Dê a chave do laboratório para os professores

al rogersEm 1983 escolhi, entre as disciplinas a cursar no segundo semestre, Computer Education. O professor era o então jovem acadêmico Bernie Dodge, com fama de enfant terrible e de ótimo docente. Eu já o conhecia de festas na casa do Pat Harrison, chefe do do departamento de EdTech na San Diego State University. Recém chegado a San Diego, Bernie era um ótimo papo, sempre com tiradas de muito  humor e ironia desconcertante. Eu estava feliz com a escolha. Ia fazer uma matéria relativamente nova para descobrir possibilidades concretas de uso do computador nas salas de aula. E aí veio a surpresa. Bernie não daria aula no horário que escolhi. Dada a grande procura por Computer Education, o departamento resolveu aceitar todas as matrículas e criar cinco turmas naquele semestre. Bernie não poderia dar todas as aulas. Ficou apenas com uma turma. Para as demais, a universidade contratou dois instrutores. Fiquei sabendo que seria aluno de um tal Al Rogers. Com alguma decepção, compareci à primeira aula. Eu precisa de créditos para terminar logo o mestrado. Mas, desde o começo, descobri que o Al também era um docente com o qual valia a pena trabalhar. Hoje, digo, com muito orgulho, “fui aluno de Al Rogers”.

Na parte técnica aprendi as mesmas coisas que aprenderia com o Bernie. O manual de Applesoft Basic for Education, adotado pelo Al, era obra do Bernie. Mas, além disso, tive o privilégio de conhecer um docente que vinha do chão da escola para a universidade. Rogers era professor de matemática no ensino básico da rede pública em San Diego. Viu sua escola instalar um laboratório com trinta Apple IIe, “a” tecnologia da época. E viu também que o laboratório permanecia fechado e sem uso. Como quase todo mundo naqueles tempos (1980), ela nada sabia de DOS e assemelhados; ou seja, não tinha a menor idéia de como operar um computador pessoal. Resolveu agir. Foi até a sala do diretor e pediu a chave do laboratório. A partir daí, aprendeu fazendo. E, com o tempo, tornou-se um informata competente. Quando foi convidado a dar aulas no mestrado da San Diego Sate University, em 1983, já era respeitada autoridade no campo de usos de computadores em educação.

Numa de suas aulas, ao conversar conosco sobre informática e educação nas escolas, insistiu na idéia de que é preciso que os professores tenham, no sentido literal e figurado, as chaves do laboratório. Rogers não via com bons olhos a figura de especialistas que têm as chaves do laboratório e interferem em demasia no trabalho dos professores. Para ele os professores tinham que aprender fazendo. Nesse sentido, não valorizava muito a “preparação dos docentes”. Em outras palavras, Al sugeria que professores deveriam ter voz ativa em planos de uso de computadores em educação. Achava que, com o tempo, seria cada vez mais fácil dominar as ferramentas computacionais. Achava que professores que conheciam seu ofício encontrariam os melhores meios de colocar os computadores a serviço da educação. Esta linha de pensamento é bastante diferente de certo burocratismo que predomina nas soluções adotadas para que os professores se capacitem , geralmente por meio de ‘”formações”, em usos educacionais do computador. Al Rogers defendia a idéia de que os professores precisavam ser atores importantes no campo em discussão.

Até aqui escrevi algumas lembranças sobre um bom professor que tive no meu distante mestrado na SDSU. E talvez isso não fosse revelado se eu não reencontrasse Al Rogers. Faz uns nove anos, que em navegação pela Web, achei o site Global School Net, um serviço internacional de intercâmbio tecnológico entre escolas. E adivinhem quem é o fundador desse serviço? Al Rogers, meu velho professor de Computer Education.

Logo depois que descobri o projeto Global School, traduzi alguns pequenos artigos do Al. Para conhecimento de quem quiser saber mais sobre a necessidade de que os professores tenham as chaves do laboratório, publiquei em Páginas, aí do lado, O Fracasso e a Promessa da Tecnologia na Educação. Boa leitura!

Anúncios

Uma resposta to “Dê a chave do laboratório para os professores”

  1. Fique por dentro Escola » Blog Archive » Dê a chave do laboratório para os professores « Boteco Escola Says:

    […] da rede pública em San Diego. Viu sua escola instalar um laboratório com … fique por dentro clique aqui. Fonte: […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: