Pensar e Escrever. Escrever e Pensar.

Um amigo, o escritor Márcio Jabur, um dia me disse que pensa bem quem escreve bem. Conheço o Márcio e o acho muito rigoroso. Essa sua boutade era uma crítica aberta a diversos conhecidos nossos incapazes de ecrever de carreirinha com alguma beleza e correção. Por isso, não concordo inteiramente com ele. Ainda acho que certas pessoas que não escrevem direito conseguem pensar bem Por outro lado, tenho certeza que bons textos dependem de bem pensar.

Fiz a pequena introdução acima para justificar o que segue. Quando comecei a blogar fiz um levantamento para verificar se alguns educadores do meu círculo de relações estavam usando blogs. Entre os usuários de primeira hora da nova ferramenta estava David Carraher, pesquisador com quem tive o prazer de trabalhar na confecção de dois softwares famosos: Investigando Textos com Sherlock! e Divide and Conquer.

O blog original do David não está mais no ar. Mas traduzi e guardei alguns dos posts lá publicados. Um deles faz comentários sobre os aspectos metacognitivos do escrever. Vamos ao texto do David:

Escrever e pensar

Reflexões de David Carraher

Eu penso que escrever minhas idéias  não é apenas um registro dos meus pensamentos. Esse ato faz com que minhas idéias fiquem mais á mão e mais fáceis de serem entendidas (por mim mesmo). Com o tempo, meu próprio pensar se beneficia por causa da existência de representações externas. Tudo isso me ajuda a: ter uma visão geral, ponderar, refinar o pensamento, reconsiderar, reorganizar. Me ajuda a compartilhar e a receber feedbacks.

Escrever sumários é um modo de melhorar as idéias. Você recebe os benefícios da palavra escrita. Mas não é só isso. Ganha-se algo novo.

Eu sempre escrevo sumários para entender as idéias e estrutura de um documento.Pode ser algo que escrevi. Pode ser algo escrito por outros. Ao fazer isso, eu me vejo pensando:

Essa idéia cabe aqui? É essa uma evidência para algo que vai ser dito à frente? Isso precisa ser mostrado mais à frente, no capítulo sobre dados, em vez de ser algo subentendido na introdução? O que pode acontecer se alguém não aceitar a análise exaustiva? Há outras interpretações possíveis? Se sim, onde elas deveriam aparecer?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: