Archive for agosto \19\UTC 2010

Exemplo de WebQuest

agosto 19, 2010

O primeiro autor de WebQuests é Tom March, pesquisador que trabalhava com o criador do modelo, Bernie Dodge, em 1995/6. A primeira WebQuest publicada na Internet, Searching for China, é obra de Tom. Nessa WebQuest clássica já aparecem quase todos os elementos que devem integrar a estrutura de organização da informação proposta por Dodge. Falta-lhe apenas uma proposta de avaliação autêntica, pois o item Avaliação foi desenvolvido pelo criador do modelo apenas em 1997.

Para aprendizes, e mesmo para autores já experientes, sempre proponho análise de uma das WebQuests desenvoplvidas pelo Tom. Como muitos interessados não têm bom domínio do inglês, traduzi uma delas, The Tuskegee Case. Em tal obra, convém ler e reler Introdução e Processo para entender o que se espera dessas duas partes de uma boa (ótima, no caso usado como exemplo) WebQuest. Se você estiver começamdo a estudar o assunto, ou se quiser melhorar sua compreensão sobre as qualidades que devem ter introduções e processos, aprecie a obra de Tom March.

Anúncios

Mediação e ensino

agosto 10, 2010

Acabo de encontrar uma ilustração que explica bem o que é mediação. Veja-a logo abaixo.

O título diz: “a ponte jamais construída”. Um enorme buraco separa o explorador do “outro lado”, objeto de seus desejos. Mudemos um pouco a expressão: “objeto desejável de conhecimento”. Parece que o abismo é intransponível. Tudo ficaria mais fácil se houvesse uma ponte. Tudo ficaria mais fácil se houvesse um professor.

Mestres capazes de facilitar acesso a fontes de conhecimento são exemplos de mediação. Se tiver alguma dúvida sobre conceito tão badalado (mediação), dê uma olhada na figura acima.  Ela define com clareza o que é mediação no campo da construção do saber.

Geografia com recursos Web

agosto 10, 2010

Já faz algum tempo que postei aqui matéria a respeito de portais que oferecem informações interativas sobre conteúdos de geografia física e política. Entre os posts publicados, destaco:

Esses meus posts foram objetos de uma conversa recente com Ricardo Carvalho, estágiario de jornalismo da revista  Carta Capital na Escola. Ricardo é mais um aprendiz de jornalismo que entra em contato comigo para conversas sobre matérias de tecnologia educacional na citada revista.

Registro todas essas informações para falar um pouquinho de blogs. Diversas vezes escrevi neste Boteco que os blogs são locais de encontro, e que os posts são convites para conversas. Nessa trilha, meus ciberamigos da Carta Capital entraram em contato comigo a partir de alguma informação que publiquei no blog. As conversas seguem caminhos diversos. Aparecem na forma de comentários. Ás vezes, continuam via telefone. Quase sempre passam por troca de mensagens via email. Eventualmente podem render mais um post. Muitas vezes viram matéria na revista, em versão impressa e on line.

O Ricardo já é o quarto estágiário da Carta Capital com quem converso de vez em quando. Não tive o prazer de vê-lo pessoalmente, assim como nunca me encontrei com os demais estagiários que o precederam. É quase certo que jamais saberia da existência desses meninos talentosos se não fosse autor de um blog. Mas, minha atividade na Web acaba gerando oportunidade de cooperar com estudantes que estão experimentando fazeres profissionais pra valer.

Atualmente, minhas conversas com estágiários de jornalismo ganham maior interesse. Desde o ano passado estou dando aula de Filosofia para alunos de Comunicação Social. Assim, conversas com estudantes que precisam preparar matérias sobre uma de minhas áreas de conhecimento – tecnologia educacional – são sempre um prazer e um modo de saber mais sobre os jovens que escolheram o campo da informação como destino profissional.

Se você está pensando em publicar um blog, o exemplo aqui registrado ilustra um  dos resultados que podem acontecer a partir de seus convites para conversas no ciberespaço. Na história que estou contando, fica claro que uma mensagem (post) pode desencadear muita prosa sobre o assunto e criar oportunidades para que você exerça uma nova forma de fazer amigos por meio de papos cibernéticos. Em alguns casos, esses papos podem até ter um complemento numa rodada de chope em algum boteco decente.

Falta uma informação final. A partir de um papo inicial comigo, o Ricardo produziu uma reportagem interessante sobre Internet e ensino de Geografia. Vale a pena ver o matéria que ele escreveu. Para tanto, clique no link que segue.

Dimensões sócio-históricas das tecnologias

agosto 6, 2010

No geral, falamos de tecnologia como um “lá fora” que pode mudar a vida de acordo com certos interesses humanos. Em outras palavras, pensamos em tecnologias com instrumentos neutros que ganham sentido apenas quando decidimos usá-los para certas finalidades.

Não costumamos entender as tecnologias como parte do tecido social e histórico. Achamos que elas são produtos de uma racionalidade absoluta e autônoma.

Em educação, entedimentos de neutralidade e autonomia das tecnologias reinam soberanos. Achamos que TV, computadores, Internet podem ser usados de acordo com decisões pedagógicas que irão lhes dar sentido. Quase nunca pensamos em tecnologias com uma das dimensões históricas e sociais que mudam a própria educação.

Toda esta minha conversa está muito críptica. Por isso, eu deveria clarear o que quero dizer aqui. Não farei isso. Mantenho o ar de mistério. Por outro lado, acho que é preciso esclarecer as coisas. Alguma clareza sobre o assunto pode começar a se delinear a partir de duas resenhas que escrevi para livros importantes sobre tecnologia, história e sociedade. Fica, assim, um convite para a leitura das duas resenhas. Peço a você que escreva no final um comentário  aqui no Boteco, informando se a leitura dos dois textos recomendados mudou de alguma forma sua visão sobre tecnologia.

Seguem os links para as resenhas:

WebGincana sobre Escola de Barbiana

agosto 5, 2010

Ainda não finalizei minha WebGincana sobre a grande obra de Don Lorenzo Milani. Mas as partes centrais do trabalho já estão prontas. Preciso apenas de elaborar boas missões e atividades. Preciso também de elaborar uma conclusão que sugira aos alunos continuação dos estudos.

Neste momento gostaria de conversar com interessados sobre caminhos a seguir na finalização da citada WebGincana. Se você quiser colaborar, aqui vai o link para ela: