Archive for julho \31\UTC 2008

Paulinho canta o parque

julho 31, 2008

Em post anterior apontei uma notícia publicada no Aprendente. Na notícia eu narrava conversa com um extraordinário apicultor, o sr. Waldemar. O cenário da prosa foi o Parque da Água Branca. Se entrar no portal do citado parque, você ouvirá uma música que vale a pena ser ouvida. Ela exalta a beleza e sossego do lugar. Não chequei a impressão, mas me parece que a obra é de Paulinho Nogueira, frequentador do parque, grande músico e professor de violão do Toquinho.

Idéias para WebGincana ou WebQuest

julho 31, 2008

Hoje, lá no Aprendente, contei uma história acontecida sábado passado em minhas andanças pelo Parque da Água Branca. No final da história, aponto dois assuntos que podem dar boas WebGincanas e WebQuests: abelhas africanas,e abelhas nativas. Se achar que vale a pena, dê uma chegada até o post Um outro olhar.

Redação cooperativa: situação atual

julho 28, 2008

Há tempos, inaugurei aqui uma conversa sobre redação cooperativa no ambiente Word. O assunto merece mais prosa. Qualquer dia desses posto mais algum conteúdo que talvez dê motivo para mais alguns comentários e colaborações. Por enquanto, para manter a tocha acesa, relaciono o que já foi conversado. Clique nos títulos que seguem (grafados em negrito) para ver ou rever o que já foi dito.

Redação cooperativa: complemento 4

Maio 12, 2008

Redação cooperativa: complemento 3

Maio 6, 2008

Redação cooperativa: complemento 2

Abril 29, 2008

Redação cooperativa: complemento 1

Abril 17, 2008

012. Redação Cooperativa e Histórias Infantis

Abril 15, 2008

Redação Cooperativa

Abril 15, 2008

Portal do professor

julho 28, 2008

Nos últimos dias, algumas visitas a este Boteco aconteceram graças a indicação no Portal do Professor, serviço – aparentemente novo – do Ministério da Educação. Registro a notícia por dois motivos: 1. manifestar minha surpresa pela indicação, 2. divulgar uma iniciativa que merece ser vista. Interessados podem chegar ao novo serviço do MEC entrando em

Portal do professor.

Computadores e educação: visões divergentes

julho 28, 2008

Acho que o fato se deu em 1987, no encontro nacional da ABT (Associação Brasileira de Tecnologia Educacional). O Professor Jorge Fróes insistiu muito para que eu não perdesse a comunicação de uma amiga dele, educadora do Interior do Estado do Rio de Janeiro. O Fróes é um grande sujeito e um dos pioneiros do uso de computadores em educação no Brasil. Aceitei a sugestão e, no momento devido, fui ver a comunicação que ele indicara. Era um painel sobre experiências educacionais com uso de computadores. Mas eu nunca soube que experiência a amiga do Fróes relatou. Saí logo no início da comunicação. Achei que não valia a pena. A moça começou sua fala com a seguinte declaração:”encontrei Deus no computador”. Não quis saber o que viria depois, deixei a sala e fui procurar um outro painel.

O episódio com o qual inicio este post retrata uma das muitas visões de uso de computadores em educação. Não há consenso. Há visões quase que religiosas, revelando esperanças milagreiras. Há visões céticas, revelando expectativas de que se trata de mais uma novidade que não trará grande impacto para a educação nossa de cada dia. E há muitas visões intermediárias. Eu gostaria de conhecer a sua. Mas antes de solicitar um comentário seu, sugiro leitura de duas entrevistas sobre a questão. Elas mostram olhares bem diferentes. Um deles é meu. O outro, do Professor Valdemar Setzer. As entrevistas não foram feitas com o objetivo de contrastar opiniões. Apesar disso, retratam visões bastante distintas. E antes que você as leia, adianto que as idéias do Professor Setzer merecem séria consideração.

Vamos aos finalmentes. Indico a seguir links para as duas entrevistas. Espero seus comentários para construir aqui um painel representativo de opiniões.

Usos do Slideshare em educação

julho 23, 2008

Estou coordenando uma oficina sobre usos educacionais da internet na Secretaria de Educação de São Bernardo do Campo. Sugeri às participantes duas ferramentas de trabalho: o Slideshare e o php webquest. Hoje, ao navegar pelo slideshare, tive algumas idéias que quero compartilhar.

A gente se associa ao Slideshare para compartilhar produções em Powerpoint. Isso é congruente com o próprio nome da ferramenta. Mas, com um pouco de imaginação podemos ir mais longe. Acho que podemos fazer duas coisas mais numa rede de ensino: constituir um acervo útil para os professores, propor produções de autoria para os alunos.

No caso do acervo, vejo as coisas da seguinte forma. A Secretaria ou o sistema de ensino organiza um plano de seleção de recursos do Slideshare. Essa seleção de recursos pode ser feita por um grupo representativo de professores (quanto mais participantes melhor). O resultado da seleção pode ser publicado numa webpágina e/ou divulgado por meio de uma lista de discussão. Cada título selecionado deverá ter um tratamento padronizado para orientar escolha dos professores usuários. A padronização pode ser feita por meio de uma ficha técnica com os seguintes itens:

  • Área de interesse [com indicação de uma ou mais disciplinas em que o material poderia ser utilizado].
  • Série [indicação da série ou séries em que o material pode ser utilizado].
  • Título do material.
  • URL [endereço do material na web]
  • Sinopse [descrição do material de modo claro e simples, num texto de três ou quatro linhas]
  • Objetivos educacionais [indicação dos saberes e competências que o material pode promover]
  • Indicações pedagógicas [texto de três ou quatro linhas com sugestões de como utilizar o material com bom aproveitamento para o ensino-aprendizagem]

Há, é claro, necessidade de que um projeto como esse tenha uma coordenação que irá avaliar, corrigir – se necessário – as fichas originais, publicar o material e incentivar seu uso. Além disso, dentro do mesmo projeto, podem ser incentivadas propostas de produção em Powerpoint que seriam publicadas no Slideshare pelos professores-autores.

No caso dos alunos, acho que o Slideshare pode ser um bom instrumento para, de modo muito simples, abrir uma janela para a autoria. Não imaginei nada específico quanto a isso. Mas, as possibilidades de uso são bastante claras e simples. Basta incentivar os professores a tentarem caminh0.

  • Para ver uma produção interessante, compartilhada via Slideshare, veja como seus olhos podem enganar você:

Webmúsica e educação: complemento 2

julho 17, 2008

Apenas uma nota breve. Continuo a a garimpar coisas no Goear. Descobertas vão surgindo. Idéias de uso aplicativo em educação também. Acabo de descobrir uma música com cujo título cruzei no começo do século: Cuando Los Angeles Lloran. Ela era fundo musical para uma webquest homônima criada por volta de 2001. Conto a história completa lá no Aprendente.

Webmúsica e educação: complemento 1

julho 17, 2008

Comentário da Marli, edublogueira maior e frequentadora deste estabelecimento, lá no Aprendente, me incentivou a continuar especulação sobre usos do repositório musical Goear em educação. Hoje, enquanto um competente barbeiro, o Vanderlei, procurava dar mais decência aos meus cabelos em vias de extinção, maquinei mais uma alternativa de trabalho com o referido repositório. Pensei numa proposta de criação de blog coletivo de uma classe ou grupo de alunos. A solução, aliás, decorre de experiências que a Marli já fez no campo da literatura e escrita.

Pensei num blog coletivo temático. Não defini o tema, mas minhas maquinações ficaram no campo de algo que pudesse ensejar estudos de diferenças e semelhanças culturais. Pensei num projeto para alunos do Rio Grande do Sul estudando diferenças e semelhanças entre sua cultura e as culturas hermanas da Argentina, Uruguai e Chile. Todas as comparações deveriam ser ilustradas musicalmente com material alojado no Goear.

Um blog como o proposto poderia abordar conteúdos no campo de comunicações e artes (literatura, espanhol português, música), geografia, história, política, ciências sociais. Não cheguei a pensar num tema agregador para tudo isso. Mas não deve ser muito difícil descobrir um ou mais temas agregadores. Pensei algumas orientações, tais como:

  • Todo post deveria examinar uma situação de semelhança ou diferença entre culturas, sempre com uma ilustração musical de material do Goear.
  • Cada autor ou grupo de autores teria alguma especialização de sua escolha no campo da cultura, política ou história.
  • O blog teria um tempo determinado de existência editorial (um ano ou um semestre).
  • Cada autor ou grupo de autores deveria assumir o compromisso de pelo menos uma postagem semanal.
  • Os autores deveriam buscar correspondentes para o blog (uma boa opção seria a de encontrar correspondentes nos países hermanos; essa providência garantiria um fluxo de comentários – inclusive em espanhol).

Seria bom definir um grupo de artistas que mereceriam pesquisa de suas músicas. Se alguém quiser aproveitar minha primeira tentativa de verificação sobre o que já há no repositório, listo aqui um grupo de peso do lado de los hermanos: Teresa Parodi, Cuarteto Zupay, Daniel Viglietti, Soledad Pastorutti, Antonio Tarrago Ros, Nacha Guevara, Inti Illimani, Quilapayun, Horacio Guarany, Violeta Parra e Victor Jarra.

Do nosso lado só encontrei uma música cantada pelos Os Serranos. No Goer, nada há ainda do Joca Martins ou da Shana Muller, cantores que aprecio. Infelizmente meus conhecimentos sobre música gaúcha não são muitos. Por isso, talvez eu não tenha investigado alguns autores importantes. Mas parece que raros são os artistas brasileiros do Sul já presentes no repositório. Mas isso não chega a ser um grande problema. Se o blog-projeto for criado,os alunos poderiam fazer upload de músicas de seu interesse no Goer. Com essa providências poderiam ilustrar com música nacional, dentro do padrão escolhido, os posts onde isso fosse pertinente.

Talvez minha proposta não esteja muito clara. Mas resolvi divulgá-la de imediato para ver se alguém pode colaborar com mais idéias e sugestões. Vou, é claro, provocar a Marli. Ela certamente poderá delinear proposta muito melhor que a minha.

Webmúsica e educação

julho 16, 2008

A riqueza cada vez maior de acervos musicais na web abre espaço para muitas atividades educacionais. Não tenho idéia clara e definitiva do que pode ser feito. Mas acho que vale a pena tentar. Por isso já ensaiei uma idéia e criei um roteiro com algumas músicas que vale a pena ouvir (e talvez cantar). Tal ensaio está no meu outro blog, o Aprendente. Se você quiser avaliar minha proposta dê um pulo até Boa Música.

WebQuest na academia

julho 12, 2008

Em 2004 participei da banca de defesa de mestrado de Teresa Tioko Saito Fukuda, na Faculdade de Educação da Unicamp. O trabalho, num tempo em que raros eram os estudos acadêmicos sobre WebQuest, foi muito corajoso. A investigação procurou apontar os resultados de aplicação de uma WebQuest voltada para a literatura. As dificuldades não foram poucas. Por isso, no princípio, Tioko não quis incluir seu trabalho no acervo da Biblioteca Virtual da Unicamp. Mas já faz algum tempo que ela venceu tais temores. A dissertação, WebQuest: uma proposta de aprendizagem cooperativa, está disponível para leitura e download. Interessados podem ver o trabalho da Tioko aqui.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 106 outros seguidores