Archive for 11 maio, 2010

Avaliação e formação de professores

maio 11, 2010

Faz tempo que acho que faltam em cursos de pedagogia e licenciaturas estudos sobre avaliação. Esse meu achar é uma intuição, baseada em conversas que tenho com meus alunos na universidade. A disciplina “avaliação” não inclui mais técnicas de como avaliar, nem a elaboração de instrumentos. Os alunos aprendem apenas a falar sobre avaliação, sem nunca analisar situações concretas de verificação de aprendizagem.

Em meus tempos de estudante aprendíamos como instrumentar a avaliação  por meio de uma disciplina chamada “Testes e Medidas em Educação”. Alguém dirá que essa velha disciplina trabalhava apenas com uma perspectiva quantitativa. Minha memória diz que tal crítica não procede. Professores que ensinavam como instrumentar a avaliação não eram apenas gente que entendia de estatística e modos de preparar uma boa prova. Discutiam finalidades das práticas avaliativas. E a gente saía do curso com certa bagagem para preparar provas com um mínimo de critério. Hoje, os alunos de cursos de formação de professores ignoram modos de avaliar aprendizagem com alguma fundamentação. Em seu ofício de professores, provavelmente darão provas que servirão apenas para atribuir notas para os alunos, não para verificar aprendizagem.

Resolvi registrar minha opinião sobre o que vem ocorrendo hoje com relação à capacitação de professores no campo da avaliação por causa de um registro sobre estudos de Bernadete Gatti, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas. Ela, muito melhor que eu, aponta o problema da falta de conhecimento sobre como avaliar nos meios educacionais. Vale a pena conhecer o que Bernadete pensa sobre o assunto. Para tanto, clique no destaque que segue:

Professor não aprende a avaliar: uma análise de Bernadete Gatti.

Timidez é problema?

maio 11, 2010

Anos atrás, uma orientadora pedagógica me chamou para uma conversa sobre uma de minhas filhas. Para minha surpresa, a educadora se disse muito preocupada com a timidez de minha herdeira. Escutei as observações sem nada dizer, mas sai da escola com a impressão de que a orientadora avançou diversos sinais em sua fala. Nunca achei que timidez fosse per se um problema. Se uma criança não se sente à vontade para ser “participativa” não penso que a mesma deva ser pressionada a falar. Muita gente gosta mais de escutar e ficar na dela. Forçar a barra, no caso, é invasão de privacidade. Não me parece que educadores tenham direito de invadir a vida alheia em nome de duvidosos princípios de aprendizagem.

Confesso que fui tímido quase toda a minha vida escolar. Pelo que me recordo, fui falante e particiaptivo apenas no primeiro ano de grupo. Nos anos seguintes me recolhi. Nada perguntava aos professores e não falava a não ser que interrogado. Isso me prejudicou? Talvez sim. Na vida profissional quase sempre tive dificuldade para atuar participativamente de acordo com os modelos sugeridos pelos gurus de administração. Quase sempre preferi ficar na minha.

Sempre que falo em timidez e modelos de participação muito prestigiados no âmbito escolar, lembro-me de um episódio da vida de Charles Horman, jornalista americano assassinado pela ditadura de Pinochet no Chile. A mãe de Charles foi chamada à escola infantil onde estudava o filho, uma instituição de prestígio da comunidade judaica de Nova Iorque. A orientadora entrou com um papo semelhante ao que tive de escutar sobre o comportamento não participativo de minha filha. Ao voltar para casa, com os devidos cuidados, a mãe do futuro jornalista sugeriu que o mesmo participasse mais das atividades escolares. Sugeriu que ele fizesse perguntas (um dos problemas apresentados pela orientadora era o de que Charles nunca fazia perguntas). A resposta do menino foi primorosa: “nada pergunto porque já sei o que a professora vai responder”.

Entro aqui com toda essa conversa sobre timidez e participação porque acabo de aprender uma coisa que, no fundo, já sabia: certa timidez de alunos nas escolas é um comportamento resultante de origem de classe. Os pobres costumam ser tímidos nas escolas porque o tipo de participação que se requer é um treinamento de mando próprio da burguesia. Filhos de papai entram no jogo com facilidade. Filhos de camponenses e operários permanecem calados, pois sabem que sua participação não é esperada. É claro que a timidez de minha filha, assim como a de Charles Horman, não era a mesma que a dos filhos dos trabalhadores. Herdeiros de intelectuais de classe média, minha filha e Charles achavam que a participação esperada era um jogo de cartas marcadas. Preferiam o silêncio, em vez de atuarem num teatrinho cujo script era determinado por educadoras obcecadas com a idéia de que os alunos deviam ser “ativos”.

Fiz até aqui uma longa introdução para falar de uma aprendizagem recente. E me perdi um pouco no falatório. Minha intenção, desde o início foi a de falar sobre timidez a partir de um trecho de Carta a uma Professora, livro escrito por alunos da Escola de Barbiana. No citado trecho, os alunos de Don Lorenzo Milani comentam a questão da timidez na escola a partir da experiência de um deles. Tal trecho iluminou meu entendimento. Aprendi que os pobres se calam na escola quando os professores jogam o jogo da participação. Os alunos das classes trabalhadoras sabem que a participação proposta não é para eles. Aliás, eles não aprendem a ser tímidos quando o jogo participativo ocorre na escola. Eles já chegam ás intituições de ensino convencidos de que não devem “aparecer”.

Foto de abertura: Don Milani conversa com alunos de Barbiana; provavelmente foto dos arquivos da Fundação Barbiana, reproduzida por 1er Circolo Diddatico Statale di Luca. A foto que acompanha o parágrafo introdutório à minha fala sobre Barbiana tem a mesma fonte e mostra o conjunto dos edifícios onde Don Milani desenvolveu sua admirável obra educacional.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 116 outros seguidores