Tecnologia e obsolescência planejada

Caí no conto da autoria. Meu amigo Carlos Seabra, em comentário a este post levantou dúvidas sobre a autenticidade do escrito, atribuído a Eduardo Galeano. Seabra observa que o estilo não parece ser do famoso escritor uruguaio. Fui conferir. O Seabra tem razão. O texto original é de um blogueiro uruguaio, Marciano Durán. Foi publicado em 2006 e já naquele ano, em diversos países da América do Sul, a crônica ganhou espaço na Internet como obra de Eduardo Galeano. Para os interessados, o escrito original, comentários e observações sobre autoria podem ser vistos aqui. Mantenho o post, fazendo a devida alteração quanto a autoria.

Se você é daqueles que compra de imediato o computador que todos dizem ser o mais moderno do planeta, terá surpresas. A máquina, assim que chegar à sua residência, já estará velha. Cadernos especializados dos jornais lhe dirão que isso acontece porque as novas tecnologias avançam em velocidade cada vez maior. Isso é uma meia verdade. O que ninguém lhe diz é que a obsolescência precoce de máquinas em nosso mundo é uma estratégia do capital para aumentar consumo. O disfarce tecnológico de tal estratégia funciona. E o desperdício aumenta…

Outra observação: o intenso marketing das modernidades converte o possivel em necessário. É possível um celular mais magrinho e com muito mais funções que aquele que você adquiriu três meses atrás. Alguns amigos seus compraram e usam a novidade. Você ficará constrangido quando seu ‘velho’ equipamento tocar, seus amigos vão reparar que você está desatualizado. Fatalmente, você pensará que precisa de um novo aparelhinho. Se não tiver grana, fará um financiamento para atender a uma ‘necessidade’.

Muita gente atribui o desejo incontrolável por novidades tecnológicas a um suposto consumismo cujas bases são de caráter psicológico. Outra meia verdade. O marketing aproveita uma necessidade real que temos, a de afirmação pessoal, para nos empurrar produtos em prazos cada vez menores. Não temos necessidade de um celular mais atualizado, temos necessidade de nos sentirmos importantes diante de amigos, parentes e conhecidos. Os marketeiros apenas aproveitam esse nosso justo desejo. A culpa não é inteiramente nossa. Precisamos debitar parte da conta aos interesses do capital.

A questão que abordo aqui precisa ser mais discutida nos meios educacionais que trabalham com novas tecnologias da informação e comunicação. E um modo de fazer isso é começar com algo bem humorado e irônico. Para quem se interessar, sugiro um texto do grande escritor uruguaio Eduardo Galeano. A matéria chegou ás minhas mãos graças a envio do meu amigo Bertelli, a quem agradeço publicamente.

Sem mais delongas, cá está o texto:

Caí do mundo e não sei como voltar

Original de Marciano Durán, atribuído a Eduardo Galeano

O que acontece comigo é que não consigo andar pelo mundo pegando coisas e trocando-as pelo modelo seguinte só por que alguém adicionou uma nova função ou a diminuiu um pouco…

Não faz muito, com minha mulher, lavávamos as fraldas dos filhos, pendurávamos na corda junto com outras roupinhas, passávamos, dobrávamos e as preparávamos para que voltassem a serem sujadas.

E eles, nossos nenês, apenas cresceram e tiveram seus próprios filhos se encarregaram de atirar tudo fora, incluindo as fraldas. Se entregaram, inescrupulosamente, às descartáveis!

Sim, já sei. À nossa geração sempre foi difícil jogar fora. Nem os defeituosos conseguíamos descartar! E, assim, andamos pelas ruas, guardando o muco no lenço de tecido, de bolso.

Nããão! Eu não digo que isto era melhor. O que digo é que, em algum momento, me distraí, caí do mundo e, agora, não sei por onde se volta.

O mais provável é que o de agora esteja bem, isto não discuto. O que acontece é que não consigo trocar os instrumentos musicais uma vez por ano, o celular a cada três meses ou o monitor do computador por todas as novidades.

Guardo os copos descartáveis! Lavo as luvas de látex que eram para usar uma só vez.

Os talheres de plástico convivem com os de aço inoxidável na gaveta dos talheres! É que venho de um tempo em que as coisas eram compradas para toda a vida!

É mais! Se compravam para a vida dos que vinham depois! A gente herdava relógios de parede, jogos de copas, vasilhas e até bacias de louça.

E acontece que em nosso, nem tão longo matrimônio, tivemos mais cozinhas do que as que existiam em todo o bairro em minha infância, e trocamos de refrigerador três vezes.

Nos estão incomodando! Eu descobri! Fazem de propósito! Tudo se lasca, se gasta, se oxida, se quebra ou se consome em pouco tempo para que possamos trocar.
Nada se arruma. O obsoleto é de fábrica.

Aonde estão os sapateiros fazendo meia-solas dos tênis Nike? Alguém viu algum colchoeiro encordoando colchões, casa por casa? Quem arruma as facas elétricas? o afiador ou o eletricista? Haverá teflon para os funileiros ou assentos de aviões para os talabarteiros?

Tudo se joga fora, tudo se descarta e, entretanto, produzimos mais e mais e mais lixo. Outro dia, li que se produziu mais lixo nos últimos 40 anos que em toda a história da humanidade.

Quem tem menos de 30 anos não vai acreditar: quando eu era pequeno, pela minha casa não passava o caminhão que recolhe o lixo! Eu juro! E tenho menos de … anos! Todos os descartáveis eram orgânicos e iam parar no galinheiro, aos patos ou aos coelhos (e não estou falando do século XVII). Não existia o plástico, nem o nylon. A borracha só a víamos nas rodas dos autos e, as que não estavam rodando, as queimávamos na Festa de São João. Os poucos descartáveis que não eram comidos pelos animais, serviam de adubo ou se queimava..

Desse tempo venho eu.  E não que tenha sido melhor…. É que não é fácil para uma pobre pessoa, que educaram com “guarde e guarde que alguma vez pode servir para alguma coisa”, mudar para o “compre e jogue fora que já vem um novo modelo”.

Troca-se de carro a cada 3 anos, no máximo, por que, caso contrário, és um pobretão. Ainda que o carro que tenhas esteja em bom estado… E precisamos viver endividados, eternamente, para pagar o novo!!! Mas… por amor de Deus!

Minha cabeça não resiste tanto. Agora, meus parentes e os filhos de meus amigos não só trocam de celular uma vez por semana, como, além disto, trocam o número, o endereço eletrônico e, até, o endereço real.

E a mim que me prepararam para viver com o mesmo número, a mesma mulher e o mesmo nome (e vá que era um nome para trocar). Me educaram para guardar tudo. Tuuuudo! O que servia e o que não servia. Por que, algum dia, as coisas poderiam voltar a servir.

Acreditávamos em tudo. Sim, já sei, tivemos um grande problema: nunca nos explicaram que coisas poderiam servir e que coisas não. E no afã de guardar (por que éramos de acreditar), guardávamos até o umbigo de nosso primeiro filho, o dente do segundo, os cadernos do jardim de infância e não sei como não guardamos o primeiro cocô.

Como querem que entenda a essa gente que se descarta de seu celular a poucos meses de o comprar? Será que quando as coisas são conseguidas tão facilmente, não se valorizam e se tornam descartáveis com a mesma facilidade com que foram conseguidas?

Em casa tínhamos um móvel com quatro gavetas. A primeira gaveta era para as toalhas de mesa e os panos de prato, a segunda para os talheres e a terceira e a quarta para tudo o que não fosse toalha ou talheres. E guardávamos…

Como guardávamos!! Tuuuudo!!! Guardávamos as tampinhas dos refrescos!! Como, para quê?  Fazíamos limpadores de calçadas, para colocar diante da porta para tirar o barro. Dobradas e enganchadas numa corda, se tornavam cortinas para os bares. Ao fim das aulas, lhes tirávamos a cortiça, as martelávamos e as pregávamos em uma tabuinha para fazer instrumentos para a festa de fim de ano da escola.

Tuuudo guardávamos! Enquanto o mundo espremia o cérebro para inventar acendedores descartáveis ao término de seu tempo, inventávamos a recarga para acendedores descartáveis. E as giletes, até partidas ao meio, se transformavam em apontadores por todo o tempo escolar. E nossas gavetas guardavam as chavezinhas das latas de sardinhas ou de corned-beef, na possibilidade de que alguma lata viesse sem sua chave.

E as pilhas! As pilhas das primeiras Spica passavam do congelador ao telhado da casa. Por que não sabíamos bem se se devia dar calor ou frio para que durassem um pouco mais. Não nos resignávamos que terminasse sua vida útil, não podíamos acreditar que algo vivesse menos que um jasmim. As coisas não eram descartáveis. Eram guardáveis.

 Os jornais!!! Serviam para tudo: para servir de forro para as botas de borracha, para por no piso nos dias de chuva e por sobre todas as coisa para enrolar.

Às vezes sabíamos alguma notícia lendo o jornal tirado de um pedaço de carne!!! E guardávamos o papel de alumínio dos chocolates e dos cigarros para fazer guias de enfeites de natal, e as páginas dos almanaques para fazer quadros, e os conta-gotas dos remédios para algum medicamento que não o trouxesse, e os fósforos usados por que podíamos acender uma boca de fogão (Volcán era a marca de um fogão que funcionava com gás de querosene) desde outra que estivesse acesa, e as caixas de sapatos se transformavam nos primeiros álbuns de fotos e os baralhos se reutilizavam, mesmo que faltasse alguma carta, com a inscrição a mão em um valete de espada que dizia “este é um 4 de paus”.

As gavetas guardavam pedaços esquerdos de prendedores de roupa e o ganchinho de metal. Ao tempo esperavam somente pedaços direitos que esperavam a sua outra metade, para voltar outra vez a ser um prendedor completo.

Eu sei o que nos acontecia: nos custava muito declarar a morte de nossos objetos. Assim como hoje as novas gerações decidem matá-los tão-logo aparentem deixar de ser úteis, aqueles tempos eram de não se declarar nada morto: nem a Walt Disney!!!

E quando nos venderam sorvetes em copinhos, cuja tampa se convertia em base, e nos disseram: Comam o sorvete e depois joguem o copinho fora, nós dizíamos que sim, mas, imagina que a tirávamos fora!!! As colocávamos a viver na estante dos copos e das taças. As latas de ervilhas e de pêssegos se transformavam em vasos e até telefones. As primeiras garrafas de plástico se transformaram em enfeites de duvidosa beleza. As caixas de ovos se converteram em depósitos de aquarelas, as tampas de garrafões em cinzeiros, as primeiras latas de cerveja em porta-lápis e as cortiças esperaram encontrar-se com uma garrafa.

E me mordo para não fazer um paralelo entre os valores que se descartam e os que preservávamos. Ah!!! Não vou fazer!!!

Morro por dizer que hoje não só os eletrodomésticos são descartáveis; também o matrimônio e até a amizade são descartáveis. Mas não cometerei a imprudência de comparar objetos com pessoas.

Me mordo para não falar da identidade que se vai perdendo, da memória coletiva que se vai descartando, do passado efêmero. Não vou fazer.

Não vou misturar os temas, não vou dizer que ao eterno tornaram caduco e ao caduco fizeram eterno.

Não vou dizer que aos velhos se declara a morte apenas começam a falhar em suas funções, que aos cônjuges se trocam por modelos mais novos, que as pessoas a que lhes falta alguma função se discrimina o que se valoriza aos mais bonitos, com brilhos, com brilhantina no cabelo e glamour.

Esta só é uma crônica que fala de fraldas e de celulares. Do contrário, se misturariam as coisas, teria que pensar seriamente em entregar à bruxa, como parte do pagamento de uma senhora com menos quilômetros e alguma função nova. Mas, como sou lento para transitar este mundo da reposição e corro o risco de que a bruxa me ganhe a mão e seja eu o entregue…

Anúncios

3 Respostas to “Tecnologia e obsolescência planejada”

  1. Carlos Seabra Says:

    Jarbas, realmente a cada dia mais a “obsolescência planejada” é integrada ao consumo e à lógica da sociedade.

    Em parte, devido à velocidade do desenvolvimento tecnológico, isso não é maquiavelicamente planejado de modo intencional – mas em boa parte trata-se, sem dúvida, de uma nova estratégia de mercado!

    A dependência psicológica desse consumismo e a falta de criticidade na identificação de suas reais necessidades são – como você tão bem aponta – um imperativo para se trabalhar na educação, sem dúvida.

    Quanto ao texto atribuído ao Eduardo Galeano, com o qual também me diverti a lê-lo há uns dias, quando nosso amigo Bertelli no-lo enviou, desconfio seriamente de sua suposta e atribuída autoria – pois o estilo é mais típico dessas falsificações que correm a internet, muitas delas obtendo grande circulação. Luís Fernando Veríssimo costuma ser o mais “autorado”.

    Se você procurar em todos os textos do Galeano pelo uso de exclamações, não irá encontrá-las na profusão deste texto, e muito menos em grupos de três!!!

  2. jarbas Says:

    Carlos,

    Você tem razão, o texto não é do Galeano. Investiguei o caso e cheguei, pelo jeito, ao original. A crônica é de um blogueiro uruguaio, Mariano Durán. Fiz, no início do post a devida observação. Conservo quase tudo como estava, pois o Boteco é um blog que pretende ser um espaço de aprendizagem. E aprendemos com nossos erros. Abraço e obrigado.

  3. Carlos Seabra Says:

    A propósito de OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA, vale a pena assistir este interessante documentário:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: