Microliteratura para destravar a escrita blogueira

Uma das dimensões do blogar é a escrita. Não qualquer escrita. Mas uma escrita livre, leve, solta, comunicativa. Volta e meia tento mostrar, para blogueiros e candidatos ao ofício, que no espaço de um blog não cabe um texto sisudo, acadêmico, mal humorado, supostamente sério. Como o espaço é sobretudo de conversa, é preciso oferecer aos leitores textos que sugiram papos interessantes. Tudo isso é relativamente difícil, sobretudo em meios universitários onde os alunos foram orientados e treinados a escrever de modo “científico”.  O resultado é um texto travado, chato, às vezes pernóstico. Assim, uma das coisas que blogueiros e candidatos ao ofício precisam fazer é praticar atos de destravamento. Para tanto, um dos caminhos é a microliteratura.

Em meu encontro com o povo da PUC, mostrei alguns exemplos de microcontos. Na sequência, tinha intenção de pedir aos meus interlocutores que cometessem alguns microcontos. Por questão de tempo, acabei não desafiando os alunos da Católica a cometer atos de microliteratura. Mas ainda é tempo. Se eles passarem por aqui, podem registrar, na forma de comentários, alguns microcontos.

Para que se possa trabalhar com um padrão aceitável, sugiro microcontos com até cento e cinquenta caracteres (pontuação e espaços inclusos). Para ver exemplos, sugiro visitas aos seguintes espaços de microliteratura:

A casa das mil portas

Microcontos do Carlos

Primeiros mil microcontos

Ana Paul

Enquanto ninguém aparece, desafio meus alunos do 4° de pedagogia a cometer microcontos já. É claro que o mesmo vale para frequeses habituais ou eventuais deste Boteco. Praticar microconto é uma forma muito boa de dar asas à imaginação e aprender a blogar com mais leveza.

Anúncios

21 Respostas to “Microliteratura para destravar a escrita blogueira”

  1. Elisa Kerr Says:

    Jarbas,

    Escrever assim é o meu sonho, quem sabe quando eu acordar!

  2. anaeluciana Says:

    não sei bem se isso é um mocroconto.

    ” Em matéria de religião, a única certeza que tenho, é que ninguém nunca irá ter certeza de nada”

    “Ela tinha muito a dizer, mesmo quando não dizia nada”

  3. fmaria Says:

    Jarbas,

    Procuro lembrar de tudo que tenho a fazer. Desculpe, esqueci o que eu ia dizer!!

  4. Keilla Santiago Says:

    Começa aqui uma fascinante viagem pelo tempo. O cinema nasceu silencioso, mas sempre se preocupa em buscar a emoção indefinida. É algo que vai além da tela, além da nossa imaginação.

    Beijos
    Keilla

  5. Keilla Santiago Says:

    O sentimento e a compreensão nos conduzem a ilusão, essa por sua vez nos faz projetar novos horizontes impulsionando-nos a viver intensamente cada momento.

    Beijos
    Keilla

  6. Luana Barbieri Says:

    Olá, professor Jarbas…
    Concordo plenamente com o senhor…
    Os blogs nos “chamam” por meio da escrita, que deve ser, antes de mais nada, interessante, atraente, criativa e comunicativa.
    Acima de tudo, os blogs devem nos convidar para um bate papo interessante com trocas de idéias, experiências e opiniões.
    Mas tenho que confessar que é difícil utilizar uma linguagem simples, já que todos os nossos trabalhos, exigiram linguagens cultas e científicas.
    Considero importante a utilização de microcontos para aprender a blogar com textos mais curtos, criativos e chamativos.
    Abraços… Até mais,
    Luana.

  7. Noemi Alcaraz Says:

    Oi prof.

    Estou dormindo e não durmo, a certeza de estar acordada amanhã é a incerteza de dormir hoje.
    Abraços
    Noemi

  8. Noemi Alcaraz Says:

    Falar demais e não dizer nada são mensagens significantes para quem nada entende.

    Noemi

  9. Noemi Alcaraz Says:

    Roupa de grife, não importa para quem não as pode pagar, assim como um pedaço de pão não importa para quem pode pagar.

    Noemi

  10. Luciane Says:

    O que determina a pessoa não são suas capacidades, mas sim suas escolhas.

    Luciane

  11. Cibele Says:

    Voei, delirei, e chorei. Aprendi o que é a morte.

  12. raiosdevivencia Says:

    Não é possível se colocar no lugar do outro,

    se não consigo nem enxergá-lo?

  13. Ed Says:

    Oi Jarbas, como vai?
    Você tem razão, acho que escrever em blogues não é uma tarefa fácil e a escrita deve ser chamativa, senão não há blogue e sim somente um texto lido.
    Hoje é Dia do Blogue ou Blog Day como andam divulgando na blogosfera, o intuito é conhecer e indicar blogues novos para que haja uma grande interação na blogosfera. Vou visitar os blogues que você indicou e depois digo o que achei.

    Feliz Dia!

    Abraço,

  14. Carlos Seabra Says:

    Uma coisa importante é não confundir qualquer texto curtinho com um microconto. Microconto tem que contar, ou sugerir, alguma coisa. Trata-se de minificção e não de ditados ou pensamentos.

    A maioria das pessoas confunde o microconto com o aforismo. com frases conceituadoras ou mesmo com anedotas (há certa zona de sobreposição, natiralmente, entre estas áreas).

    Para as pessoas começarem a escrever microcontos ainda não o tendo feito antes, sugiro que se comece seguindo alguns passos iniciais, para depois inventar seus próprios caminhos.

    Que tal escrever sempre duas frases (uma só leva ao aforismo ou fica grande demais), uma criando uma situação, um cenário, gerando uma imagem bem visual na cabeça do leitor, e a segunda frase concluindo a história, de modo a gerar algum impacto no leitor, impacto esse na forma de levá-lo a pensar mais e criar continuidades em sua cabeça – levando o leitor à fruição da vivência dessa microleitura.

    Podem parecer obviedade, e são-no com certeza, mas o efeito de colocar um ovo em pé já teve grandes impactos na história da humanidade e certamente é o mais ululante dos óbvios, hehehe!

    Micro-abraços,
    Carlos

  15. Marina Says:

    O impossível é o possível que não foi totalmente tentado.

  16. raiosdevivencia Says:

    Se tens a coragem, o que espera?

    Quer saber a verdade? Olhe nos olhos, eles dirão

  17. Fátima Says:

    “Uma menina de uns quatro anos cruzava as perninhas de garça com um gibi na mão no banco do bonde. Todos se admiravam. Em casa, “mamãe, lê pra mim.”

    Jarbas,
    Não sou prolixa, apenas permito que os outros escrevam por mim.
    Gosto de ler enredos fartos de palavras. Identifico-me com alguns escritores, porém sou eclética e aprecio vários estilos e gêneros.
    Acho difícil formar um leitor depois de adulto, mas é a intenção do meu blog. Pode não ter boa prosa, posso até tentar, não se propõe à discussões, mas à reflexôes e à busca do imaginário, tão criticado diante de tantas propostas racionalistas.
    Ah, aquela menininha sou eu!
    Seu silêncio não me faz feliz!
    Fátima.

  18. Rayssa Winnie Says:

    Oi Professor!

    Apesar de observar a escrita de outros blogs, entender racionalmente a escrita dos microcontos ainda tenho muita dificuldade em tornar minhas idéias reais.

    Abraço

  19. Juliana Lima (Lic. Sexta) Says:

    Prô… Prometo pensar num microconto melhor, mas não pude deixar de tirar um “sarro” e registrar este aqui:

    “Mamãe querida,
    Meu coração por ti bate,
    como caroço de abacate”

    Até mais tarde,

    Juju

  20. Marcelo Piñon LIC. Sabado Says:

    Olá,

    O único que me vem na memoria agora é o que desenvolvi na propria aula neste sábado.

    “Ela fazia academia, seu marido não, ela era sarada, seu marido não, ela transava, seu marido não.”

    Até Professor!.

  21. elide Says:

    Roupa de grife, não importa para quem não as pode pagar, assim como um pedaço de pão não importa para quem pode pagar. Quem disse que quem não pode pagar um pão não se importa com o mesmo? ou não deseja come-lo ,a roupa é surpérfluo ,te para quem pode pagar ,mais não deseja dar o dinheiro ,por simples reconhecimento de grife.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: