Educação e tecnologia segundo Cortella

Tenho muitos guardados de velhos tempos. Hoje encontrei um deles, notas que fiz de palestra do Mário Sérgio Cortella no Centro de Tecnologia Educacional do Senac de São Paulo, unidade que eu gerenciava nos inícios dos anos de 1990.

O material encontrado tem a marca do meu falecido MacIntosh. No final das notas há o registro:

  • CORTELLA, Mário Sérgio. Mudança Tecnológica e Trabalho: Uma Questão Educacional?

O texto é uma transcrição de fala, por isso, aqui e ali, serão encontradas repetições ou pequenos erros próprios da comunicação oral

Mas, vamos ao que interessa, os trechos de uma fala do Cortella em 1992.

Vou começar relatando uma história contada por um professor há alguns anos atrás no Rio Grande do Sul sobre o tema.

Imaginem que um monge medieval, da França do século XIII, tenha tropeçado, ao descer para a adega do convento. Como era um lugar frio, ele entrou em estado de morte aparente, de catalepsia. Dado como morto,  foi então guardado no esquife e, em função do clima, passou séculos intacto, dentro do caixão. No século XX, abriram o caixão e, ao perceberem que o corpo estava intacto, levaram-no a vários conventos que a ordem mantinha mundo afora.

Foi trazido também para São Paulo e ficou exposto à visitação dos monges num convento do centro da cidade.

Certo dia, num sábado, saiu do esquife, deu dois passos e saiu no Largo São Bento. Entrou em desepero porque tudo lhe era absolutamente estranho: casas imensas, um barulho insuportável, máquinas de metal que passavam com seres humanos aprisionados dentro, muita fumaça e uma multidão que andava de lá para cá. Num dado momento, entrou por uma porta e foi para uma sala em que, finalmente, se sentiu bem. Tratava-se de uma sala de aula, lugar absolutamente idêntico ao que ele conhecera no século XIII.

No fim do século XX continuamos sentados em bancos de madeira, escrevendo numa pedra com outra pedra, do mesmo jeito que eles nos anos de 1200.

(…) Por isto, a escola básica tem de preparar para a mudança: afinal de contas a existência humana, a vida humana, é uma mudança. A tarefa fundamental da escolarização, além do seu papel chave na formação para a cidadania e de atender um direito social, é formar as pessoas para existirem de modo mais crítico, mais criativo, mais solidário. Isso exige não só, mas também, conhecimento científico …

(…) O que a escola precisa é ter clareza em relação à sua tarefa, ao seu papel, e saber mesclar duas coisas básicas: educação e formação para o mundo do trabalho. No nosso país, quando se fala em tecnologia, fala-se muito em know-how e muito pouco em savoire faire, seu correspondente francês, que tem um molho mais saboroso. Know-how é um pouco mais técnico e savoire faire dá mais idéia de criatividade. E é disso que precisamos, pois somos vítimas da “síndrome do besouro”. Do ponto de vista da física, principalmente da aerodinâmica, o besouro é um animal que, por incrível que pareça, não poderia voar. Mas ele voa.Provavelmente porque ele não sabe (não estudou) que não tem condições para voar. Temos a síndrome do besouro, principalmente no interior do espaço escolar e de formação, onde as pessoas são impedidas de desenvolver sua criatividade.

A professora ou professor convidam: “”vamo criar, vocês podem pintar o que quiserem!” Mas entregam um desenho  acabado, que muitas vezes já vem impresso, pronto para ser pintado.

Criam desde a infância modelos de comportamento que são fatais para a educação e para a vida social. Servirão muito para a fábrica, para a organização de filas… Meninos e meninas, desde os quatro anos já fazem fila para entrarem na sala de aula. Ora, a função de uma fila é ordenar. (…) A escola não é criativa, não aumenta a produtividade do mundo do trabalho; o que ela faz é aumentar a lucratividade do capital na medida em que molda seres humanos acríticos.

(…) Para concluir. O papel da escola não pode deixar nós educadores à margem da questão tecnológica. Muitas vezes argumenta-se que não dá para entrar na área da tecnologia porque a escola ainda é pobre, porque ainda falta livro, falta caderno etc. Mas, isso é um mito. O nosso trabalho, a nossa atividade de educadores é atuar na formação da população na maior escala possível.

Ao invés de um Piaget, de uma Emília Ferrrero, de um Paulo Freire,  de  um Darcy Ribeiro, escolhemos como patrono da educação Cristóvão Colombo, que representa a questão tecnológica para nós, pois quando  saiu não sabia onde ira chegar, e quando chegou não sabia onde estava …

Anúncios

2 Respostas to “Educação e tecnologia segundo Cortella”

  1. Legal » Blog Archive » Educação e Tecnologia Says:

    […] trecho recortado-e-colado direto lá do Boteco Escola, recanto do copoanheiro virtual Jarbas, que estava rememorando uma palestra do Mário Sérgio […]

  2. Educação e Tecnologia | Legal-2 Says:

    […] trecho recortado-e-colado direto lá do Boteco Escola, recanto do copoanheiro virtual Jarbas, que estava rememorando uma palestra do Mário Sérgio […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: