Redação cooperativa: complemento 3

Ainda há muito assunto sobre redação cooperativa para papos aqui no Boteco. Copio relato feito em comentário por um de meus alunos:

Prof. Jarbas, sou seu aluno do 4ºano de Pedagogia e tive a oportunidade de realizar essa dinâmica da redação cooperativa e achei uma ferramenta educacional interessante, gostei tanto que acabei aplicando com meus alunos da escola pública. Porém a aplicação se deu de uma maneira um pouco diferente como não havia pc na escola, utilizei apenas papel, caneta e criatividade. Após a aplicação desta técnica tive um retorno inesperado de meus alunos que chegaram a pedir “bis”. Essa ferramenta de trabalho estimula alguns aspectos que muitas vezes permanecem adormecidos nos alunos(principalmente no Ensino Médio), por exemplo a criatividade, a imaginação, além dos conflitos gerados durante a aplicação. Os alunos muitas vezes se deparavam com uma idéia que não lhe agradava, porém eles tinham que continuar aquela mesma idéia. Pude perceber que havia uma dificuldade deles em abraçar uma idéa contrária a suas crenças, valores e princípios. E não muito diferente dos comentários, da Miriam e do Marco, os alunos não apagavam o que o outro havia escrito já que trabalhei com papel e caneta mas mudavam totalmente o rumo da história evidenciando assim essa dificuldade citada acima.
Agradeço a oportunidade de poder compartilhar essa minha experiência com outros educadores e também conhecer as experiências vivenciadas por outros educadores.
Abraços
Paulo Caparroz – 4ºAPGN – São Judas

Acho que o relato do Paulo não precisa de comentários meus. Ele deixa evidenciado que imaginação é o fator mais importante em tecnologia educacional. Se faltar computador, bons aproveitamentos de papel e lápis podem re-encantar a educação.

O relato em tela narra uma aplicação na qual os textos foram escritos em letras cursivas. Isso parece banal. Não é. Uma coisa bastante intrigante é a nossa capacidade de ler textos escritos com letras muito diferentes umas das outras. E não precisamos conhecer previamente as letras dos escrevinhadores. Reconhecemos palavras e sentidos na maior parte dos garranchos que nos chegam aos olhos. Isso não nos maravilha. Pois devia. Não precisamos aprender a reconhecer todos os tipos de letras. Para ler escrita cursiva utilizamos um padrão que inclui uma variação muito ampla de possibilidades, muitas delas ainda desconhecidas para nós. Basta aplicá-lo às novas letras com as quais entramos em contato. Essa maravilhosa capacidade de reconhecimento é uma característica que merece muitos estudos no campo da psicologia do conhecimento. Vale dizer que esta proeza ainda é muito difícil ou até mesmo impossível para os mais sofisticados programas de inteligência artificial.

4 Respostas to “Redação cooperativa: complemento 3”

  1. Marco Says:

    Opa andei meio sumido, mas estou de volta, para os que frequentam o educultirsão, me desculpo por falta de posts nesses ultimos dias, mas é que realmente estava “extrumbado” de trabalho.
    Quando a redação colaborativa, continuo aplicando em salas de quarta e quinta série. no entanto ainda não estou satisfeito com os resultados. redações curtas e muitas vezes sem conexão entre uma parte e outra, são os pontos negativos, pelo lado positivo, conta o interesse pelos alunos nesse tipo de atividade, realmente vejo que querem escrever. Mas ainda estou buscando uma forma de estimular mais a imaginação dos alunos.
    um problema que enfrento é que não sou o professor de sala de aula, cuido apenas do setor de informática da escola, então os alunos meio que são jogados na sala de informática. estou trabalhando mais com blogs em terceiras e quarta series. e aqui solto um berro de socorro, preciso fazer do computador uns instrumento que agregue conhecimento e desenvolvimento às crianças, não quero utilizar o computador apenas para fazer atividades que já são feitas com caneta e papel. amigos da área me ajudem. como vocês trabalham com seus alunos no laboratório de informática?
    grande abraço

    Marco
    http://www.educultirsao.blogspot.com ali pertinho, onde educação, cultura e diversão rodopiam juntas!

  2. Andressa_4ºAPGNAS Says:

    Oi Professor Jarbas…
    Assim como o Paulo, também já tive experiências anteriores com a redação cooperativa utilizando papel e caneta. Mas ao contrário do meu colega de classe, não fui eu quem apliquei, atuei como participante.
    Como o Paulo mesmo disse, uma das vantagens do uso de papel e caneta é a impossibilidade de “deletar” o que o outro escreveu anteriormente.
    Uma das desvantegens, ao meu ver, é que como cada um tem seu tempo de escrita (uns escrevem mais rápido que outros), na minha experiência, algumas pessoas se desmotivaram a continuar.
    Mas mesmo assim, essa variante de aplicação da redação cooperativa é tão válida quanto a que utiliza o computador, pois nos possibilita a tolerância as dificulades do próximo, como também o aprimoramento das nossas próprias. Tudo que é trabalhado, tende a melhorar/avançar.
    E que mais alternativas sejam buscadas e testadas, pois o que importa é o resultado final: a aprendizagem que se alcança através da interação, comunicação e cooperação.
    Beijos e abraços a todos.
    E até a próxima…

  3. Carlos Seabra Says:

    Jarbas, este blog tem coisas bem interessantes e o post que passo abaixo, em especial, tem tudo a ver com este tópico:

    http://alexprimo.com/2008/03/23/um-pouco-da-historia-da-escrita-colaborativa/

  4. jarbas Says:

    Carlos,
    Obrigado pela dica. Em post futuro vou destacar ess matéria sobre escrita colaborativa. Abraço,Jarbas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: