

    […] especialistas em mídias sociais (sic), e toda gente que dá pitaco em educação cometem o erro de acreditar que informação é conhecimento… que tecnologia é educação, que aprende-se mais com “broadcasting” de […]

  2. Sérgio F. de Lima Says:

    Prof. Jarbas sempre atual e preciso… Seu texto me motivou a escrever sobre como as mídias sociais estão sendo desperdiçadas na educação por conta destas confusões.

    abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: