Proibido blogar

Há coisas que não mudam ou levam um tempo muito grande para mudar. Uma delas é a interdição a blogs em escolas e ambientes empresariais. Já faz mais de três anos que registrei esse fenômeno. E acho que vale a pena repetir aquela observação antiga, uma vez que os problemas lá apontados continuam no ar.Copio aqui uma velha nota do meu antigo blog chamado Nova Educação. A tal nota dizia:
Sábado, Janeiro 31, 2004
Hoje (será que ainda é 30?) palestrei no Sion. Ao testar os computadores do colégio, verifiquei que os blogs estão censurados. Por que será? Provavelmente a ferramenta de bloqueio da Internet não admite endereços com os termos Blogger e blog. Motivo? Blogs geralmente são textos do tipo diário pessoal. Para os censores isto é distração, lazer, motivo de dispersão no trabalho. Uma pena! Vai daí que usar blogs em educação é uma opção que contraria a seriedade do establisment. Num certo sentido isso é bom: frutos proibidos são mais saborosos.
Um ano depois, num outro blog, o Aprendente, completei a observação de 2004:
Esse tema mereceu recentemente (ver comentários ao post The Longest Day, de March 1, 2005) observações parecidas no blog do Bernie. Bloqueadores utilizados por empresas têm blogs como um de seus alvos. Acho isso uma bobagem. Se “não perder tempo” com blogs, o empregado vai achar outra forma de arejar o espírito e evitar a chateação de um trabalho contínuo.

4 Respostas to “Proibido blogar”

  1. Cristina Sleiman Says:

    Olá Prof. Jarbas, tudo bem?

    Infelizmente você está certo. Faz tempo que isso acontece e até hoje muitas empresas ainda bloqueiam o acesso à blogs. Por outro lado tb não posso culpá-las. Tenho vistoi cada “situação” que nynca poderíamos imaginar. Muitas vezes as empresas o fazem para se precaver de repsonsabilidade jurídica, ou ainda de dor de cabeça. Mas conheço tb empresas que preferem investir na conscientização, deixando assim o acesso livre, mas não deixa de promover ações de conscientização para que o funcionário ou colaborador façam uso de forma responsável das ferramentas. Desta forma é possível prevenir para a segurança de todos.
    Parabén por este espaço. Está ótimo!

    Abs
    Cris Sleiman

  2. Miriam Salles Says:

    Ola Jarbas!
    Vixe… isso é muito, muito comum! Vc nem imagina quantos projetos que planejei foram “abortados” por conta dessa política e em nome da segurança da rede interna da escola! Outro dia li em um blog que não existe nada pior para um professor que um adminstrador de rede… na escola onde trabalhei, meus alunos que participavam do Jr Summit (do MIT) deixaram de ser entrevistados pelo Estadão porque a entrevista ia acontecer via ICQ!! Quando quis tratar do cyberbulling usando o orkut entre outros recursos fui desaconselhada pela coordenação porque estaria, de alguma forma, incentivando o acesso dentro da escola… foi o projeto começar para o orkut entrar na lista dos sites proibidos!! nossa, acho que dá pra montar um livro relatando esses “causos”!! Minha paciência chegou ao limite quando quiseram que eu ficasse vigiando os computadores do alunos pelo schoolnet para evitar que acessassem os blogs, fotologs, orkut e por ai vai… já imaginou?? no lugar de uma professora eles teriam uma big sister!!
    Um abraço

  3. Fátima Says:

    Bravo, Jarbas. Os blogueiros não são compreendidos nem valorizados.
    Assista ao curta O Nosso Livro, de Cláudia Rabelo Lopes e Luciana Alcaraz, tendo no elenco Marcos Caruso e Vera Holtz. São alguns minutos de emoção. É inesquecível!
    Está no meu Blogstórias Essenciais e no Porta Curtas Petrobrás.
    Abraços.

  4. lenita Says:

    Caro prof. Jarbas parabéns pelo BLOG. Achei a idéia genial. Prof. Lenita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: