Conhecimento e Verdade

Acidente na estrada. O repórter chega logo. Há umas cinquenta pessoas no local. O resgate também já está lá. Três veículos que se envolveram no desastre. Infelizmente há vítimas fatais. O repórter sabe que aquilo é notícia. Precisa elaborar a matéria. Conversa com a equipe técnica. Pede ao câmara para fazer umas imagens. Prepara-se para entrevistar testemunhas.

Das cinquenta pessoas presentes, dez dizem ter visto o acidente. O repórter grava depoimentos. Um senhor diz que a mercedes corria demais, derrapou, mudou de pista e fechou o caminhão. Este não teve o que fazer, brecou. A perua escolar, que vinha logo atrás, bateu. Três crianças mortas.

Um rapaz contou história diferente. Disse que a perua tentava ultrapassar o caminhão, mas não sinalizou. A mercedes que vinha atrás teve que acelerar e fazer uma manobra arriscada. Com isso, acabou fechando o caminhão. A partir daí o desastre foi inevitável. Mais depoimentos. Divididos. Algumas pessoas diziam que o carro de luxo tinha provocado o acidente. Outras punham a culpa no veículo de transporte escolar.

O repórter pesou os depoimentos e resolveu dar destaque ao provável excesso de velocidade do carrão estrangeiro. A chamada da notícia ficou assim:

Carro de Luxo Provoca  Acidente Fatal na BR.

Onde estaria a verdade?

O conhecimento se constrói com base nos objetos (fatos, situações,vivências, informações etc.) que experimentamos e na representações que elaboramos em nossa consciência. Mas nossa consciência não está livre de enganos. Ela recebe os objetos por meio dos sentidos; e estes são como óculos, podem estar limpos,  podem estar embaçados. Além disso a consciência é uma leitora de tudo que chega até ela. E o que acontece com leitores? Entendem as coisas de acordo com sua formação e capacidade de leitura. Leitores diferentes, ao lerem o mesmo texto, podem chegar a conclusões até opostas.

Voltamos ao repórter.  Ele noticiou a verdade? Deveria fazer a matéria de uma outra forma? Carrão de luxo provocando acidente dá IBOPE.  Será que foi isso que fez o jornalista escolher a versão que foi para o noticiário?

Antes de seguir em frente, convém pensar um pouquinho sobre o que nos passa o sentido mais usado na elaboração de nossos saberes, a visão. Convido todos os leitores a verem um conjunto de figuras que testam nosso olhar.

Para fazer as coisas com certa ordem, sugiro uma boa olhada nas figuras de que falei acima, e depois de vê-las, uma volta para este texto para que a gente possa continuar a conversa. Vamos lá! Para ver as figuras, cliquem em Optical Illusions. Depois voltem para cá.

Ao examinar cada figura mostrada, espero que vocês tenham pensado um pouco sobre que conhecimento podemos construir a partir daquelas imagens. E mais: tenham pensado sobre o desafio que é descobrir a verdade.

Neil Postman, professor que durante muitos anos foi o chefe do Departamento de Comunicações da Universidade de Nova Iorque, observou certa vez que muitas pessoas tinham uma certeza que podia ser expressa na frase que segue.:

  • É VERDADE, DEU NO JORNAL.

O que está por trás disso? Provavelmente as pessoas pensam que tudo é feito no jornal para que as matérias publicadas sejam um retrato da verdade. Mas ficam dúvidas. No caso do acidente aqui descrito, será que a notícia retratou a verdade?

Já há perguntas demais. É hora de seguir em frente. Aqui vai minha sugestão:

  • Vá para o Word e coloque na página o seguinte título: A verdade do meu jornal.
  • Escreva um pequeno texto- dez ou doze linhas – sugerindo a seus jornalistas como garantir a verdade daquilo que sair no jornal, como julgar as informações das fontes para evitar erros de interpretação.
  • Se você estiver numa de minhas aulas de filosofia, depois do texto pronto, compare suas propostas com as dos quatro colegas mais próximos.
  • Depois de conversarem sobre as respectivas obras, escolham o texto que apresenta as melhores soluções e copiem-no em comentário para este post. Não se esqueçam de colocar o nome de todos os membros do grupo logo depois do texto escolhido.

Com isso tudo, espero recolher boas informações sobre reflexões a respeito da verdade.

Anúncios

127 Respostas to “Conhecimento e Verdade”

  1. Fernando Sere; Jéssica Angulo; Caroliny Santana; Aryane Bruna; Says:

    A verdade do Meu Jornal

    A verdade deixou de ser uma prioridade nos dias atuais.Muitos de nossos jornalistas omitem fatos ou até mesmo acrescentam fatos para garantir que a noticia seja bem comentada e circulada, escolhem as historias que tem mais impacto e não necessariamente as que são de importância primaria.
    Para garantir que a verdade seja passada aos leitores, nossos jornalistas tinham que simplesmente fazer uma analise critica e imparcial sobre a noticia ou o assunto focado,e verificar a confiabilidade das fontes e assim transmitir aos leitores apenas o que é a verdade.
    Fazendo isso, deixando de lado a questão capitalista e se focando mais no fato em si, chegaremos cada vez mais próximos da verdade, que não necessariamente deixaria de vender, basta aplicar a criatividade não para mudar fatos, mas para apresentá-lo de uma modo sucinto e pratico.

    • Diego de Paula Says:

      A verdade do meu jornal.

      Informação alguma é passível de total garantia. A não ser aquela que não necessita de contestação.
      Ao se fazer um jornal, seria necessário buscar o maior numero de fontes (confiáveis, mais ainda isso precisaria passar pelo filtro pessoal do jornalista. O que ainda assim é falho e com variáveis demais) possível.
      Porém ainda assim, uma analise detalhada (ainda que solitária) permitiria tal formatação da noticia. Mas talvez a custo de um outro determinado ponto de vista. Contraditório…

      A verdade do jornal do Diego

      Desde o início da consistência de uma matéria, deve-se saber que a verdade totalitária não passa de uma ilusão. A concepção da matéria se resume em relatar fatos conhecido por fontes/testemunhas/provas, porém, não se tem uma verdade quando se comparado a migalhas de informação que é retirada do pão da verdade.
      Mas, contudo, a maneira evolutiva do texto de relação ao acontecido, se dá a partir de uma maneira investigativa, sim, mas não tanto óbvia. A capacidade de perceber o redor e a notoriedade de fatos ignorados e completamente pertinentes, que dão o certo brilho à folha de papel ou página da internet, é o fator X da boa produção e o diferencial, por sua vez, notório e recebido de maneira uniforme. Considerando constatações de maneira abstrata, bem solidificada, a apuração dos fatos, a confiabilidade da fonte, a análise dos relatos, ter sempre mais de uma versão onde as considerações podem ter percepções diferentes.
      Após dito isso, considero o Jornal que eu crio o relato mistificado em verdades ausentes.

      Diego Lourenço de Paula Lima
      Delso Vital junior
      Fernanda Tessaro Marcila

    • Nathália e Kianne Says:

      A verdade do meu jornal

      Caros jornalistas, a verdade nunca será a mesma para todos.
      Sempre será difícil garanti-la, por isso, minha sugestão é que se coloque aquela que o próprio jornalista presenciou, ou todas as que foram apuradas, frisando que não se sabe realmente o que aconteceu. Assim, cada um interpretará da sua maneira.

  2. Marcela, Paula, Vanessa Says:

    A verdade do meu jornal

    Minha sugestão aos jornalistas é que diante de um acontecimento, e, na intenção de noticiá-lo com verdade, o fato seja tratado com olhos muito observadores. Cada nova informação deve ser analisada isoladamente, para depois somar-se a perspectiva final do assunto. O jornalista deve notar em cada depoimento, o valor das palavras relatadas, levar em conta a posição e o interesse de cada um na situação. Não pode também trabalhar somente em busca do IBOPE, deve haver um comprometimento com a visão real dos fatos. Nenhum julgamento precipitado deve ser feito e nem conclusões duvidosas, que apontem para caminhos não esclarecidos. O profissional necessita de responsabilidade e paciência, para construir uma notícia verídica. Só assim para garantir que a verdade esteja presente em seu jornal.

  3. Vanuza Says:

    A verdade do meu jornal

    Para garantir a verdade de uma informação, deve ser analisar e filtrar de todos os modos possíveis o acontecido, deve-se comparar informações de pessoas diferentes e observar o que há de comum entre elas.
    Não se deve buscar o que vai chamar a atenção e sim o que é certo, se aprofundar em saber qual é a verdadeira história, saber dividir a realidade do lúdico,analisar o que pode ou não ser real, deve se levar em conta vários aspectos do assunto, juntar todas as fontes possíveis, estudar o fato, levar em consideração que muitas vezes os olhos nos confundem.
    Pra se chegar na verdade, não se deve levar em consideração o “ Eu acho”, devemos nos basear em fatos concretos no que realmente aconteceu, não no que achamos que seria mais conveniente.

  4. Ivo / Claudemir / Danilo [PP] / Márlon [ RTV] Says:

    A Verdade do Meu Jornal

    Os fatos relatados nos jornais seguem uma linha de interpretação na qual é colhida diversas informações sobre o ocorrido. E ao passar para o leitor está matéria, antes de tudo, deve ser verificada o maior número de relatos das pessoas presentes neste ocorrido.
    Como cada um tem, estava em um ângulo diferente do ocorrido, cada indivíduo sabe ou omite fatos. Cabe então ao jornalista averiguar os fatos, as imagens da cena com os relatos do presente e interpretar de uma forma imparcial, para que o próprio leitor possa “julgar” de forma mais ampla e questionada sobre a situação ocorrida e não ser forçado a tomar o partido do jornalista que escreveu a matéria.

  5. Fernando Almeida, Vitor Lopes, Johnny, Daniel Abrão, Bruno F. Says:

    A verdade do meu jornal.

    Nenhum conhecimento é verdade, nem tu do que se vê é realidade. A verdade está no que nos cremos que vivemos no que sentimos.
    A verdade às vezes não é exatamente as mesmas para todos, às vezes a intuição das pessoas pode nos levar a uma conclusão do que elas vêem no fato ocorrido e, diante de vários olhares sobre o mesmo fato, podemos ter varias interpretações daquilo, e todos tendem a apurar todas as verdades possíveis que se passa ou passou diante de um fato, a verdade pode ser o que é de algumas maneiras, usarem a razão sobre aquilo ou o que você sentiu na hora que você viu sobre o fato, e o jornal tende a buscar e apurar todos os tipos verdades sobre o mesmo fato, e não colocar ao leitor o que seria mais provável as pessoas concluírem sem um raciocínio lógico.

  6. Thais,Lis, Mayara,Renato, Daniel lopes , Grazieli, Michael Medeiros Says:

    A verdade do meu jornal

    Sugiro que para obtermos, uma matéria onde a verdade predomine, devemos consultar o maior número de pessoas que saibam a respeito, conseguir provas, evidências e fontes que indiquem que aquilo tem fundamento. Mas, sempre é bom procurar temas que façam diferença, por que assim, mesmo não alcançando a verdade suprema, iremos contribuir com algo para as pessoas.E se o benefício for gerado, sendo verdade, ou meia verdade, o resultado disso mostrará que talvez a verdade absoluta não é o mais importante, e sim o caminho que alcançamos através do que pensamos que seja a verdade.

  7. Rafael, Renata, Lais, Michelle Says:

    A verdade do meu jornal.
    Escrito por Rafael A. Zanoni
    Não se pode dizer ao certo quem foi o causador do acidente na BR o qual deixou vitimas fatais. Algumas testemunhas que estavam no local no momento do acidente, dizem que o acidente foi causado pelo carro de luxo; outros dizem que foi causado pelo caminhão e, outros ainda dizem que o acidente foi causado pelo piruá escolar. Quem diz a verdade? Os jornalistas não deveriam fazer uma reportagem baseando-se em testemunhas, as quais contam várias versões diferentes. Em casos de acidentes, devemos apenas falar a respeito do que ocorreu e não julgar quem foram os culpados que acabaram causando o acidente fatal para alguns. Após isso devemos acompanhar passo a passo as investigações feitas pela polícia e, quando tudo estiver esclarecido, devemos redigir a reportagem.

  8. Raimundo. Says:

    A verdade deu no jornal

    A verdade é um assunto um tanto quanto intrigante. O que é verdade pra você? A verdade é uma coisa extremamente relativa, às vezes o que possa parecer verdade para você, pode ser totalmente o contrário para outras pessoas. A verdade pode ser facilmente manipulada, e é isso o que acontece na matéria “Carro de Luxo Provoca acidente Fatal na BR”, essa verdade da qual o jornalista se refere e a publica no jornal, é uma verdade dele, quem garante que foi isso que aconteceu realmente? Você leitor acredita nessa versão? Tenho plena e absoluta certeza de quem tem uma versão para esse fato ocorrido. O jornalista descreveu esta versão pelo fato da matéria causar impacto na sociedade e que esse tipo de matéria (TRAGÉDIAS) vende notícias, ele em algum momento se preocupou com a veracidade dos fatos ocorridos, ele colocou uma “verdade” na qual os leitores do jornal acreditariam muito facilmente. Por isso acredito que não exista uma verdade exata, mas sim uma verdade contraditória, isso só depende do ponto de vista de cada um.

    Nome: Raimundo Fagner batista ( Escritor do texto )
    Nome: Wellington Hokama
    Nome: Rúbia Mara
    Nome: Kleber Willian
    Nome: Susane Almeida

  9. RADIO E Tv Says:

    “A verdade do meu jornal.”

    Deve ser garantida uma fonte segura dos fatos, baseado não somente em depoimentos de poucas testemunhas ou aqueles que apenas dizem que estavam presentes no acontecimento. É preciso procurar por pistas concretas – gravações, fotos… – que proporcionem uma verdade indiscutível do assunto. Assimilar informações. Muitas contradições surgem de pessoa para outra pessoa, tem-se que garantir uma proximidade de assuntos que são colhidos. Evitando assim essas tais contradições que por conseqüência atingem a ambigüidade que surge na cabeça de cada leitor.
    O profissional, acima de tudo, tem que atingir um lado imparcial sobre o fato e assumir um lado ético. Pois tudo é muito subjetivo e levado sempre por aquilo que dá notícia e não o que deveria ser noticiado realmente. Procurar observar todos os lados das informações e não apenas se levar pela aparência que pode ser algo, mas ao observar bem e juntar todas as propostas acaba sendo e apresentando outra realidade.

    Aline Castanheira. Letícia Carvalho. Marcelo Moraes. Kira Tonello ( Radio e Tv)

  10. Aline Castanheira, Letícia Carvalho, Marcelo Moraes, Kira Tonello. Says:

    A verdade do meu jornal

    Um bom jornalista, a fim de coletar informações verdadeiras, deve sempre ouvir muitas fontes, chegando, assim, a um consenso. Observa minuciosamente cada detalhe da situação e, ao ouvir suas fontes, leva em consideração as emoções que podem levar as pessoas a exagerar, ou, até inventar um fato, pois sabe que a verdade é relativa.
    Manter a ética, não se importando se a notícia venderá ou não, também é um aspecto muito importante, afinal, não se deve esquecer que as pessoas procuram verdades absolutas no jornal. O jornalista deve observar a situação em diferentes ângulos e visões, a fim de garantir que casa leitor tenha sua própria interpretação e, assim, compreenda a veracidade dos fatos.

    Aline Castanheira, Letícia Carvalho, Marcelo Moraes, Kira Tonello.
    1ACSMRT

  11. Jéssica Caroline Gomes Santos - 1ACSMPP Says:

    A verdade do meu jornal

    Os jornalistas deveriam investigar mais antes de colocar a notícia no jornal. Os leitores acreditam no que lêem. Entrevistar todas as testemunhas possíveis, se existirem sobreviventes que tenham condição de falar também. As pessoas podem até dar versões diferentes, mas sempre vão ter coisas que ligam uma nas histórias das outras.
    Jornalista tem pressa, pois quer logo ser o primeiro a dar a noticia, para se dar melhor e o jornal vender mais. Mas com isso pode se dar mal também, quando a noticia não está totalmente esclarecida, e os leitores descobrem, por exemplo, não aconteceu exatamente que está escrito além de o próprio jornalista perder a credibilidade, consequentemente o jornal também sofre com isso. Todo mundo pode errar, mas numa profissão como essa, que é o meio das pessoas saberem as noticias mais rápidas, elas precisam ser verídicas e com muita clareza. Então tem que ter cautela, antes de ir colocando uma matéria para vender mais, pesquise o que realmente aconteceu.

  12. Luciê Pavanelli Says:

    A verdade do meu jornal

    Publicar uma matéria em um jornal é realmente uma difícil tarefa, afinal perante um fato, dependendo das circunstâncias este pode ser interpretado de diversas maneiras.
    Como neste texto em analise. Muitas vezes perante diversos depoimentos diferentes o jornalista acaba deparando-se com um desafio, o de investigação. Porque publicar uma matéria não é somente descrever o que se parece, o que parece ser a verdade, vai muito alem disso.
    O jornalista deve ter cautela, analisar melhor os fatos, para evitar mal entendido e também falsas matérias. Um jornal é um meio de comunicação que faz parte do cotidiano de muitas pessoas, de grande influência, e uma matéria não verídica pode gerar sérios problemas de interpretação, pois o leitor confia planamente naquilo que foi descrito no texto. E o objetivo de uma matéria não é causar dúvidas nem incertezas e sim informar a verdade dos fatos.

  13. Bruno César de Souza Says:

    A verdade do meu Jornal

    A verdade é constituída e elaborada por fatos os quais a ele fazem parte da verdadeira história. Se em caso de dúvida pergunte a quem esteve ou estava envolvido ao fato, ou a quem sofreu o ocorrido.
    Depois olhe os fatos, olhe o corrido, tente visualizar o ocorrido e tente juntar as partes deduzias e as ocorrências de quem de fato estava presente ao acontecimento.
    As informações recebidas devem se ter uma noção de fato, um tanto generalizada. Pedaços de informações sempre chegam a verdade de alguma forma, junte-os e faça uma história relatando o ocorrido. Relate fatos que outros não puderam ver e escolha uma fonte confiável, comece outros relatos do ocorrido para chegar a uma outra historia não igual mas parecida. A verdade sempre esta escondida atrás dos fatos mais importantes, os que mostram mais detalhes.
    A fonte mais confiável é aquela que sofreu o fato ocorrido, seja ela vítima ou não, obter informações da própria vítima que sofreu o ocorrido, é chegar numa verdade mais próxima.
    Interprete todos os fatos ouvidos e relatados, julgue-os com cautela e precisão, imagine-se na “cena do crime” chegue numa conclusão concreta e mostre para outras pessoas a sua versão e obtenha prestígio, saiba que o que foi relatado foi realmente o que aconteceu, relate observações e conclua a notícia.

    De:Bruno César De Souza.
    1ACSMPP

  14. Juliana 1° ACSMPP Says:

    A verdade do meu jornal

    Para que as informações repassadas no jornal tenham em boa parte veracidade deve-se selecionar a informação que os jornalistas captam, deve ser interpretada de forma aguçada depois de ouvido os relatos das pessoas que estavam presente na hora do acontecido.Porém, nem tudo que se ouve como relato pode ser levado em conta logo de primeira vista, pois, cada um tem um forma de interpretar o que vê.
    E uma coisa que os leitores devem “seguir” para que possam ter maior entendimento na leitura, é procurar ter um pequeno conhecimento a respeito do que esta lendo; procurar ler outras noticias relacionadas a mesma notícia para fazer uma comparação de fatos, para ver se existe, de certa forma, uma ligação entre eles, se ambos querem passar a informação de uma mesma forma de interpretação aos leitores.

  15. Bianca Araujo Says:

    A verdade do meu jornal

    Como se achar a verdade em acontecimentos onde há varias testemunhas e diversas versões?
    Muitas vezes surgem noticias que não podemos saber ao certo se é verdade ou não. Diversas revistas e jornais tratam o caso cada um de uma forma, algumas vezes aumentando ou emitindo informações para que tal noticia se torne mais interessante e chamativa para seus leitores. Mas Como sabermos se a historia é realmente real? Bom, a melhor coisa a se fazer é, primeiro de tudo não ler em apenas uma fonte, procurar sempre mais que uma para que se possa compara-las. É claro que sempre encontraremos contradições em uma e outra, mas poderemos perceber que sempre também terão fatos que estarão em todas, aqueles dos quais, saberemos que realmente ocorreu. Infelizmente não há como ter certeza que a noticia é verídica por completo, fatos elaborados pela própria vitima será 50% da verdade. Para termos 100% da verdade também se deve comparar os fatos descritos pelas testemunhas do local para descrever o fato da forma mais verídica possível.

    Bianca Araújo Rodrigues
    1ACSMPP

  16. Bruno César de Souza Says:

    A verdade do meu Jornal

    A verdade é constituída e elaborada por fatos os quais a ele fazem parte da verdadeira história. Se em caso de dúvida pergunte a quem esteve ou estava envolvido ao fato, ou a quem sofreu o ocorrido.
    Depois olhe os fatos, olhe o corrido, tente visualizar o ocorrido e tente juntar as partes deduzias e as ocorrências de quem de fato estava presente ao acontecimento.
    As informações recebidas devem se ter uma noção de fato, um tanto generalizada. Pedaços de informações sempre chegam a verdade de alguma forma, junte-os e faça uma história relatando o ocorrido. Relate fatos que outros não puderam ver e escolha uma fonte confiável, comece outros relatos do ocorrido para chegar a uma outra historia não igual mas parecida. A verdade sempre esta escondida atrás dos fatos mais importantes, os que mostram mais detalhes.
    A fonte mais confiável é aquela que sofreu o fato ocorrido, seja ela vítima ou não, obter informações da própria vítima que sofreu o ocorrido, é chegar numa verdade mais próxima.
    Interprete todos os fatos ouvidos e relatados, julgue-os com cautela e precisão, imagine-se na “cena do crime” chegue numa conclusão concreta e mostre para outras pessoas a sua versão e obtenha prestígio, saiba que o que foi relatado foi realmente o que aconteceu, relate observações e conclua a notícia.

    De:Bruno César De Souza.
    1ACSMPP ¬¬’

  17. Mariana Rodrigues Says:

    A verdade do meu jornal

    O que deve ser levado em consideração por um profissional que é considerado formador de opinião é a ética. Todos os jornalistas desta equipe acima de tudo devem se preocupar em manter a imparcialidade, informar e educar, mas nunca julga uma situação.
    No caso deste acidente, quem garante que a pessoa ao ter acusado a mercedes não queria proteger o motorista da perua escolar. E o caminhão? Por que ninguém descreveu como o caminhão estava na pista?
    O primeiro exercício é ouvir todos os lados do acidente e depois passar para os nossos leitores todos os detalhes do desastre e deixar que eles, dentro todas as informações registradas tirem suas próprias conclusões.
    A única certeza que temos é a que vimos quando chegamos no local: um acidente que envolveu o carro, um caminhão e uma perua escolar provocando a morte de algumas pessoas. O restante é preciso avaliar de acordo com o material recolhido, mas este não é o nosso papel. O nosso papel é informar.

    Nomes:
    Mariana Rodrigues, 1A CMSJO
    Luciana Coelho, 1A CMSJO
    Laís Tarifa, 1A CMSJO
    Anderson Ferreira, 1A CMSJO
    Verônica Cristina, 1A CMSJO
    Talita Gomes, 1A CMSJO

  18. 1CSAMPP: Edegar,Vinícios,Thiago,Kalil e Gabriel Peres Says:

    A verdade do meu jornal.

    Em vista que a mesma informação, dependendo da realidade ou pontos de vista do receptor, pode ser recebida e reconstruída de diversas formas diferentes, o ideal para chegar o mais próximo da verdade, ou seja, do acontecimento como de fato ocorreu, será ir direto ao cerne deste do fenômeno, apurando e investigando seus motivos, circunstâncias, fatores, etc.
    Mas o grande problema que normalmente ocorre, se dá pelo fato dos receptores admitirem a informação sem questioná-la, sem ponderar se realmente existe total veracidade de conteúdo nela inseridos. Levando em conta o mundo capitalista, o comércio de informações não fica atrás no que diz respeito à obtenção de lucros, ou seja, a verdade muitas vezes se distorce para simplesmente tornar-se algo que as pessoas desejam ouvir.
    Penso eu que a “verdade” em casos específicos torna-se relativa, dependendo dos valores de cada um,sua realidade e visões de mundo. Mas quando determinado acontecimento consiste em fatos e pode ser relatado de forma sistematizada, eu apontaria como antiético a prática da influência e a manipulação na divulgação destas informações;se não houver o total domínio dos fatos,é melhor que sejam publicadas as diversas possibilidades ou vertentes do fenômeno.

  19. Raquel, Ana Carolina, Carla, Nathalieli, Juliana, Tamires Lab. 09 Says:

    A verdade do meu jornal

    Chegar à verdade absoluta é algo fora dos padrões humanos, mas refletir sobre os fatos e acontecimentos faz com que caminhemos ao mais próximo disso.
    A verdade significa o que é possivelmente real dentro de um sistema de valores. É uma interpretação mental da realidade transmitida pelos sentidos, confirmada por outras pessoas de cérebros sadios e despidos de preconceitos e, confirmada por algumas razões lógicas que se encaixam como modelos para possíveis situações futuras.
    Todos os fatos que, futuramente, serão notícias publicadas, devem ser estudados como busca de conhecimento, ou seja, deve-se investigar com esforços para descobrir aquilo que está oculto. Entrevistar todas as pessoas que se dizem capazes de esclarecer o que acorreu, perguntando também alguns dados pessoais, para se analisar porque ela poderia narrar o fato de maneira diferente de outra pessoa, quais suas motivações para isso. Cada detalhe de sua narrativa deve ter importância, até os mais banais, como gestos e seu modo de falar.
    Analise o que você pode enxergar também, se for algo possível de ser visto (algo concreto) atenha-se a tudo. Depois de tudo ponha-se no lugar das testemunhas, reflita muito, isso deve ser o mais demorado, lembre de situações parecidas e conclua sua reportagem.

  20. Gabriel Proença, Camila Moraes, Chimene Oliveira, Geneilma Trajano Says:

    A verdade do meu jornal

    Caros jornalistas empregados na área de mídia impressa ou televisiva, a sua verdade é levada a milhões de pessoas, convencendo-os ou formando opiniões divergentes em relação as suas reportagens.
    As suas interpretações podem formar opiniões, sendo necessário que haja a verdade na suas reportagens. A necessidade de vender, aquele ou outro jornal, impõe que vocês procurem ir para o lado mais “comercial” da verdade.
    A verdade é relativa aos olhos de quem vêem, ou no caso que lêem, se caso o leitor perceba que aquilo não se agrega ao seu conceito de verdade é claro que os mesmo não voltarão a comprar os jornais, a assistirem os jornais ou lerem as suas colunas.
    Aconselho-os a procurar sempre averiguar se os depoimentos batem no maior numero de casos, e se não houver certeza, não publiquem.
    Publiquem a certeza e comprovem o que está escrito (falado etc.) com fatos, depoimento que tem o mesmo conteúdo de informação concreta, imagens.
    Informar a verdade é o dever do jornalista, pois esse meio de comunicação forma opiniões e divergências, que poderão acarretar nos seus fracassos de profissões.

    Gabriel Proença
    Camila Moraes
    Chimene de oliveira
    Geneilma Trajano

    1ª ANO: CSPPM

  21. Kauê Caio Fábio Diego e Leandro 1acsmpp Says:

    A Verdade do Meu Jornal

    Para acharmos à verdade em cada elemento, devemos pesquisar e analisar bem tudo ao redor, analisar minuciosamente cada ponto de uma imagem (olhá-la de vários ângulos, de ponta cabeça, de lado, ou olhar a imagem a partir das cores ou texturas da imagem, e tentar achar os mais diversos elementos que ela está representando) e cada um dos caracteres de um texto, pois a verdade pode estar na sua frente e você não percebe, pois muitas vezes olhamos com desinteresse ou com falta de conhecimento ou porque não usamos a pesquisa correta para achar a verdadeira fonte da verdade das coisas. Temos que sempre ter um olhar investigativo e até de certa forma instintivo, e observar tudo até achar a solução ou verdade incansavelmente, pois temos que acreditar sempre que estamos na pista certa.
    Para termos a certeza da veracidade dada numa matéria de jornal, temos que buscar informações de todas as maneiras possíveis. Pois qualquer informação por mais simples que ela pode parecer pode ser o ponto crucial para apanharmos as verdades de cada notícia.

  22. RAFAELA, GEORGIA,VERA, JULIANA, BIANCA E EDER - 1BCSNRT Says:

    A VERDADE DO MEU JORNAL

    Busquemos não somente ouvir uma fonte de confiança, mas buscar no fato e nas pessoas envolvidas, direta ou indiretamente, o maior número de informações possíveis cercando o assunto de todos os lados antes de redigir a matéria.
    Façamos uso dos recursos – tecnológicos ou não – legalmente disponíveis (áudio, vídeo, manuscritos, etc.) para que possamos embasar os fatos descritos pelas fontes.
    Não deixemos que nossa opinião própria sobre um determinado assunto ou pessoa, macule a integridade da notícia.

  23. Daniel 603E Says:

    A verdade do meu jornal

    Para um jornalista passar a verdade para seus leitores, ele tem que buscar o máximo de informações, o máximo de testemunhas, analisar a cena cuja pertence à notícia e fazer a junção de tudo isso e tirar de fato aconteceu no local e publicar. Trabalhando com ética, deixando o interesse em dinheiro de lado e noticiando apenas o que aconteceu, sem acrescentar e nem omitir informações para causar impacto na população, pois a função do jornal não é chocar seus leitores, e sim mantê-los informados com a verdade.

    Daniel Paiva
    Yasmin Papeckys
    Paula Ângela Silva
    Eliza Rodrigues
    Fabielli Passarella
    Bárbara Garcia
    Natielle Neves
    Thaís Carvalho
    Sandric Coelho

    603E rádio e TV 1ºano!

  24. Marcela, Francelí,Carlos,Rafael Tinel, Eurico, Alexandro, Henrique e Bruno 1BCSNRT, Says:

    A verdade do meu jornal

    A primeira sugestão é a de que não procurem a verdade absoluta, pois ela não existe e nunca devemos tratar nossa matéria como tal. O que existe são versões dessa verdade que podem nos dar dicas do que aconteceu, mas que, de fato, nunca saberemos. É importante pesar todos os testemunhos, como os cientistas com suas experiências, só provaram teorias a partir da repetição. A versão que mais se repetir é a que mais se aproxima da verdade que podemos conhecer. Por isso é necessário ouvir cada uma das testemunhas individualmente, de forma que o pensamento de uma, não interfira na interpretação de outra. Depois de feito esse trabalho com testemunhas oculares, vale lembrar que há indício no próprio ambiente físico que nos dá uma versão dos fatos, este também deve ser levado em conta. A partir daí acredito que a redação esteja pronta para escrever a matéria da melhor forma possível, lembrando que a versão do jornal vai ser só mais uma versão dos fatos, porém, talvez, uma versão mais justa.

  25. radio e tv 1bcsnrt Says:

    Agda S.Santos
    Bruna Oliveira
    Denis se Souza
    Erick Harada
    Ângela Alves
    Carolina M. Hojér
    Almir José

    Radio e Tv 1bcsnrt

    A Verdade do Meu jornal

    A função de um jornalista que deve nos passar a informação com a maior amplitude possível tendo que de analisar os fatos diversas vezes quando não se está presente a imagem vista pelos outros podem tanto falar a verdade como não, podemos observar que por muitas vezes usando assim um exemplo um tanto quanto vulgar que o seu vermelho pode não ser o vermelho de alheios logo o ponto de vista também pode causar distorção é necessário analisar determinadas provas e questionar perante tudo que se conhece o que realmente ocorreu no local da matéria, entretanto à de saber que é necessário averiguar a visão de terceiros organizar informações para tentar chegar a uma verdade próxima da qual ao ser lida pelos leitores se torne o mais próximo do real ,lembrando que o leitor muitas vezes transforma a informação em sua própria verdade.
    Lembrando que a mídia tem credibilidade e que pode tanto conduzir-nos a verdade manipulada a nossa verdade em si ou simplesmente nos embriagar numa ilusão reconfortante ,é necessário saber informar,mesmo sabendo que os fatos podem se tornar contraditórios.

  26. Victor (Manga), Felipe (Kuririn), Michael (Diloko), Sergio (Popoto) Laercio (???) Says:

    A verdade do meu jornal.

    Sugiro aos meus ilustríssimos jornalistas que antes de publicarem uma notícia, certifiquem-se de que a verdade seja dita. Buscando o máximo de informações possíveis com as pessoas no local e com os investigadores que ali estão.
    Peço que levem em consideração os reais fatos e não se deixem levar pelo interesse financeiro, ou seja, não apelar para conseguir vender mais publicações.
    O bom jornalista deve transmitir a verdadeira informação ao povo, já que o mesmo é altamente influenciado pelo que é publicado. O jornalista tem o poder de induzir as pessoas aos fatos que ele julga. Como exemplo podemos citar: a derrota de um time de futebol, se o jornal publica a foto de um jogador com o título “craque não corresponde as expectativas e time cai na tabela”, mesmo com o time todo jogando mal a culpa vai recair sobre esse individuo.

  27. Amanda, Bruna, Chaine, Renato Says:

    A verdade do meu jornal

    Aos jornalistas sugerimos para melhor redigir a verdade ao jornal e seus respectivos leitores que diante de um acontecimento inédito, por exemplo, um acidente, a primeira notícia teria que relatar claramente os fatos ocorridos sem direcionar o culpado e a forma como que aconteceu o acidente já que não há provas completas e concretas contra o mesmo. Aconselhável o acompanhamento minucioso com a perícia e informações dadas pela polícia.
    Quanto mais confiável e séria a fonte, chegaremos mais próximo possível da verdade, para passar o ocorrido ao leitor.
    A verdade em forma de mensagem pode não ser reconhecida por todos, afinal todo nós vemos por uma ótica diferente. A verdade deve ser transmitida da maneira mais justa possível, incluindo ética em todos o meios da comunicação e informação.

  28. Amanda, Bruna, Chaine, Renato Says:

    A verdade do meu jornal

    Aos jornalistas sugerimos para melhor redigir a verdade ao jornal e seus respectivos leitores que diante de um acontecimento inédito, por exemplo, um acidente, a primeira notícia teria que relatar claramente os fatos ocorridos sem direcionar o culpado e a forma como que aconteceu o acidente já que não há provas completas e concretas contra o mesmo. Aconselhável o acompanhamento minucioso com a perícia e informações dadas pela polícia.
    Quanto mais confiável e séria a fonte, chegaremos mais próximo possível da verdade, para passar o ocorrido ao leitor.
    A verdade em forma de mensagem pode não ser reconhecida por todos, afinal todo nós vemos por uma ótica diferente. A verdade deve ser transmitida da maneira mais justa possível, incluindo ética em todos o meios da comunicação e informação.

    RADIO E TV NOTURNO 1° ANO 603E

  29. Thaís Gomes de Camargo Says:

    A verdade do meu jornal

    Para termos a verdade em nossos meios de comunicação, temos
    Sempre que apurar muito bem nossas fontes.
    Muitos jornalistas redigem seus textos com frases e títulos exagerados,
    Chamando a atenção dos seus leitores, gerando polêmica para que suas
    Matérias sejam comentadas diariamente.Porém um bom profissional da
    Área de comunicação preza a ética e a emoção de seus entrevistados, além
    De que o papel do jornalista é informar, levar o conhecimento às pessoas e
    Não opinar muitas das vezes pensando somente em si, e boa parte omitindo
    E inventando fatos.Podemos citar como exemplo o acidente aéreo da GOL
    Versus LEGACY , onde a veracidade dos fatos não foi concluída, mas a
    Imprensa de uma forma geral condenou os controladores de vôo e após
    Muito tempo foi comprovado que o transponder do LEGACY estava desligado.Essa é uma das contradições da mídia da informação, que buscam sempre na velocidade a venda de seu produto.

    Redigido por Thaís Camargo e Cláudio Ramos.

  30. Rafael Robson Says:

    Jornal da manhã radio jovem pan

    “Carro de luxo provoca acidente fatal na BR! 101”

    Uma Mercedes modelo C 200 compressor de placa tvs4115 causou um acidente gravíssimo envolvendo um caminhão e uma perua escolar na BR 101 uma das rodovias com maior índice de acidentes no Brasil, segundo o motorista do luxuoso carro, ele tentava ultrapassar a perua escolar mas no outro sentido vinha uma carreta carregada com soja,sem ver que vinha uma perua escolar,no desespero o caminhoneiro joga o caminhão para o outro lado da pista.
    Mas testemunhas que vieram ao carro de reportagem da radio jovem pan e informaram que a Mercedes veio em alta velocidade e tentou ultrapassar o caminhão, mas perdeu o controle do veiculo e acabou parando no meio da pista o caminhoneiro não teve o que fazer e freou o caminhão bruscamente impossibilitando o motorista da perua de realizar alguma manobra.
    5 crianças morreram e outras 8 ficaram feridas o motorista da Mercedes está bem e não estava alcoolizado o motorista do caminhão também não saiu ferido, mas o motorista está em estado considerado gravíssimo pelos médicos do hospital das clinicas.
    As crianças feridas foram levadas para os hospitais locais.
    A carga foi transferida para outro caminhão e levada para seu destino.

    Conclusão
    A noticia deve ser contada com todos os detalhes principalmente no caso da reportagem que era em uma emissora de grande porte como a radio jovem pan
    O repórter não poderia apenas contar o fato de uma Mercedes ter causado um grave acidente e sim provocar a imaginação do ouvinte no caso da matéria do repórter do texto ele contou sim o principal fato, mas não contou os detalhes e sim a noticia muito superficial
    E por ser uma reportagem de TV o repórter não deveria fazer isso e sim contar com clareza para o telespectador.

  31. Eduardo ''Babu'' e Renato "folha" Says:

    A verdade do meu jornal

    Um jornalista deve manter sua imparcialidade diante dos fatos, não se envolver com o acontecimento que ele terá que relatar. Se quiser ter uma boa repercussão não tornar a matéria sensacionalista.
    Temos que adquirir um bom nome, para o jornal, através da verdade. Mantendo a coerência e apuração minuciosa dos fatos.
    Uns bons títulos para matéria ajudam-na a ser importante, desde que o contexto da matéria não fuja e nem omita a verdade.
    Se um jornalista tem sempre que se lembrar que ele tem o poder da informação nas palavras que ele escreve e se não for um fato verídico podem-se causar conflitos de informação, seu nome (jornalista) e o do jornal podem ficar sujos no mercado.

  32. Alzenir Soares e Claudio Ramos Says:

    Deu no Jornal

    Uma grande quantidade de fatos podem levar a varias interpretações, que supostamente podem ser ou não verdade absoluta. Muitas vezes a representação formada não condiz com a informação veiculada, levando o individuo que absorve essa informação a uma opinião errônea dos fatos.
    Cabe ao jornalista cautela quando expor fatos à diversos tipos de pessoas com culturas diferentes, pois pode incorrer em erro.
    Podemos citar como exemplo quando uma informação que não tenha sua totalidade de dados que comprovem ser a verdade e passam ser uma mera especulação. A exemplo podemos citar o fato de um repórter noticiar um caso de estupro, que supostamente tenha sido cometido pelo pai da criança e no calor da matéria condena o mesmo pai sem dar-lhe o direito de defesa, ele fica sendo marcado pela sociedade como delituoso, sua dignidade e honra são abalados e depois de algum tempo a justiça o absolve prendendo o verdadeiro culpado, sem que esse ato lhe devolva sua dignidade que fora manchada por uma precipitação da imprensa.
    Por isso se faz necessária uma grande quantidade de fatos reais que possam formar a idéia verdadeira.

    Redigido por Alzenir Soares e Claudio Ramos

  33. Antônio Marcos Muniz Says:

    A verdade do meu jornal.

    O jornalista tem de apurar a verdade conversando com moradores próximos ao acidente, conversar com o máximo de pessoas envolvidas, avaliar o
    local se os destroços realmente conferem com o que dizem,confirmar com os profissionais que preservam o local, conversar com o resgate, pois é uma apuração
    mais sólida, confiável e detalhada. Coisa que o jornalista não fez omitindo o depoimento dos responsáveis pelo resgate.
    O profissional foi antiético devido ter tirado suas próprias conclusões com o único intuito de ser vantajoso para ele e para o enriquecimento do próprio jornal com isso provavelmente visando uma promoção futura. Visto que o termo polêmica é um requisito primordial para o Ibope..

    Redigido por: Antônio Marcos Muniz e William Sodré de Almeida

  34. Rogério Hojér - Vinicius [1ACSMRTV] - Fábio Assunção - Marco Aurélio - Bruno Raphael [1ACSMJO] Says:

    A verdade do meu Jornal
    Em um tempo em que a mídia impressa abusa daquilo que se deve ser dito, as verdades entre aspas, são as que mais convencem á algumas pessoas. Porém, fazer este tipo de procedimento, não somente é enganar as pessoas, muito menos á nós, que dirigimos este jornal. É enganar á vocês mesmos. Por este motivo, peço aos senhores que trabalhem sempre com seriedade.
    Observe os fatos, apure, conheça suas fontes de informação pois, enganar faz parte da total falta de caráter do ser humano.Se você desconfia da fonte que noticia o fato, hesite em falar com ela. Ou pelo menos, pense várias vezes antes disso. Seja pró-ativo.

  35. Alunos USJT Says:

    A verdade do meu jornal

    Levando em consideração que ao abrir um jornal o leitor acredita que nós podemos levá-lo o mais próximo possível da verdade de uma notícia, gostaria de atentá-lo para que esgote todos os meios de apuração dos fatos.
    Seja imparcial com as diversas realidades que estarão diante dos seus olhos, com todas as versões que chegarão aos seus ouvidos. Saiba que a emoção das pessoas afetadas direta ou indiretamente no fato ocorrido, faz com que elas tenham a certeza de que podem fazer chegar até você os detalhes esmiuçados de uma verdade delas, mas que pode não ser a verdade lida pelos olhos de outros, até mesmo da sua. Seja empático, portanto, não busque culpados. A verdade se esconde por trás dos olhos de quem a vê. Apenas transcreva a notícia para que todos os nossos leitores tenham uma visão verdadeira do acontecimento.

    ————–
    Eliana Natividade
    Elaine Francisco
    Bruna Rodrigues
    Fabiana Cavalcante
    Gabriel
    Mariana Bernardo
    Tássita da Mata

  36. Gustavo Says:

    Hoje em dia em devido ao capitalismo ainda não avançamos o suficiente para melhorar a situação da Terra em relação a reciclagem, falta apoio dos políticos e pouco divulgado na impresa, e ter mais colaboração da pupulação em relação a carros, indústrias, pilhas, baterias, lixo, poluir rios, mares,etc a Terra preciasa de ajuda. Há pesquisas que a cada dia as geleiras estão derretendo mais rápido , desmatando mais árvores, cada vez mais enchentes, furacões, o mundo está responde que o homem fez na Terra no século 20 querendo ser mais inteligente e prático e ao mesmo tempo mais destrutivo e egoistas e não pensando no futuro. Mas também devemos pensar em parar as guerras, diminuir a violência, assasinatos, etc, porque destruir o mundo não é só destruir as selvas mas também as pessoas não respeitando uma as outras.

  37. Maria Angélica Says:

    Atualmente parece que as pessoas adoram ouvir, assistir e ler tragédias, mas realmente a imprensa apresenta o que obterá mais ibope, visando o seu lado, seu nome, sem se interessar pela verdade dos fatos e sim no que o publico irá gostar e se interesssar.
    Acredito que isso só existe porque as pessoas também se interessam por essas reportagens, talvez se buscassem a verdade, a imprensa apresentaria a verdade de muitos fatos que ocorrem.
    4 ano Pedagogia USJT.

  38. jarbas Says:

    Aos meus alunos,

    Preparei este post para uma conversa com meus alunos de Comunicações sobre a questão da verdade. Infelizmente não posso dar atenção especial a cada comentário feito. Vou apenas fazer uma consideração geral sobre os textos que aqui aparecem.

    Em quase todos os comentários fica clara a necessidade da VERIFICAÇÃO dos fatos. Interessante. Verificar significa buscar a verdade. Vem de veritas, do latim, que nada mais é que verdade em português. Até aquela expressão popular, “vou verificar”, tem a ver busca da verdade. Em jornalismo, é claro, VERIFICAR é necessário. Notícia pouco verificada pode resultar em engano, em informação errada. Bons jornalistas VERIFICAM, buscam a verdade. Por isso, saber um pouco mais sobre conhecimento e verdade dentro do guarda-chuva maior da filosofia pode ser uma boa para estudantes de comunicação. É provável que um entendimento mais amplo do que é epistemologia ajude profissionais de comunicação a VERIFICAR.

    Em muitos comentários, meus estudantes apontam a necessidade de promover verdade na notícia, deixando de lado interesses de ganhar público, conquistar leitores por meio de exageros ou de afirmações que não resultaram de verificação cuidadosa. Há aqui um problema. Em Comunicações predomina cada vez mais o espetáculo. Em vez de fatos, coisas que divertem, que chamam a atenção, que correspondem a sonhos dos leitores, ouvintes ou espectadores. Aqui está um ponto importante: saber bem o que é notícia e o que é espetáculo. A área de Comunicação deve promover a primeira. Deve mesmo? Muita coisa mudou nos meios de comunicação. Como ficam os profissionais? Será que ainda dá para preocupar-se com a verdade, mesmo num ambiente de espetáculo?

    Em muitos textos, meus alunos propõem formas diferentes de verificação, de checar a verdade dos fatos. Legal isso. Não há um só caminho. O que há sempre é uma preocupação de dizer a verdade.

    Em alguns comentários percebi aplicações do texto O Conhecimento, de Comte-Sponville. Muitos alunos comentaram a impossibilidade de uma verdade total, mas destacaram que é preciso trabalhar por aproximações. Esta é uma das afirmações importantes do filósofo. Há verdade. Nunca vamos alcançá-la totalmente. Há muitas armadilhas no caminho. Mas é possível ir chegando perto da verdade. VERIFICAÇÃO é boa para isso…

    Em diversos comentários aparecem sugestões de que a questão da verdade na imprensa sugere alguns pares que podem nos levar a refletir. Destaco aqui alguns destes pares que encontrei nas redações de meus alunos:

    VERDADE X VERSÃO

    NOTÍCIA X ENTRETENIMENTO

    VERDADE X EXPECTATIVA DOS LEITORES

    VERDADE X INTERESSES ECONÔMICOS DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

    IMPRENSA INVESTIGATIVA X “FURO JORNALÍSTICO”

    E por aí vai. A verdade tem muitos concorrentes nas comunicações.

    Do ponto de vista das correntes filosóficas, boa parte das redações caminha na direção do relativismo, afirmando que há muitas verdades e até que há tantas verdades quantas são as pessoas que falam dos fatos. Eu esperava por isso. O relativismo tem pouca consistência, mas é o pensamento que predomina em nosso mundo. Mudar isso custa muito. Espero que o estudo da filosofia nos ajude em tal caminho.

    Sou professor e não poderia deixar passar uma observação sobre forma. Em muitas redações há certos tropeços de redação. Normal. Escrever com correção exige certa prática e muito exercício. Meus alunos estão começando. Espero que melhorem muito os seus textos até o final do ano. E eles são gente de coragem. Vieram aqui a público dizer sua palavra. Espero que outros leitores vejam as virtudes de tal disposição em opinar, participar, buscar, mesmo que de vez em quando escape alguma coisa que não seria aprovada por professores de redação. Obrigado por sua disposição, meninas e meninos. Abraço grande, Jarbas.

  39. Bárbara RTV Says:

    A verdade do meu jornal

    Para nos recorrermos a uma verdade, devemos analisá-la de forma que os fatos possam ser os óbvios, mas se não optarmos pela a verdade, os leitores terão seu conhecimento sobre o assunto meio vasto, por acreditarem que tudo o que leiam seja verdade, ou até mesmo algo que não venha ocorrer.
    Para uma matéria, devemos optar pelo número de pessoas que mais disse a mesma coisa e/ou parecida e que saibam de provas, evidências e maneiras de provar o que realmente possa ter ocorrido de fato. Por fim, temos que pensar também no que possa vir a dar IBOPE, mais ao mesmo tempo se preocupando com o real da história, ou aquela que mais possa ser perto do que realmente aconteceu no lugar em que houve o acidente.

  40. Cesar Says:

    A verdade do meu jornal
    A função dos jornalistas é noticiar os fatos para o público, não as “verdades”. Devem contar o que aconteceu, e deixar a análise para os leitores. Entretanto, muitos de nossos jornalistas – se não todos – aumentam alguns fatos e diminuem outros, fazendo o que for possível para tornar a notícia o mais impactante possível, para vender mais jornais. Não cremos que seja tão prejudicial simplesmente relatar o que de fato aconteceu. Na chamada da matéria, devemos dizer o resultado, a conseqüência de determinada ação. Seu curso, a sucessão de acontecimentos, devem ser descritos no decorrer da matéria, de forma clara, precisa e direta, para que o público tenha condições de formar sua própria opinião, sua própria visão do ocorrido, sem ser, ainda que indiretamente, influenciado pelos jornais.

  41. Amanda,Gabriela,Letícia,Débora Says:

    A verdade do meu jornal

    Minha sugestão aos jornalistas é propor ao devido conhecimento, com respeito à verdade daquele acontecimento.
    Se as situações, por menos amenas que forem, devem seguir com o único padrão de respeitar a verdade garantindo a sinceridade dos fatos que compões a notícia.As notícias podem causar transtornos para aqueles caso for emitido idéias que desrespeitem suas atitudes.
    As fontes complexas,ou caso houver testemunhas,devem ser ouvidos aqueles que realmente presenciaram o incidente,profissionais que atenderam e etc.
    A proporção que será noticiado nos veículos mantém um nível realista e difunde a realidade,se destacando em comparação àqueles que a colocam de maneira prejudicial aos envolvidos no caso.Obviamente é essencial o uso de propaganda sendo forçada na notícia, para que chamem a atenção dos leitores.Nem por isso deixemos te manter a dignidade para que seja em texto justo e comunicativo,ou seja sempre usar a verdade.

  42. Rafael Cerquetani Says:

    A verdade do meu jornal.

    É preciso ter fontes. Fontes confiáveis e mais do que isso, testemunhas visuais. Assim como muitas pessoas podem falar várias coisas diferentes, é preciso reunir os fatos. Aumentar os fatos por questão de ibope é uma coisa muito feita hoje em dia, já que é preciso chamar a atenção para ser visto ou notado, seja uma notícia, uma imagem ou até mesmo as pessoas, no dia-a-dia.
    Um repórter estará lá pra capturar tudo o que for dito a ele, para tentar dar o melhor de si como repórter, tendo como conclusão uma melhor matéria. Entra novamente o caso do “ibope” neste caso já que, o que chamar mais a atenção, fará disso uma melhor matéria. Um bom jornalista deve aprender a lidar com preconceitos e com a verdade acima de tudo e estará assim sendo digno com ele mesmo, sem deixar a mídia falar mais alto. Sem desrespeitar a própria verdade. Um bom jornal não publicaria a verdade deles, e sim a verdade de todos.

  43. Raphaella sad PP Says:

    A verdade do meu jornal

    A base de uma reportagem é nada mais que um fato.
    Para que o processo da verdade seja repassado aos leitores, os jornalistas precisam fazer uma análise sobre o assunto focado e verificar a veridicidade do ocorrido, buscar fontes seguras para que a notícia seja clara e entendida.
    Uma noticia deve seguir uma linha de interpretação na qual são colhidas diversas informações de varias pessoas diferentes que relatam a mesma historia e nesse momento cabe ao jornalista filtrá-las e julgá-las de uma forma imparcial o que é verídico e o que foi omitido, é preciso observar minuciosamente todos os lados dessas informações e ao ouvir suas fontes levar em consideração todas as emoções que podem levar uma pessoa a exagerar no que contou.
    O certo é que se deve manter a ética, sem se importar em vender a noticia, mas sim repassá-la aos leitores e garantir que cada um tenha sua interpretação compreendendo a veracidade dos fatos.

  44. Bruno / Édi Says:

    A verdade do meu jornal

    Existem três verdades: a verdade factual, a verdade que gera lucros, e a verdade de cada um, que seria o ponto de vista pessoal. Dessas três citadas, a que se costuma ser usada é a verdade que gera o maior lucro, que dá IBOPE. O jornal não se direciona para só uma pessoa ou classe social, o jornal é do povo. Então seria fácil omitir fatos para agradar e chamar atenção de quem o compra. Nesse caso, o jornalista não está fazendo o que ele realmente deveria fazer, que seria buscar até o fim, a verdade factual. E isso pesa na qualidade do jornal. Mostrar a notícia sem prevalecer ninguém, mostrar o que realmente aconteceu, e ser imparcial ao máximo possível são coisas que o bom jornalista deve fazer e ter em mente.

  45. Leticia Alves, Amanda Gomes, Debora Neri, Gabriela Almeida. Says:

    A verdade do meu jornal

    Pensar em como relatar uma noticia é algo de extrema importância e dificuldade para um redator, no meu caso, antes de colocar uma noticia em meu jornal, é preciso correr e pesquisar profundamente sobre tal acontecimento, passar uma noticia errada pode acabar gerando um grande transtorno não só para mim ou para o nome de minha empresa, mas para muitas pessoas que acreditam naquilo que lêem.
    Relatar fatos que realmente aconteceram é uma tarefa muito complicada para qualquer pessoa, escrever sobre algo que você não presenciou pode se tornar uma tarefa muito mais difícil do que muitos pensam. Acreditar nos depoimentos relatados é quase a mesma coisa que ler varias matérias, pois são vários depoimentos diferentes, é como ler vários jornais com a matéria de mesmo tema, porém de diferentes pontos de vistas. Um bom redator precisa analisar todos os fatos e escrever sobre aquilo que acredita ser o mais coerente, não o que possa chamar mais atenção por ser algo extraordinário, ele precisa contar a verdade, pois os leitores acreditaram fielmente em suas palavras.
    Posso dizer então, que meu jornal, não é uma ‘revista de fofoca’ ou algo do mesmo gênero, é um jornal onde informar e noticiar as pessoas dos fatos ocorridos é prioridade máxima ter como padrão usar sempre a sinceridade.

  46. Renan Claudino Villalon Says:

    A verdade do meu jornal:

    A busca pela verdade é de certa forma, complicada, por quê? Exatamente porque muitas vezes a verdade é relativa, entendendo-se assim que, a partir de uma informação pode-se retratar vários pontos de vista, o fato do jornalista, da pessoa que recebe primeiramente a informação com base em depoimentos relatados pelas pessoas que presenciaram o acontecimento, partirá dele e somente dele o entendimento dos demais depoimentos, fazendo assim uma síntese, procurando a junção dos fatos constatados como uma espécie de quebra-cabeças em que algumas peças não é da mesma imagem… Como assim? Exatamente pelo fato de que alguns depoimentos não cabem a trazer a verdade absoluta do acontecimento, e sim apenas o que a pessoa teve como impressão própria do ocorrido, podendo assim destorcer informações verdadeiras, ou mesmo, subentendê-las de forma errônea. Portanto, o correto jornalista deve buscar informações de forma que elas complementem-se e formem uma matéria completa em todos os fatos, procurando obviamente a verdade absoluta, e buscando, na medida do possível, ser o mais imparcial possível e representável para a sociedade.

    Renan => 1ACSMPP
    Gustavo
    Felipe
    Saara
    Evelyn => !ACSMRT

  47. Danilo Vaz Says:

    A verdade Do Meu Jornal.

    Senhores da comunicação, atualmente estamos sofrendo uma grande perda de noticia real, alguns buscando reconhecimento, outros apenas a venda de seu material (ibope), e acaba deixando de lado a ética profissional, lançando ao publico noticias com conteúdo enganoso, fazendo os nossos leitores acreditarem em algo inexistente, quando o que mais queremos é ter a credibilidade destes.
    Para que a imagem da nossa profissão não fique “manchada”, vamos fazer conforme aprendemos durante todos os dias letivos de aprendizado no nosso curso de comunicação. Vamos manter a ética em primeiro lugar, lembre-se um “furo” enganoso nem sempre tem sabor de mel, e um “furo” real, trás ao profissional, reconhecimento e mérito, pelo seu esforço e verdade, de transmitir aos leitores uma noticia confiável.

  48. Raphaella sad PP Says:

    A verdade do meu jornal
    A base de uma reportagem é nada mais que um fato.
    Para que o processo da verdade seja repassado aos leitores, os jornalistas precisam fazer uma análise sobre o assunto focado e verificar a veridicidade do ocorrido, buscar fontes seguras para que a notícia seja clara e entendida.
    Uma noticia deve seguir uma linha de interpretação na qual são colhidas diversas informações de varias pessoas diferentes que relatam a mesma historia e nesse momento cabe ao jornalista filtrá-las e julgá-las de uma forma imparcial o que é verídico e o que foi omitido, é preciso observar minuciosamente todos os lados dessas informações e ao ouvir suas fontes levar em consideração todas as emoções que podem levar uma pessoa a exagerar no que contou.
    O certo é que se deve manter a ética, sem se importar em vender a noticia, mas sim repassá-la aos leitores e garantir que cada um tenha sua interpretação compreendendo a veracidade dos fatos.

  49. Amanda/Gabriela/Leticia/Debora Says:

    A verdade do meu jornal.

    A minha sugestão para garantir a verdade nos jornais é que as pessoas antes de publicarem qualquer reportagem, elas fossem atrás para saber o que realmente aconteceu. Correr atrás de vitimas ou testemunhas que possam de alguma maneira ajudar na reportagem e falarem o que aconteceu e o viram. Os jornalistas precisam conseguir o máximo de pessoas possíveis, ouvir separadamente cada um, para que no final da matéria eles possam ser juntados. Devem se basear em depoimentos concretos e não naqueles em que as pessoas não têm muita certeza do que aconteceu e dizem: “ eu acho que acontece isso…”, precisam procurar não só depoimento das pessoas, mas também fotos ou vídeos que alguém possa ter feito na hora do acontecimento.

  50. Igor Says:

    A verdade do meu jornal.
    O repórter deve obter informações e verificar a autenticidade de tal fato com participantes da ação e até testemunhas oculares, fotos, entrevistas…
    A ética deve predominar e sem que haja notícias sem veracidade uma vez que o fato não ocorreu não será publicado ou considerado.
    As ocorrências devem ser noticiadas com ética, transparência e imparcialidade.
    O jornalista que estiver fazendo a cobertura deverá interligar fatos e interpretar, porém, sem exageros como alguns setores da imprensa fazem.
    Um jornal tem a obrigatoriedade de informar por isso não pode haver a distorção da notícia por isso terá que fazer entrevistas com várias pessoas que realmente participaram do fato
    O mesmo tem o dever de chamar a atenção na sua chamada, manchete entre outros.
    Alguns focos conforme a notícia deverão ser estabelecidos, para que a matéria não fique cansativa e sim rápida e eficaz.
    O método pode variar de profissional para profissional, mas terá que seguir os pedidos anteriores.
    Igor Rocha Machado.

  51. Wellington E. J. dos Santos Says:

    A verdade do meu Jornal

    Para fazer uma boa e verdadeira matéria jornalística, é necessário que o repórter obtenha o máximo de informações possíveis a respeito do assunto, fotos, depoimentos de diferentes pessoas com diferentes pontos de vista, observação do cenário onde se ocorreu o fato, etc.
    Juntando as informações obtidas o repórter deve fazer um estudo a respeito do assunto, e verificar se existe alguma coerência nas informações.
    Existindo essa coerência o repórter deve partir para a criação da matéria fazendo essa comparação com os dados científicos ou policias caso haja. Tendo a certeza de que todas as informações batem deve-se concluir a matéria, mesmo que muitas empresas hoje em dia não priorizem mais esses valores, pensando apenas em lucros e não em fatos verdadeiramente importantes, a verdade deve ser passada ao publico de maneira transparente, sem nenhuma parcialidade ou favorecimento.

    Wellington E. J. dos Santos (P.P.)

  52. Igor Says:

    A verdade do meu jornal.
    O repórter deve obter informações e verificar a autenticidade de tal fato com participantes da ação e até testemunhas oculares, fotos, entrevistas…
    A ética deve predominar e sem que haja notícias sem veracidade uma vez que o fato não ocorreu não será publicado ou considerado.
    As ocorrências devem ser noticiadas com ética, transparência e imparcialidade.
    O jornalista que estiver fazendo a cobertura deverá interligar fatos e interpretar, porém, sem exageros como alguns setores da imprensa fazem.
    Um jornal tem a obrigatoriedade de informar por isso não pode haver a distorção da notícia por isso terá que fazer entrevistas com várias pessoas que realmente participaram do fato
    O mesmo tem o dever de chamar a atenção na sua chamada, manchete entre outros.
    Alguns focos conforme a notícia deverão ser estabelecidos, para que a matéria não fique cansativa e sim rápida e eficaz.
    O método pode variar de profissional para profissional, mas terá que seguir os pedidos anteriores.
    Igor Rocha Machado.

    Jo

  53. Bárbara Campachi, Graziella Vignardi, Kátia Capiroli e Láis Bandeira Says:

    A verdade do meu jornal

    Não se pode dizer que tudo o que lemos nos jornais é verdade ou mentira, é uma visão baseada na interpretação de quem escreveu o texto. O Jornalista não é totalmente imparcial no que escreve. Se baseia em informações, depoimentos, análises, absorvendo tudo o que foi analisado para assim chegar a uma conclusão sobre notícia. A “verdade” muitas vezes passa a ser apenas um objeto da mídia, tendo em vista usar essa tal verdade para chamar a atenção e obter ibope se aproveitando de uma situação. Muitas vezes a verdade para um não é a mesma para outro, portanto deve-se ter muito cuidado e atenção ao escrever e publicar um texto.

  54. Henrique Campos e Milton Mamani Says:

    A Verdade do meu jornal

    No jornalismo, a verdade pode interpretada de maneiras diferentes, influenciando as pessoas de maneira positiva ou negativa, é, portanto, importante para o jornalista procurar ter o máximo de imparcialidade para procurar não distorcer a verdade, para proporcionar ao leitor a sua própria opinião.
    Para conseguir uma matéria precisa sem induzir a opinião do leitor, é, primeiramente, necessário que o jornalista averigue todos os fatos ocorridos, discernindo o que realmente aconteceu, o verídico, do incorreto.
    È grande responsabilidade de o jornalista ter cuidado com a informação divulgada, pois com um mínimo detalhe esquecido, ou informação mal averiguada pode distorcer os fatos e provocar, além da perda de credibilidade do veículo onde o jornalista atua, como também a sua própria. A notícia, de uma maneira ou outra, influencia diretamente o leitor, portanto é necessária cautela e cuidado, nem sempre divulgar a noticia em primeira mão é sinal de qualidade jornalística, o melhor é procurar publicar o fato que realmente aconteceu, pois casos como o “Base Escola” podem destruir a reputação do jornalista e do jornal, além da vida das pessoas envolvidas.

  55. Carolina Gasparini 1ACSMJO Says:

    A verdade no meu jornal

    Verdade é um termo muito relativo. Há pessoas que acreditam fielmente em algo publicado ou mostrado na televisão, só por estar na mídia, e há também aqueles poucos que procuram, pesquisam antes de afirmar algo ou de acreditar em uma informação. Qual dos dois fala a verdade? Provavelmente quem pesquisou, estudou e procurou. Mas quem só viu na mídia também pode divulgar a verdade.
    Acho inadmissível um jornalista se basear em hipóteses ou poucos testemunhos contraditórios para escrever uma matéria. Um jornalista é um formador de opinião e como tal deve prezar sempre a veracidade das informações divulgadas por ele. Deve pesquisar entrevistar, questionar, procurar até encontrar o fato real e, sempre que possível, descobrir e estudar os dois lados da história, e não ficar imaginando o que aconteceu só para ter uma matéria que chame mais atenção e venda mais. A mídia hoje parece se importar só com lucro e audiência, e esquece o seu papel fundamental e primordial: informar e facilitar a comunicação.

  56. Rafaela Alencar, Rafael Rodrigues, Thamires Capella Says:

    A verdade do meu jornal

    Desde o principio de tudo, cada detalhe faz a diferença. Em torno disto podemos citar, a importância da verdade nos meios de comunicação. É comum vermos a mesma situação de diversos ângulos, e o obvio muitas vezes não está ao nosso alcance.
    Nessa caso a verdade, não está apenas dentro de cada um, e muito menos em livros. A verdade pode ser vista de maneiras diferentes. A verdade deixou de ser prioridade na mídia e por conta disso, os leitores acabam se centrando em fatos incertos. A busca da verdade se tornou uma regra, e não apenas um detalhe.
    A sua importância tem sido fundamental para conclusão e concretização de informações, sendo assim a verdade está ligada a informação, e a comunicação é sua melhor amiga!

  57. Laís Chagas da Costa (1ACSMJO) Says:

    A verdade do meu jornal

    A verdade pode ser vista de várias maneiras. O relato de pessoas que estavam na hora do acidente são diferentes, e a partir disso começa um critério para saber quem está falando realmente a verdade. O conteúdo da notícia não pode só ter base em relatos de testemunhas que viram o ocorrido. Deve-se ir atrás de informações que podemos garantir que são seguras, como dados da polícia ou de algum órgão que esteja investigando o que aconteceu.
    É importante colocar as duas versões encontradas para a história, caso não consiga descobrir o que realmente aconteceu, assim não favorecendo nenhuma das versões, apenas apresentando os fatos. A partir da leitura das duas versões da história, o leitor pode ter sua opinião diante do que aconteceu e acreditar em alguma das versões da história, ou ter um outro pensamento do que pode ter acontecido.

  58. Jéssica e Giulia (PP universidade São Judas -Mooca) Says:

    A verdade do meu jornal

    A verdade pode ser interpretada de várias formas cabe ao jornalista e ao leitor interpretar do seu modo,mas é importante que sejamos imparciais quanto ao modo de transmitir a notícia ao mesmo tempo que temos ciência de que a notícia influencia o público leitor.
    Muitos jornalistas fazem isso de uso manipulatório, fazendo com que alguns leitores que não possuem opinião formada passem a visualizar a situação do modo desejado pelo redator.A verdade nunca é certa, pois existem várias formas de opiniões e pensamentos.O que é real para uma pessoa pode não ser para outra e vice-versa,cada um vê a verdade a seu modo e sua necessidade.
    Assim cada um enxerga uma verdade não sendo necessariamente a correta,mas do modo que o interessa ou a notícia o envolve,tendo ou não uma opinião formada pelo assunto.

    Giulia Potomati
    Jéssica Costa Novaes

  59. Fabiane Picholari Says:

    A verdade do meu jornal.

    Quando existe um caso aonde não temos provas concretas, não devemos tomar partido nenhum. Apenas recolher tudo possível de provas e fazer o texto referente ao caso, num texto simples e completo, mostrando principalmente o lado do acusado e do acusador. Mesmo tendo testemunhas, os depoimentos mais importantes são das pessoas que estão envolvidas diretamente. Pois dependendo da gravidade do assunto tanto o acusado quanto o acusador tem de mentir para se sair superficial ou simplesmente para que a culpa caia pra outra pessoa.
    Colocando a mostra todos os lados da situação o leitor tem a chance de interpretar do jeito que ele quiser, sem que nossa matéria interfira no seu modo de pensar.

    Fabiane Picholari Martins – PP
    1° ano – Matutino

  60. Giselle Ribeiro de Souza Primo 1º ACSJO Says:

    A verdade do meu jornal

    Em um jornal podemos ter a opção de escolha do que queremos ou não ler, uma notícia, parte de entreterimento, etc. Mas o que não possuímos é uma bola de cristal para adivinharmos se aquela determinada matéria segue as regras básicas de ética para que se possa obter total veracidade e não gerar aquela pergunta: Será que é verdade?! Os jornalistas vão à procura de fatos que a sociedade está a fim de ler em um jornal, mas o problema é que esse fato pode ser facilmente mudado e contado de outra forma, pois querendo ou não o jornalista acaba colocando a sua opinião.
    O jornalista deve analisar melhor os fatos, pois ele está ali para informar a população e informar, no meu ponto de vista, não significa “ florear” a matéria e sim dizer exatamente o que aconteceu de uma forma sucinta.

  61. Débora/Leticia/Amanda/Gabriela! Says:

    A Verdade no meu Jornal.

    Muitos jornais estão preocupados em em vender a notícia, mesmo que esta não seja a verdade,pois matérias onde a tragédia é o foco principal vendem!
    Como no texto “Carro de luxo provoca acidente fatal na Br” onde está a verdade nessa matéria?Foi mesmo a Mercedes que provocou o acidente?A perua escolar, ou o caminhão?
    O jornalista não deveria procurar culpados, já que os depoimentos foram contraditórios,deveria sim contar o que ocorreu,e a partir das investigações da polícia e dos profissionais que assistiram o acidente.
    Os jornalistas devem ater-se aos fatos,expor aos leitores a verdade, sem aumentar a notícia.Usufruir de fontes confiáveis, investigar a fundo como as coisas realmente aconteceram e ser imparcial, expor todos os lados para que assim o leitor possa tirar suas próprias conclusões!
    Essa é a verdade que deve veicular no meu jornal.

  62. Katia Ortega Says:

    A verdade do meu jornal

    A verdade é uma busca incessante a nós, seres humanos. Entretanto, somos todos diferentes, logo pensamos diferente uns dos outros. Com o passar do tempo, o jornal virou a verdade do nosso cotidiano, por isso, muitas vezes somos persuadidos pelo conteúdo da matéria.
    Para obter a verdade, um jornalista deve ir em busca de mais fontes possíveis, para que possa chegar a um resultado mais exato do fato ocorrido. É inevitável cometer erros, mas neste caso, o jornalista tem uma responsabilidade muito grande, porque a maioria dos leitores toma o “jornal” como uma fonte segura de informações.
    Agora, no papel de leitor, devemos procurar obter um pouco mais de informações, para que possamos obter a nossa própria conclusão, já que cada um também pensa de um modo único.

    Carolina Alves do Nascimento (Publicidade e Propaganda)
    Carolina Novaes Peres (Jornalismo)
    Ingrid Koga (Rádio TV)
    Janaína Ribeiro (Jornalismo)
    Katia Ortega (Publicidade e Propaganda)

  63. Adrien Says:

    A Verdade Do Meu Jornal

    Somos formadores de opinião. Cabe a nós apurar os acontecimentos, os fatos, depoimentos e julgamentos das pessoas envolvidas. (Testemunhas, possíveis vítimas, profissionais, etc.)
    Observar bem o cenário do acontecimento, apurar por nós mesmo até onde cada depoimento, cada opinião é verdadeira. Pensar por nós mesmos até onde a verdade pode ser obtida e mostrada, até onde nossa imparcialidade pode chegar e não deixar que nossa própria opinião interfira no julgamento do público que vai receber a notícia. Título, subtítulo, matéria faz parte do que somos e o que fazemos. Somos formadores de opinião, mas não donos da verdade, ela está sempre do nosso lado, mas quem irá absorvê-la, quem irá de fato dizer que é verdade é o publico.
    Nossa opinião não é a verdade, é simplesmente nossa opinião.

  64. Rafael Says:

    A VERDADE DO MEU JORNAL

    Para se obter matérias com um fundo de verdade seguro, o repórter ou o redator, deve estar atento a todos os acontecimentos, apurar os depoimentos de testemunhas e só então começar a redigir a matéria. Para que ela possa ser “confiável”, os fatos devem ser apurados com a maior cautela possível, para que o repórter não seja influenciado por nenhum dos lados e no final reflita sobre o ocorrido e ao redigir a matéria, é de extrema importância a citação das fontes para que não dê a entender que é o próprio repórter que está dando sua opinião. Ao terminar a apuração dos fatos e a redação da matéria, ele deve criar um título baseado nos relatos das testemunhas e ressaltar o fato principal que aconteceu. Vale lembrar que a credibilidade não só do repórter como do veículo que ele representa está em jogo.

    Rafael Regis – JO

  65. Jessica Neves Says:

    É VERDADE, DEU NO JORNAL

    A verdade pode ser abordada do ponto de vista do senso comum de cada ser, mas, obviamente, que este meio de adquirir a verdade não tem base tão confiável. Para se ter hipóteses ou tendências voltadas para a verdade científica, por exemplo, existe uma estrutura básica a se seguir, por base de observação dos fatos, experimentação, etc., ou seja, seguindo uma lógica.
    O texto de informação jornalística tem uma estrutura a ser trilhada em busca do caminho da verdade que o profissional deseja adquirir ou abordar de acordo com o ponto de vista ou ângulo que queira abordar sendo coerente com noções do tipo, o público alvo e outros critérios que envolvem um texto informativo.
    Assim, o escritor expressa no texto uma parte de sua verdade ou identidade, mesmo ele sendo o mais imparcial possível e de certa forma influenciando na opinião de quem lê.

    Ana Luiza Lacerda
    Jessica Neves
    Lívia Prata
    1ACSMRTV

  66. Kleiton C. Ribeiro de Oliveira Says:

    A verdade do meu jornal.

    Na cena do acidente foram colhidas informações que não batiam umas com as outras.
    Talvez por que alguns não tenham realmente testemunhado o ocorrido. Sugiro analisar com cuidado cada uma delas, compará-las, para que se verifique se há inconsistências nos depoimentos. Além disso, perguntar novamente para essas mesmas testemunhas o mesmo fato , afim de verificar se o acontecimento não prejudicou suas capacidades de interpretação. Esses métodos ajudariam a deixar essa descrição o mais próximo do fato ocorrido, já que a verdade do meu jornal seria relativa, pois outros jornais, se cobrirem o mesmo ocorrido, colocariam suas versões dos fatos, mesmo sem intenção.

  67. Patricia e Flávio Says:

    A verdade do meu jornal

    Após o real conhecimento dos fatos através das entrevistas com as testemunhas encontradas no local da notícia, deve-se relacionar e identificar os pontos em comum dos depoimentos obtidos, assim filtrando o principal acontecimento, que sendo esse o ACIDENTE.
    A matéria deve seguir o foco de relatar os principais envolvidos e a gravidade do fato, sendo assim tendo na notícia os carros envolvidos, quantidade de vítima e a repercussão do fato na rotina do dia-a-dia.
    Manipular a matéria para interessar mais o leitor, mesmo tendo sucesso, não é o nosso objetivo. Um jornal tem a finalidade de transmitir a verdade independentemente do quanto ela seja interessante ou não ao leitor.
    Sendo assim, nosso jornal tem por tradição colher os fatos e apenas redigir a verdade ao leitor.

    Curso: Comunicação Social: Publicidade e Propaganda.
    Universidade São Judas Tadeu

  68. Afonso (USJT - Butantã - JO) Says:

    A verdade do meu jornal.

    Verificar quem está certo em um acidente é uma tarefa difícil , principalmente quando se apresentam vitimas e testemunhas , todos podem ter versões diferentes , dependendo do ângulo em que ela se encontrava na hora do acidente.
    Primeiramente será sugerido ao jornalista que esta de frente aos fatos , ouvir e relatar o Maximo de pessoas possíveis , e ser o mais parcial possível ao relatar os dados finais , por que você estará passando uma informação para milhares de pessoas que tem como função pensar sobre o assunto , e um erro , ou o fato mal explicado irá acarretar em uma serie de problemas intermináveis , e conseqüentemente vai gerar revoltas tanto da população , dependendo do que você relatou , e concerteza uma brusca chamada de seus superiores .
    Atenção , cautela , parcialidade e uma boa observação é de fundamental importância para a sua matéria , não se esqueça disso !

  69. Gustavo e Renato Says:

    A VERDADE DO MEU JORNAL

    O jornal é um meio de informa a população sobre o que ocorre no país e no mundo então a o nosso jornal busca sempre apura a verdade para trazer ao leitor o fato verídico, sendo sempre imparcial a noticia.
    Sempre aliando o ibope com a verdade visando sempre a buscar o que de fato ocorreu.
    No caso do acidente sempre devemos tomar cuidado ao publicar algo que possa prejudicar a imagem de pessoas que no caso foi envolvidas do acidente ou supostos inocentes, pois prejudicaria a pessoa e conseqüentemente o jornal e o jornalista.
    Um jornal digno é o que busca trazer a realidade do cotidiano e trazer a informação mais completa ao publico.
    Confie na comunicação do nosso jornal, nos estamos ao lado da verdade!

  70. Carla Sacrato Says:

    A verdade do meu jornal.

    Como descobrir a verdade? Como ser imparcial e não deixar ser levado pelos seus pré-conceitos? Eis a questão que muitas pessoas entram em conflito diariamente.
    Jornalistas são vitimas dessas duvidas sempre que são colocados frente à um fato. E como fazer?
    Nos dias de hoje somos muito automáticos, julgamos imediatamente e esquecemos de princípios básicos, e esse é o problema na hora de fazer uma apuração.
    A apuração necessita ser feita, mas a verdade sempre tem dois lados, e quando nos vimos diante de varias opiniões devemos mostrar ambos os lados.
    A função do jornalista não é mostrar uma verdade incontestável e sim mostrar os fatos e deixares as pessoas escolherem o que para ela é certo.
    Cada um tem uma visão, e já dizia o ditado: gosto não se discute…
    Nem sempre vamos acertar, errar é humano, o que temos que fazer é minimizar o erro, não se pode divulgar uma noticia sem pesar as consequências.
    Isso que deve ser levado em conta, a dimensão que isso terá na vida das pessoas. Siga a ética, seus princípios, e algumas vezes a intuição e a chance de errar será mínima.

    1LCSMJO

  71. Nathália Says:

    A verdade do meu jornal.

    A verdade é algo universal. Não é ético publicar opiniões, falta de certezas. É preciso ser coerente ao publicar alguma matéria, para ser um bom jornalista.
    Inventar ou enxergar algo que não existe só para vender mais exemplares não é a melhor forma de fazer jornalismo. O jornalismo acima de tudo tem uma função social, informar as pessoas, deixando-as livres para tirar suas próprias conclusões.
    É preciso informar sim, mas não informar com o objetivo de deixar as pessoas mais ‘ignorantes’, pois não deixar um indivíduo ter a sua interpretação, a sua visão de determinada notícia e torná-lo ‘ignorante’, pois ele não tem acesso a uma informação e sim a uma opinião. Não induzir o leitor a pensar da mesma forma que você é o mais importante, é preciso estimular a reflexão sobre determinada matéria.

    Publicidade e Propaganda
    São Judas

  72. Melina Brognoli Eira Velha Says:

    A verdade do meu jornal

    Nenhuma verdade é absoluta. Em qualquer acontecimento, fato ou notícia, haverá dois lados, o certo e o errado. Como saber qual é o verdadeiro?
    O jornalista precisa ser imparcial, reunir o máximo de informações possíveis baseado em fatos, perícia, depoimentos de testemunhas, depoimento das vítimas, dos médicos e da polícia.
    Para construir uma carreira no jornalismo é preciso ter credibilidade. Credibilidade é qualidade de algo ou alguém em que se pode confiar.

  73. Deyse Gonçalves Esteves Says:

    A verdade do meu jornal

    A verdade nem sempre é a mesma para todos. Cada um tem o seu modo de enxergar a verdade, aquela verdade de um pode ser totalmente diferente da de outra pessoa. A versão de uma pessoa pode ir totalmente contra a de uma outra. E para um jornalista essa tarefa não é fácil, pois é preciso ser coerente e ter uma visão diferenciada para que todos os leitores entendam a sua matéria. Mas como se é possível achar a verdade em meio de tantas testemunhas e várias versões? Muitas notícias nos deixam com dúvidas, sem saber se ela é verdadeira ou não, porque de uma certa forma a pessoa que irá publicar pode estar acrescentando fatos para que ela se torne mais interessante, fatos esses que podem não ser verdadeiros. E todos sabem que de uma certa forma a imprensa publica aquilo que de certo dará mais audiência e chamará mais a atenção daqueles interessados.
    Mas, cada ser humano acredita na verdade que achar que é a que convém. Podendo ela ser a que foi publicada ou a que ele formou em sua mente. Para se adquirir a total verdade é preciso ir atrás de outras fontes, procurar ver as verdades de outras pessoas, pois cada pessoa tem um visão diferente de cada fato e assim chegar ao seu pensamento final.

    Publicidade e Propaganda
    Universidade São Judas Tadeu

  74. Mayara Bastos Says:

    A Verdade do Meu Jornal

    È um profissional precisar ter a consciência da observação de um certo ato, ou seja, é relacionado ao ponto de vista de cada um. Na sociedade onde convivemos é importante termos esta questão da observação, mas infelizmente, acaba ocorrendo certos pontos diferentes de uma mesma história, o que acaba deixando uma certa história confusa ou mal-elaborada.
    O tato da pesquisa e observação são interligados, assim como as formas que uma noticia surge, independente do meio de comunicação. Uma boa investigação/pesquisa e, principalmente, a observação são elementos fundamentais, assim como o colhimento de diferentes pontos de vista para chegar a uma conclusão de tal caso, não importando somente o impacto e sim chegar ao importante dever do jornal: informar e dizer a verdade ao cidadão, não importa o modo, mas é preciso pesquisa e astúcia para conseguir chegar ao objetivo.

  75. Willian Says:

    A verdade do meu jornal.

    O jornalista contém um respeito e confiança de seus leitores ou telespectadores. Com base a esses conceitos o jornalista deve ser profissional e ético e procurar escutar todas as pessoas envolvidas em determinado “caso” como policiais, vitimas e pessoas que presenciaram o fato.
    Depois de levantar diversas hipóteses e estudar profundamente cada uma delas, ele saberá qual é o fato que ocorreu, ou chegar o mais próximo possível da verdade. Com credibilidade e ética o jornalista terá uma matéria bem sucedida, com o espaço que a mesma deverá receber em determinada mídia e sem prejudicar terceiros ou a si mesmo. Quando um jornalista publica uma matéria de má qualidade, ou dizendo fatos que não são verídicos, o mesmo irá perder a credibilidade e a confiança de seu publico.

  76. aline vilar de santana Says:

    A verdade do meu jornal

    Para que tenha verdade é necessário que haja conhecimento como fatos, situações, vivências informações, pesquisas para isso precisam-se do senso de observação, pois por ela um bom jornalista irá chegar perto da verdade ou irá saber quais relatos chegam mais perto da real situação observando figura, local, objetos.
    O jornalista precisa ter uma concepção da verdade do que é verdade, de que ele tem que o dever de levar a população às verdadeiras noticias, sobre o que acontece no mundo, nem todas as pessoas tem tempo disponível para buscar informações mais coerente em outros meios de comunicação o jornal é um dos meios de comunicação mais usado, hoje em dia o mundo está moderno se um jornalista publicar mentiras e com uma câmera até mesmo de celular gravar o que de fato ocorreu, pois essas pessoas podem muito bem publicar a verdade desmascarar esse jornalista que perderá o prestigio, ou seja, a verdade é sempre melhor independente de cada concepção.
    Hoje em dia os jornalistas omitem fatos reais só para conseguir ibope, em minha opinião o ibope não vem de mentira e sim com a verdade que daria muito mais ibope.

    comunicação social – publicidade e propaganda

  77. Jessica Marques Laurentino Ramos Says:

    A verdade do meu jornal

    A primeiro momento para garantir a veracidade no relato de uma notícia, é necessário que haja um grande recolhimento de depoimentos com a finalidade de descobrir o que ocorreu no local, e observar um ponto em comum em todos os relatos, sendo assim, é provável que este ponto em comum nos depoimentos não tenha sido uma opinião própria das testemunhas, garantindo assim a veracidade do ocorrido. Logo após encontrar um ponto em comum nos depoimentos, eles ajudarão a encontrar a causa do ocorrido, como e o momento exato. O correto a se fazer é ser imparcial ao relatar a noticia e somente relatar aquilo que for comum nos depoimentos .
    E um fato muito importante é ,que pegar o depoimento somente de uma testemunha e utilizá-la para basear a noticia toda não irá provar sua veracidade, e sim a opinião de quem relatou. Comprovanto assim a invalides da noticia.

  78. Jully Santos Says:

    A verdade deu no jornal

    As matérias publicadas nos jornais visam impactar o leitor, logo de cara chamar a sua atenção. A ética jornalística manda que se apure todos os lados da história e os relate com imparcialidade para que a matéria não induza o leitor a nenhum dos lados, mas que ele possa tirar suas próprias conclusões dos fatos ali discorridos. A verdade que esta no jornal muitas vezes é apenas uma verdade que fará a tiragem do jornal ser maior.

  79. Elson Butantã Says:

    A verdade do meu jornal

    Vejam o que, e como tudo aconteceu, quantos foram os envolvidos, se há testemunhas e se houver testemunhas ouça cada uma e compare cada versão com o fato, e se elas correspondem com as informações que foram coletadas ,há que horas aconteceu ,se houve vitimas e se houver e puder entrevistá-las faça com muita cautela e atenção.
    Pois cada um olha de uma forma diferente comparada ao que o outro viu ,um anglo diferente pode mudar toda a matéria ,pois é o seu trabalho que vai informar a milhares de pessoas .
    Tudo isso para que nada fuja da autenticidade, responsabilidade social e a competência de nosso jornal .

  80. Por Marcelo Cassuis Sarquis Says:

    São Paulo, 11 de Fevereiro de 2010.

    Por Marcelo Cassius Sarquis

    A verdade do meu jornal

    Caros colegas de profissão,

    Por meio desta, gostaria de levá-los a refletir sobre o retrato das noticias e das idéias propostas em nosso jornal. Quero primeiramente expor que no meu entender, o mais belo em nossa profissão é poder levar a informação aos nossos leitores da forma mais verdadeira possível, e assim, propor para a sociedade uma reflexão ampla sobre os acontecimentos cotidianos de nossa cidade nos mais variados campos do conhecimento. A verdade por sua vez, se expressa de varias formas e por vários ângulos, criando em certa altura do debate, vida própria, ou melhor dizendo, opinião própria. Então, proponho que pensemos em como levar ao nosso companheiro leitor uma forma simples, direta e verdadeira de informação a cada noticia publicada, permitindo que ele, o leitor, possa por sua vez tirar suas próprias conclusões de uma forma ampla e verdadeiramente positiva do ponto de vista da evolução social, assim, deixaremos de encontrar apenas culpados e vitimas, e começaremos a ver reais propostas de melhoria do aspecto social e principalmente preventivo, partindo dos principais interessados da noticia, o povo e indo de encontro ao principal interessado, o povo.

  81. Adriana Teixeira Says:

    A verdade do meu jornal.

    Os jornalistas, ao chegarem em um determinado ponto de notícia não devem se prender a tudo o que as pessoas falam, afinal de contas nem tudo é verdade absoluta.
    A maioria de nós, ao chegarmos em um lugar de acidente, tentamos por nós mesmos interpretar da nossa maneira, até fazemos algumas perguntas às outras pessoas que estão ali. Depois juntamos tudo e no final prevalece o que pensamos e deduzimos de tudo aquilo. Infelizmente não há meios totalmente eficientes de provar o que aconteceu no exato momento após o acidente.
    Os jornalistas devem pesquisar tudo com muita atenção, entrevistar as pessoas, mas, deixando-as cientes de que precisa da verdade. Perguntando-as, por exemplo, se já havia chego na hora do acidente, se o que ela está dizendo partiu de uma outra pessoa. Devem entrevistar também os responsáveis pela investigação e ver o que tem de fato.
    Todos nós temos acima de tudo que agir com respeito, e passarmos para as outras pessoas o que realmente gostaríamos que fosse passado para nós. Verdade.

  82. Leonardo Garcia Says:

    A verdade do meu jornal.

    Por ser um meio de comunicação de grande influência na opinião de seus leitores, um jornal deve ser imparcial ao divulgar suas notícias, mantendo sempre um compromisso com a verdade. Claro que a verdade pode ser interpretada de diversas maneiras e depende sempre do ponto de vista de cada um, mas as notícias em geral devem ser colhidas através de pesquisas detalhadas sobre cada assunto abordado, buscando assim manter a imparcialidade e nunca induzir o leitor a formular conceitos errados sobre esta ou aquela questão.
    Em cada notícia, a busca por lucro leva muitos meios de comunicação a distorcerem os fatos apresentando apenas uma versão duvidosa destes.
    Cada fato deve ser apurado em todos os seus aspectos e o compromisso com a verdade deve ser constante, afinal o todo meio de comunicação tem sua responsabilidade por ser um “formador de opinião”.

    Leonardo Garcia
    1° PP. Manhã Butantã

  83. FABIO Says:

    A Verdade do meu jornal

    Não sabemos exatamente o que é verdade, para passar uma boa informação em um jornal, devemos colocar a visão de cada pessoa entrevistada. Assim, diante dos fatos relatados por cada testemunha, o leitor ou telespectador terá a liberdade de “Interpretar sua verdade”.
    Não se deve colocar apenas algo concreto como verdade, pois a verdade não está em tudo que é exato, pode haver verdades diferentes dependendo do ponto de vista de cada um. O repórter não tem o direito de colocar uma parte da informação, porque acha que vai dar mais ibope, mas ele pode colocar essa informação e não a confirmar ex: “Segundo algumas testemunhas, o acidente foi provocado pelo condutor da Mercedes, e outra parte diz que a culpa do acidente foi do condutor da perua escolar”, mesmo gerando certa dúvida podemos contribuir com algo para as pessoas. Pois a verdade absoluta não é o mais importante e sim a informação que passamos no jornal.

    Fabio dos S. Barbosa.
    PP – MANHÃ – BUTANTÃ

  84. VALDEMIR Says:

    Valdemir. 1o. ano Radío e TV – Usjt

    A verdade do meu jornal

    O meio de comunicação chamado jornalismo é um veiculo muito importante que tenta buscar os fatos mais marcantes de uma noticia, que se chama verdade. Eis um grande problema nos dias de hoje;muitas pessoas não sabem se realmente a noticia e verídica ou ficção, e com isso, vão perdendo o interesse de trazer para suas casas noticia atravez do jornal.
    Os grandes editoriais jornalísticos de hoje não se preocupam com a verecidade da informação que as pessoas recebem em suas casas. Muitos meios de comunicação só estão interessados em receber lucros com a venda do notícia. isso faz que cada dia mais, os meios de comunicação venham decaindo com as notícias.
    As pessoas buscam trazer para suas casas um jornal que trasmita confiança pelas notícias veiculadas de maneira verdadeira. Isso é o que as pessoas buscam quando estão trazendo para suas casas uma informação.

  85. Júlio César Ventura - Jornalismo - Noite - USJT Says:

    A verdade do meu jornaL

    Antes de escrever um jornal, devemos olhar todos os fatos, vestígios, observações e ouvir testemunhas, criando assim uma hipótese sobre o assunto, mesmo assim ainda é um ponto de vista com base no foto.
    Com o tempo a notícia, sendo verdadeira ou não, se transforma em uma notícia que será lida e interpretada por mais pessoas. Esse pequeno ato já é chamado de comunicação, onde a verdade não tem dono e sim horizontes de pontos de vista.
    Fazendo assim a profissão do jornalista mais longa, onde buscar verdadeiros fatos é a profissão.

  86. Amanda / Juliana - RTV Says:

    A verdade do meu jornal.

    Nos dias de hoje a verdade é vista como um produto, fruto de mídias sensaciolistas que querem leitores a todo custo. Nossa dica ao jornalista seria tratar o fato como um observador impessoal, dissertando exclusivamente sobre o que ele ouviu e não sobre o que ele entendeu como verdade. Cada um interpreta sua própria verdade, como jornalista ele não pode publicar sua própria idéia de verdade para atrair leitores e ‘compradores’. Os leitores buscam a informação como um todo, como ela realmente aconteceu e não a idéia de alguém que estava lá e perguntou o ocorrido. As pessoas acreditam que o sensaciolismo vende mais, por isso usam esse recurso em suas notícias.
    A chamada sensacionalista pode atrair em um primeiro momento, mas a partir da leitura da reportagem, o jornal pode perder a credibilidade e a confiança dos seus leitores.

  87. Aline / Gil - 1º ano RTV Noturno. Says:

    A verdade do meu jornal

    Para podermos passar uma verdade, é necessário que tenhamos um conhecimento profundo de determinada situação. Sendo assim, um jornalista deve apurar realmente os fatos, buscar informações diferentes, de fontes confiáveis e após uma grande pesquisa nessa área, relatar os fatos de forma coerente e honesta, para com isso, poder chegar na “verdade”.
    Devemos ter a consciência do papel que o comunicador tem no mundo, por isso, é um trabalho no qual se deve ter muita responsabilidade na hora de averiguar os fatos, pois muitas pessoas acreditarão de forma irredutível naquilo que “VOCÊ” está colocando como verdade.

  88. Fernanda Ayres e Thiago Motta Says:

    A verdade do meu jornal

    Atualmente, devido à necessidade da criação de novas notícias, muitos jornalistas acabam se afastando do que é primordial ao passar a informação, o relato da verdade. Na ânsia de produzir uma boa reportagem que venda, a apuração da notícia acaba sendo prejudicada, pois muito optam por enfatizar o que mais atrai a atenção do público.
    Seguindo o exemplo do texto lido, podemos perceber o quão importante é a apuração de uma notícia. No texto, o autor deixa de citar que os depoimentos são versões de acordo com a percepção de cada testemunha e que não há fatos que comprovem, até então, o que de fato ocorreu. Prova disso é a manchete da notícia, que admite uma versão como verdade.
    O erro poderia ser corrigido com os termos “de acordo com testemunhas”, “testemunhas afirmam” e “Carro de luxo sofre acidente fatal na BR”. É perceptível a força da palavra. No caso, apenas uma palavra provoca a mudança de sentido e o desvio da verdade do fato.

    Thiago Motta e Fernanda Ayres
    1º JO – Noturno

  89. Taciana, Vinicius, Paulo e Kevin. Says:

    A verdade do meu jornal

    Estudamos Jornalismo durante quatro anos para que, no final, estejamos preparados, não somente para redigir belos textos, mas também para estarmos sempre escrevendo em respeito da verdade. Os jornalistas da atualidade esquecem que as pessoas dependem do seu trabalho para obter informações sobre os fatos, esquecem também a essência da profissão, que é observar os fatos, colher depoimentos e então escrever esses fatos da maneira que eles realmente aconteceram. Eles escrevem de maneira comercial, ou seja, com manchetes que irão somente chamar atenção e vender mais jornais, acabam dando mais ênfase ao sensacionalismo, acrescentando fatos que, às vezes, não são verdadeiros e acabam sendo repassados para o público em geral.

  90. Jorge, Wanessa, Lucianna Says:

    Ao se deparar com um fato, um jornalista deve apurar os comentários de uma forma delicada e sensata, por meio de provas, testemunhas e pela observação feita no local. Também não devem publicar um fato não confirmado, colocando seu ponto de vista, porque o leitor busca a verdade ao procurar um meio de informação.
    Devemos levar ao leitor a notícia de uma forma simples, convincente e lógica para que cada um forme sua opinião sobre o assunto.

  91. Gabriela Zaniratto Says:

    A verdade do meu jornal

    Garantir a verdade é uma tarefa extremamente complicada, isso porque conflita com nossos valores e idéias iniciais. Ao noticiar algum fato, devemos pesquisar e recolher diferentes depoimentos, pensar e repensar sobre o assunto. Quando estamos em busca da verdade, devemos ignorar influências sobre “o que dará mais IBOPE?”, “qual título chamará mais a atenção?”, temos de analisar os fatos e provas, para que consigamos chegar à verdade mais conveniente.
    Portanto, como muitas vezes não estamos presentes no acontecimento, para descobrir a verdade não podemos nos deixar influenciar, devemos verificar a informação através de muitos relatos ao invés de estacionarmos no primeiro e achar que essa é a verdade.
    Enfim, não existe informação verdadeira sem pesquisa, muita pesquisa.

  92. Eduardo / Nathany/ Fernando Says:

    Precisamos de transparência!

    A partir de hoje torna-se fundamental alguns pontos para a realização de uma matéria:

    • Absorver o maior numero possível de depoimentos para garantir a maior veridicidade das informações buscando sempre fontes confiáveis e verdadeiras.

    • Eliminar todo e qualquer tipo de sensacionalismo a fim de expressar com transparência as informações.

    • Não expor pensamentos e opiniões, tratando assim as informações com imparcialidade.

  93. Henrique 1BCSNJO Says:

    A Verdade do Meu Jornal

    Hoje em dia, muitos jornalistas buscam apenas publicar aquilo que vai dar Ibope, que vão comentar e discutir. Não buscam noticiar a verdade, aquilo que realmente aconteceu.
    Muitas vezes, até retorcem o que se dizia ser verdade, para deixar de um jeito que as pessoas vão gostar ou vão dar importância.
    Aos jornalistas que estão em busca de uma boa matéria, sugiro irem atrás de evidências, se aprofundarem no caso, buscar mais depoimentos e confrontarem algumas declarações até perceberem o que pode ser verdade e o que é invenção ou exagero. Nada de sensacionalismo ou noticias contorcidas. Devem deixar de lado aquilo que pensam que vai vender ou que vão dar atenção. Se chegarem o mais perto da verdade cada vez mais, ganharam credibilidade, com isso, além de informar fatos reais aos leitores, estarão sendo verdadeiros e honestos.

  94. Jaqueline Says:

    A Verdade do meu jornal

    Os jornalistas de hoje em dia, omitem e acrescentam fatos, para que a noticia torne-se polêmica para os leitores.
    Para a noticia ser publicada os jornalistas teriam que analisar melhor o fato, e verificar se ele realmente é veridico, comparando diversos depoimentos para chegar em uma possivel verdade. Não esquecendo de relatar o depoimento dos envolvidos para uma melhor compreensão do ocorrido.
    Afinal o trabalho dos jornalistas é refletir sobre as noticias, para passar a informação correta e clara para o leitor.

    Bruno Mendonça, Monique Caristo, Jaqueline Contato

  95. Renato e Felipe Says:

    A verdade do meu jornal.

    A apuração da verdade é um trabalho extremamente complicado, já que a falta de compromisso das pessoas com a realidade. As versões e percepções de cada cidadão podem variar e se modificar dependendo de sua condição social, de seu humor ao presenciar ou viver determinada situação.
    Um jornalista deve filtrar as informações, cruzar depoimentos, averiguar provas, imagens e com base em muito estudo interpretar a situação para que possa se aproximar o mais provavelmente da verdade.

    Felipe Paiuca (Jornalismo)
    Renato Cézar (Rádio e TV)

  96. Marina Martins; Jaqueline Pereira - JORNALISMO Says:

    A verdade do meu jornal

    Uma verdade baseia-se na apuração de fatos ligados a provas concretas e cabíveis no contexto do acontecimento, com a pesquisa de fatos e ligados a registros.
    Independentemente da aceitação do público e pontos de vista diferenciados, ela continuará a ser a mesma verdade, mesmo que relativa.
    É preciso separar a verdade que queremos ver da real verdade, que precisa ser mostrada a sociedade, uma vez que muitas vezes, vemos o que estamos propícios e dispostos a ver e entender.
    A essência para que uma notícia seja retórica, é que nela esteja inclusa uma certa dose de confiança para o leitor.

  97. Denis Coelho e Pablo Fernandes 1º ano Jornalismo Says:

    A verdade do meu jornal

    Hoje em dia, o ibope, a audiência é mais importante que a noticia, por isso a análise verdadeira dos fatos já não é tão importante para alguns profissionais do ramo jornalístico, a informação correta nem sempre é sinônimo de “vendas” e promoção do seu trabalho, desta maneira a distorção dos fatos para alavancar a matéria vem em primeiro lugar para muitos jornalistas, muitas vezes matérias realmente interessantes ficam fora de pauta perdendo lugar para matérias mais “sensacionais” que causam mais impacto em primeira instância. Nossos profissionais deveriam garantir a seriedade e veracidade das matérias para que com isso a opinião e visão das pessoas para determinado seja a mais próxima da realidade possível, para isso a análise das versões deve ser muito bem feita, compará-las e assim comprovar a veracidade da matéria, com imparcialidade e demonstração dos fatos corretos mesmo que com isso a matéria possa ser classificada como desinteressante ou “não apelativa”.

  98. Priscilla Chibante Says:

    A verdade do Jornal

    Não existe uma verdade apenas versões de um fato. Interpretações e visões diferentes podem dar sentidos diferentes. Então eu pergunto, qual é a verdade? Acredito que tanto as testemunhas quanto o jornalista têm seus motivos para contar suas versões. Portanto, também não acredito na imparcialidade do jornalista, e é por isso que sempre devemos questionar o que nos é apresentado por mais verdadeiro que possa parecer. A notícia deve apresentar possibilidades e com isso nos fazer refletir. A verdade é aquela a que queremos acreditar.

  99. Marcella e Joyce Says:

    A verdade do meu Jornal

    O Jornalista, para ter conhecimento de uma noticia, tem que pesquisar, se informar para trazer a verdade para as pessoas e não apenas informações imprecisas baseadas em diferentes relatos.
    A credibilidade de uma noticia não pode estar baseada nem em sensasionalismo e nem na visão pessoal do jornalista. Ele precisa ter o conceito claro das informações, trazer a verdade e percepção para as pessoas.

    Marcella – DP 1° Ano de RTV (Noite)
    Joyce – 1° Ano de JO

  100. Amábile, Joyce - 1° ano Jornalismo - Noite - USJT Says:

    A verdade do meu Jornal

    Os jornalistas buscam a notícia e junto com ela o IBOPE, muitas vezes usando a verdade, mais nem sempre se permanecendo nela. Para se transmitir uma noticia o jornalista não precisa necessariamente “inventar” fatos para transmiti-la, e sim colocar suas evidências. Para isso a notícia precisa ser de fato verdadeira e analisada de uma forma que chame atenção do leitor sem que o jornalista precise reverter à situação do fato ocorrido. Para isso também é muito importante que o jornalista colha depoimentos de pessoas que presenciem certos fatos e assim fazer desses depoimentos sua matéria, usando nela a versão de cada pessoa se baseando e se encaixando numa verdade na qual cada um tenha seu ponto de vista e sua interpretação sobre a notícia. Buscar fatos reais e interpretar eles usando a verdade é o trabalho de um verdadeiro jornalista.

  101. Rosane 1° not Jornalismo (USJT) Says:

    O jornalista deveria ter impregnado em si a função referencial ao expor as noticias de um acontecimento. Ou seja, ter como prioridade na linguagem jornalística a pura descrição de fatos, o referente centralizado, objetivo e claro. Porém isso não ocorre, na maioria das vezes (ou em todas as vezes), pelo simples fato do jornalista, antes de mais nada ser um ‘ser humano’. Assim podemos verificar porque muitas vezes o fato descrito por alguém não corresponde exatamente ao fato ocorrido.Não significa que há falta de verdade. Significa que ali está exposto não só pequenas partes de um acontecimento, mas além destas partes está ali a opinião, a conveniência, os sentimentos e a relevância julgada necessária de quem escreve. Por isso não há de haver imparcialidade, verdade absoleta nos textos jornalísticos, no jornal em si. Há apenas homens relatando fatos. (O homem é cheio de vícios senão seriamos divinos.) Cabe a quem lê verificar as informações, quando se aproximam e quando se afastam do real ocorrido, dá crédito aqueles que tentam se afastar do inventado e do mentiroso E não apenas crer que tudo o que está no jornal é verdade incontestável.

  102. Rony Kelbert Says:

    O homem não possui em si certeza absoluta, ele busca por meio de constatações e probabilidades recriar, reconstituir determinadas situações muitas vezes não vivenciadas por ele mesmo, logo, mesmo para especialistas, relatar algum acontecimento com 100% de precisão é uma ilusão.
    Com o Auxilio das Ciências e da tecnologia, algumas teorias são apresentadas, mas a ligação entre os fatos muitas das vezes é feita por especialistas, estudiosos ou até mesmo por leigos, o que acarreta em um possível questionamento mesmo entre eles.
    Não se pode garantir a verdade com toda a precisão, fazendo com que jornalistas constatem fatos e teorias que se aproximem da realidade de acordo com testemunhos e fatos científicos.

  103. Marina Ferreira - 1º ano noturno - Jornalismo Says:

    Na teoria sabemos que a função de um jornalista é divulgar informações com o máximo de credibilidade e imparcialidade para a sociedade, porém, sabemos também (ou pelo menos deveríamos) que na prática isso nem sempre acontece. Justamente sabendo que a imparcialidade e a credibilidade nem sempre ocorrem, não podemos acreditar em tudo o que lemos e fazer disso uma verdade completamente incontestável. É normal ouvirmos alguém contando um fato e ao terminar o assunto dizer: “É verdade, eu vi na televisão ou passou no jornal, você não viu?”
    Nem todas as informações são passadas da forma como aconteceram, aumentar um pouquinho ou deixar de infomar um detalhe pode ser conveniente ou dar mais ibope. Cabe a cada um buscar a informação, pesquisar em diversos veículos de informação, contestar essas informações e chegar a uma conclusão.

  104. Adelly Abreu - 1º Ano -Jornalismo (USJT Butantã) Says:

    A verdade do meu jornal

    As imagens do link disponível no texto nos mostram claramente que nem sempre o que vemos é o que parece ser.

    Sabendo dos meios utilizados para a publicação da notícia, vejo-a de forma sensacionalista. Não houve um conhecimento por parte jornalista, foram recolhidos depoimentos de pessoas que estavam no local, porém, ambas viram o acidente de formas diferentes. E nada garantia que algum dos depoimentos estavam de acordo com o ocorrido.

    Perante essas divergências, caberia ao jornalista investigar o caso mais a fundo, buscar evidências (marcas de pneus/destruição de canteiros, perícia, etc) que pudessem indicar algo mais próximo do ocorrido.

    Isso proporcionaria ao jornalista maior conhecimento sobre o assunto, permitindo ao mesmo expressar a verdade que obtivera sobre o acidente e também dar maior conteúdo solidez a sua reportagem.

  105. Hugo Paracampos Says:

    A verdade do Meu Jornal

    A função de um jornalista, é dar o máximo de informação possivel ao leitor, porém a verdade é relativa, pois nem tudo que é verdade pra você, pode ser verdade pra mim, e assim se torna meio que impossivel de se ter 100% da verdade.
    O que se pode fazer é sempre procurar saber a versão de ambas as partes, organizar os fatos e as versões, ver o que fica mais coerente, ir atras de provas tais como marcas de pneus, testemunhas, etc.
    Somente assim poderemos ter parte da verdade, e então poderemos publicar algo verdadeiro (ou pelo menos algo mais coerente).

  106. Franciele Bezerra Says:

    A verdade do meu jornal.

    Diariamente recebemos um constante fluxo de informações,onde nos deparamos com conclusões totalmente diferentes sobre o mesmo tema. Para um jornalista é necessário além de senso crítico aguçado,uma boa observação e reflexão de um fato antes de lançá-lo ao mundo. É necessário se ouvir diversos lados,e refletir muito antes de tomar uma posição sobre determinado tema,assim além de uma informação mais concreta,pode-se obter também um conteúdo informativo de maior qualidade e veracidade. Comumente a informação em jornais,televisão e demais meios de comunicação é entregue ao público de modo à chocar,mesmo que para isso certos “trechos” ou depoimentos importantes para uma conclusão de qualidade sejam omitidos; cabe ao jornalista,mais que relatar um fato ou se expressar vagamente,este e qualquer outro profissional da área de comunicação deve considerar e conhecer bem o material que está criando antes de transmiti-lo a população.

    Franciele Bezerra – 1º PP –Matutino

  107. Camilla Oliveira 1MCSNPP Says:

    O jornalista sempre deve buscar fontes seguras, o máximo de informações veridicas e aprofundar o conhecimento do mesmo em cada situação. A reportagem no caso, deveria falar apenas a verdade, mas é algo contraditorio, pois todas as pessoas entrevistas tem um ponto de vista deste determinado acidente, então quando chega na vez do jornalista escrever a matéria, ele tenterá buscar a informação mais verdadeira para o tal, mas é muito comum ele colocar algum detalhe que lhe convém, algo que faça a noticia atrair mais o público.

  108. Flávia Vieira - 1MCSNJO (USJT) Says:

    A verdade do meu jornal

    A divulgação de informações verdadeiras deve ser uma das prioridades da função do jornalista, a maneira de avaliar cada fato deve ser imparcial, pois a apuração dos mesmos deve conter uma aproximidade da realidade vivida dando-se a aportunidade de abranger diversas ideias; buscando sempre fontes seguras, que levem ao discernimento maior do assunto.
    Apesar de que muitas das vezes o que está presente nos meios de comunicação, não são transmitidos com a visão geral da sociedade; sempre haverá interpretações e públicos diferentes, que destacarão a importância individualista do pensar.
    Portanto, o conhecimento nos é dado, enquanto a verificação a respeito do assunto cabe a cada um fazê-la; pois nem tudo que vemos é realmente aquilo que pensamos que seja.

  109. Alexia Raine, Flavio Costa e Jéssica Souza - 1BCSNJO Says:

    A verdade do meu jornal.

    O leitor confia na veracidade da notícia ao acreditar que o jornalista presenciou o fato e transcreve-o com imparcialidade. Sendo assim, cabe ao emissor corresponder fielmente aos acontecimentos e julgar as propostas sabendo que, tudo o que escrevemos ficará registrado por anos e será julgado por muitas pessoas. O jornal é um meio de comunicação onde as pessoas buscam notícias verídicas. O ideal é pesquisar, correr atrás do público, visitar o local e conseguir o máximo de informações para que não haja problemas futuros.

  110. Antonio Says:

    A Verdade do meu jornal

    Por sermos manipulados pela mídia, seja impressa, TV e rádio o bom jornalismo tem que ser imparcial para que seus leitores tenham uma ideia dos fatos apurados pelos repórteres.
    A verdade está de acordo com a interpretação de cada leitor

  111. Gabriella, Luciano, Marina, Talyta Says:

    A VERDADE DO MEU JORNAL

    Aos jornalistas sugerimos que num caso como esse apresente os fatos e não aponte os culpados (ou culpado), já que não se estava presente na cena.
    A fonte mais confiável para se obter informações é aquela que estava no momento, seja ela vítima ou não, obter informações da própria vítima que sofreu o ocorrido, é chegar numa verdade mais próxima.
    É aconselhável sempre averiguar se os depoimentos batem no maior numero de casos, e se não houver certeza, o melhor é não publicar a noticia.

  112. Luiz Guilherme Says:

    A verdade do meu jornal

    Deveria ser uma regra única e simples, levar a notícia ao leitor como ela de fato aconteceu, e não da forma que irá vender mais.
    Usar de profissionalismo e competência não só para entrevistar os envolvidos e as testemunhas. Procurar a melhor imagem ou foto que retrate a verdade não a mais chocante ou que “manipule”, mascare a verdade, que exerça qualquer forma de influência no leitor.
    Qualquer pessoa que é formadora de opinião (nesse caso o repórter), sabe o que dá ibope ou não, o que vende, o que no vende. O que falta para alguns é entender que não importa o que aconteça a verdade deve ser mostrada de qualquer forma, e não vendida a qualquer preço.

    Luiz Guilherme de Oliveira Corrêa

    RA:200603437

  113. Alexia Raine, Flavio Costa e Jéssica Souza - 1BCSNJO Says:

    A verdade do meu jornal.

    O leitor confia na veracidade da notícia ao acreditar que o jornalista presenciou o fato e transcreve-o com imparcialidade. Sendo assim, cabe ao emissor corresponder fielmente aos acontecimentos e julgar as propostas sabendo que, tudo o que escrevemos ficará registrado por anos e será julgado por muitas pessoas. O jornal é um meio de comunicação onde as pessoas buscam notícias verídicas. Então, ideal é pesquisar, correr atrás do público, visitar o local e conseguir o máximo de informações para que não haja problemas futuros.

  114. Yuri Says:

    A verdade do meu jornal

    Hoje em dia a verdade tem sido omitida em fatos ocorridos no dia a dia. Não importa o que é o certo, muito menos o que é real, e sim a repercussão e os “reais” que a mentira iram lhes acrescentar com a publicação da noticia.
    É triste, mas é a realidade que vivemos, não sabemos mais em quem acreditar, e nem quem seguir. Tudo é movido pelo dinheiro, o ser humano perdeu todos os seus valores, mentindo em troca de dinheiro e fama, sem ao menos pensar que essa mentira movida pelo próprio bem estar, pode estar vindo a prejudicar a vida de pessoas de bem e que nada fizeram para serem expostas de forma incorreta.
    O modo mais correto de chegarmos a verdade, é deixarmos de lado nosso lado consumista e capitalista, e em troca de dinheiro, promovermos a verdade, sem omissões.

  115. Paloma, Carol, Victor Hugo e Juliana - 1º Noturno RTV/JO. Says:

    A verdade do meu jornal

    O que realmente importa nos dias de hoje, é o que a notícia causa no leitor e o quanto ela vai repercutir na mídia. As pessoas estão interessadas nos benefícios que a notícia trará para sua empresa, ou seja, as vezes chegam a alterar a notícia para que haja um grande impacto em seus leitores. Por fim, o repórter passa ter a responsabilidade de atuar como olhos e ouvidos dos que não presenciaram os acontecimentos.

  116. Luiz Guilherme Says:

    A verdade do meu jornal

    A verdade é uma só por isso encontrá-la pode ser
    complicado.
    E .quando não á acham ela fica disfarçada.
    Talvez até por ser mais cômodo e fazer com .que a notícia seja vendida mais fácilmente e de forma rápida;

    Aí está a falta de ética jornalística, e o prejuízo ao leitor alienado. .que por sua vez se deixa levar por uma “verdade disfarçada” e faz dela uma verdade fiel.
    E assim vai levando as suas idéia provindas de uma má fonte de informação.

  117. Nathália e Kianne RTV e JO 1ºano Says:

    A verdade do meu jornal

    Caros jornalistas, a verdade nunca será a mesma para todos.
    Sempre será difícil garanti-la, por isso, minha sugestão é que se coloque aquela que o próprio jornalista presenciou, ou todas as que foram apuradas, frisando que não se sabe realmente o que aconteceu. Assim, cada um interpretará da sua maneira..

  118. Thiago Garcia Says:

    A verdade do meu jornal

    A verdade é relativa, e depende do ponto de vista do observador. Encontrar a sua verdade é fácil, ninguém pode passar com perfeição sua verdade para outra pessoa, o que podemos fazer, no máximo, é passar a informação mais imparcial possível, sendo que é impossível alcançarmos uma imparcialidade total, sendo que o que acontece ao redor da noticia pode ser visto de vários pontos diferentes. O ângulo da cena vista interfere, o relacionamento entre as pessoas no ocorrido interfere, até mesmo a região onde a pessoa convive, o social do individuo entrevistado.
    A verdade não pode ser passada com total veemência, o que podemos passar é a verdade aproximada do real. A verdade existe, ela é um fato, o problema é que nunca conseguiremos encontrar essa verdade, por isso a nossa função, como jornalista, ou pretendente a, é levar as pessoas mais próximas possível de tal verdade.

  119. Olívia Freitas 1BCSNJO Says:

    A verdade do meu jornal

    Para ter a verdade é preciso checar sempre os dois lados da história, em todos os casos sempre vão ter duas versões diferentes. A verdade vem muito do ponto de vista do observador, o primordial para um jornalista é sempre apurar uma notícia o mais fundo que puder chegar, para assim trazer para os leitores a informação correta, como um profissional provido de ética faria.
    Sem apuração o jornalista nunca vai chegar no seu objetivo da informação, é preciso ir ao local pegar testemunhos, compara- los , e assim ver o que realmente mais se aproxima da verdade, a analise e o ponto de vista do jornalista tambem. E como todo bom profissional saber interpretar a noticia da melhor forma não só para ele, mas para o principal que é o leitor de uma maneira onde traga a informação concreta e um dos pontos mais importantes chame atenção do publico alvo. A busca da verdade é a meta principal de um bom jornalista.

  120. Natália Gramari Says:

    A verdade do meu jornal

    Cito o fascínio que a folha impressa exerce sobre as pessoas. Acredito que quem escreve de vez em quando para jornais sabe avaliar que diferença faz mostrar a alguém um texto digitado em uma folha comum ou mostrá-lo já impresso na página de opinião de um grande jornal.
    Diante do impresso, as críticas que o original receberia são, geralmente, feitas com muito maior cuidado.
    A palavra impressa tem um peso tão considerável que o critério para avaliar a tendência autoritária de um governo é as medidas que toma para cercear a publicação e a circulação dos jornais.
    Os jornalistas têm consciência que o fato de uma informação estar impressa no jornal contribuí muito para lhe dar credibilidade. Daí o cuidado que tinham em exaltar seus próprios feitos e diminuir os dos adversários, em atacá-los propagando sobre eles informações negativas-verdadeiras ou falsas.
    Cabe ao historiador de hoje a tarefa de vasculhar e interpretar esses jornais resistindo ao fetiche da página impressa e cotejando as informações com as constantes em outras fontes.
    Assim, recomenda-se ao leitor contemporâneo lembrar que não há texto neutro, que, na composição e no desenvolvimento de um texto jornalístico, na maneira de narrar e destacar um fato, estão também embutidas às paixões e os interesses do jornalista, do editor ou da empresa jornalística a que estão ligados. De modo que nem sempre o que sai no jornal é a expressão genuína da mais pura verdade.

    Aluna adaptação PP

  121. Isabella Says:

    maio pagaçao de mico
    deixa de bobage vai caga
    ate + tarde……………………………..

    • jarbas Says:

      Oi Isabela,

      Eu poderia simplesmente apagar sua mensagem arrogante. Mas, resolvi conversar, até porque você se despede com um “até + tarde…”

      Talvez você saiba muito mais que eu. Muita gente sabe. Reconheço e tiro o chapéu. Mas, seus argumentos não são grande coisa. Sei, mais que você, um monte de palavrões. Não vou, porém, gastar nenhum deles aqui. Baixo calão não é argumento.

      Vá fazer algo bem agradável e bonito. Até mais…

      Jarbas

  122. Jéssica Says:

    concordo com a isabella
    maió bobera que alguem ja escreveu

    • jarbas Says:

      Querida Jéssica,

      Obrigado por sua avaliação. Inteligente. Sincera. Educada. Só me ficou uma questão: o e-mail é de Luiz Henrique, afinal quem é você?

      Abraço

      Jarbas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: