Quantas palavras há para neve em inuit?

Durante muito tempo acreditei na afirmação de que os esquimós ou, mais propriamente, o inuit e outros idiomas falados por povos indígenas do Ártico tinham algumas dezenas de palavras para neve. Ao ler The Language Instinct, de Steven Pinker, fiquei sabendo que tal informação não é verdadeira. Mas, ela continua a circular por aí com muita força, sendo repetida inclusive por gente bem informada como Cristovam Buarque.

Destaco o assunto por que recentemente @SoniaBertocchi, competente tuiteira, escreveu o que segue:

[eu sabia que eles tinham +de 20 p branco] Os esquimós têm mais d 100 palavras diferentes para “gelo”. #TweetsCuriosos (via @TweetsCuriosos)

Para desencanto da Sonia, essa riqueza vocabular dos idiomas dos nativos do Ártico não é verdadeira. A informação, porém, oferece oportunidade para conversas sobre certas informações tidas como descobertas de boa ciência.

Acabo de reler as observações de Steven Pinker sobre o caso (cf. The Instinct of Language, p. 64 e seguintes). Resumo a ópera em poucas palavras. A história começou em 1911 com um comentário informal de Franz Boaz dizendo que os esquimós tinham quatro diferentes palavras para neve. Boaz apresentou tal idéia no bojo do argumento de que os povos ‘primitivos’ têm idiomas tão sofisticados quanto os povos ‘civilizados’. O linguista amador Whorf esticou um pouquinho a conta e publicou num artigo que os esquimós tinham sete diferentes palavras para neve, deixando no ar que talvez o número fosse maior.

O texto de Whorf foi amplamente reproduzido mundo afora. A informação foi para a imprensa e livros didáticos. A conta inicial foi sofrendo acréscimos até chegar à casa das centenas.

Na verdade, os idiomas esquimós não têm a alegada riqueza vocabular. Dicionários de inuit registram uma ou duas palavras para neve, nada mais. É bom observar que Boaz e Whorf desconheciam os idiomas esquimós. Propuserram a alegada riqueza vocabular sem qualquer base em estudos linguísticos dos idiomas a que se referiam.

Essa história toda nos remete a duas considerações: a pobreza científica de livros didáticos, a armadilha da pseudociência. Em parte, a idéia errada de que os esquimós possuem dezenas de diferentes palavras para neve se deve à divulgação do artigo de Whorf em livros didáticos (inclusive com um aumento constante do número original do mencionado item de vocabulário). Em parte, tal idéia errada invadiu nosso espaço informativo porque sempre veio associada com suposta base científica.

Ao rever o caso fiquei me perguntando se não há outras situações que têm script similar. Conclui que há muitas. Algumas delas,  como certas barbaridades vendidas a professores a título de construtivismo, são muito sutis. Para abordá-las seriam necessárias várias páginas. E isso não fica bem num blog. Continuei minha busca e acho que encontrei algo similar ao mito das muitas palavras para neve nos idiomas dos esquimós. E da mesma forma que o caso citado, minha descoberta tem a ver com número. Trata-se do mito de que vivemos numa época na qual, em períodos de tempo cada vez mais curtos,  o conhecimento humano é multiplicado por dois.

Eu tinha uma lembrança difusa de que analistas de impactos das novas tecnologias da informação e comunicação afirmam que o conhecimento humano dobrou nos últimos vinte anos. Mas, não tinha certeza do número. Uma lembrança mais apagada me dizia que alguém disse que o número da dobra era muito menor. Para desfazer dúvidas, fiz um pequeno levantamento via Google. Registro aqui parte das minhas descobertas.

No post de um blog encontrei o que segue:

Estamos acelerando cada vez mais em direção a uma incógnita. Na década de 1960, o conhecimento científico dobrava a cada 20 anos, nos anos 1990 passou a dobrar a cada 10 anos. Atualmente o conhecimento na área da informática dobra a cada 1,5 anos.

Em publicação informativa de uma faculdade, a conta aparece da seguinte maneira:

O mundo passa hoje por mudanças drásticas e aceleradas, provavelmente a mais profunda já sofrida pela humanidade. Calcula-se que a humanidade dobrou o conhecimento humano nos últimos cinco anos e que deverá dobrar novamente nos próximos três anos. Daí em diante calcula-se que dobrará novamente a cada vinte meses.

Em artigo de uma revistona conhecida, encontrei o seguinte:

O conhecimento humano está aumentando explosivamente. Antigamente, dizia-se que o conhecimento humano dobrava a cada dezoito meses. Hoje, parece que ele dobra a cada nove.

Num outro blog, a contabilidade do progresso do conhecimento é apresentada da seguinte forma:

Bem, segundo cálculos a média hoje é de que todo o conhecimento humano dobra em cerca de 4 anos. Espera-se que por volta de 2014 todo o conhecimento humano dobre em cerca de 4 meses. E lá pra 2020, talvez dobre a cada hora.

As afirmações sobre dobra do conhecimento em nosso tempo, associadas às maravilhas das tecnologias da informação e comunicação, repetem o enredo que caracterizou o mito da riqueza vocabular esquimó. Números mudando sempre, de acordo com cada texto de divulgação, nenhuma referência a dados de pesquisas sólidos, traço nítido de crença cientificista.

Além da inconsistência dos números, há no caso completa falta de informação sobre o que os autores chamam de conhecimento. Sempre fico com a impressão de esta gente não tem qualquer idéia do que seja epistemologia. Além disso, essa mesma gente não tem qualquer senso de história. Caso tivesse, seria mais cuidadosa ao fazer comparações. Não importa muito quanto tempo foi necessário para que algumas civilizações desenvolvessem de modo completamente original a escrita. Esse tempo, mesmo que longo, não pode ser comparado, por exemplo, com o tempo gasto na invenção de uma linguagem avançada de programação de computador. Esta última, em termos de originalidade, fica anos luz atrás da primeira.

Há muito mais o que dizer sobre essa lenda urbana da dobra do conhecimento. Voltarei ao assunto noutra ocasião. E antes que eu me esqueça, isso tem muito a ver com educação e tecnologia educacional…

Anúncios

8 Respostas to “Quantas palavras há para neve em inuit?”

  1. T Says:

    Ao ler o twitter ao qual se refere, perguntei-me (mesmo não sabendo nada de esquimós) se não eram as tais palavras referentes a situações ambientais em que poderiam diferenciar o estado da neve!
    Por exemplo, tipos de vento e de acordo com a geografia e cultura, podem ser nomeados mas não deixam de ser ventos!…. 😀

    • jarbas Says:

      Oi T,

      Justificativa na direção de sua indagação esteve presente no artigo de Whorf. Ele supunha que para dominar aspectos do ambiente em que vivemos é preciso nomeá-los. Essa é uma das possíveis interpretações para a relação conhecimento/linguagem. O assunto, é claro, tem desdobramentos importantes no campo da educação.

      Para uma discussão mais detalhada da questão é bom ver o livro de Pinker que cito em meu post.

      Abraço grande,

      Jarbas

  2. Tweets that mention Quantas palavras há para neve em inuit? « Boteco Escola -- Topsy.com Says:

    […] This post was mentioned on Twitter by Jarbas Barato, Carme Barba. Carme Barba said: Novelino @Novelino Lendas urbanas: vocabulário esquimó; dobra acelerada de conhecimento: http://alturl.com/ci3v […]

  3. Daisy Grisolia Says:

    Quem conta um conto…aumenta um ponto!
    O mesmo vale para as descobertas na área da saúde: macarrão faz mal e na semana que vem é a comida dos atletas, vale para vinho, carnes, azeite, etc.. Pseudo ciência é um perigo total e os chamados divulgadores científicos nem sempre se dão ao trabalho de estudar seriamente a extensão e aplicabilidade de uma descoberta experimental.
    No caso da velocidade de “dobra-conhecimento” o dado mais recente de que tenho notícia é o de Kurzweil – 14 meses – em entrevista para o MIllenium(http://video.globo.com) e nos artigos do seu site (www.kurzweilai.net).

  4. Simone Says:

    Vocês falaram, falaram, falaram, e não disseram os nomes dados ao gelo pelos esquimós. É no mínimo frustrante !!! rs

  5. Árife Amaral Melo Says:

    Parabéns pelo Blog. O título “boteco escola” é algo de primoroso! Realmente é a sensação de estar num bar conversando com colegas de profissão a respeito de temas tão interessantes.

    Com relação ao tema em questão, acredito que Boaz foi um dos precursores da pesquisa de campo, mas como toda informação corre o risco de se tornar mito, nesse caso não foi diferente. O que vale nessa situação e eu gostaria de destacar não seria o aspecto linguístico em si, mas também a capacidade dos inuit identificarem tipos de neve diferentes, haja vista a experiência adquirida por viverem naquele ambiente hostil (para nós).

  6. Árife Amaral Melo Says:

    Parabéns pelo Blog. O título “boteco escola” é algo de primoroso! Realmente é a sensação de estar num bar conversando com colegas de profissão a respeito de temas tão interessantes.

    Com relação ao tema em questão, acredito que Boaz foi um dos precursores da pesquisa de campo, mas como toda informação corre o risco de se tornar mito, nesse caso não foi diferente. O que vale nessa situação e eu gostaria de destacar não seria o aspecto linguístico em si, mas também a capacidade dos inuit identificarem tipos de neve diferentes, haja vista a experiência adquirida por viverem naquele ambiente hostil (para nós).

  7. Água na atmosfera | Monolito Nimbus Says:

    […] já ouvi falar que os esquimós têm mais de 100 palavras diferentes para neve; na verdade, o dicionários de inuit registram uma ou duas palavras para neve, mas ajuda a ilustrar a importância que o fenômeno tem […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: