012. Redação Cooperativa e Histórias Infantis

O Word pode ser um belo ambiente de aprendizagem. A primeira coisa que nos vem a cabeça é que tal aplicativo pode ser algo muito interessante para aprender a escrever. Mas, no geral, paramos por aí; ou, no máximo, sugerimos que o ambiente pode ajudar os escrevinhadores a perceber os erros mais comuns que costumam cometer.

Alguém mais ousado até pode sugerir que o professor apresente um pequeno texto pronto, com marcações de erros, para que os alunos o modifiquem até que todas aquelas linhas verdes e vermelhas desapareçam. Mas esses palpites não nos entusiasmam. Eles não parecem provocar aquele sentimento de admiração que um velho amigo, o professor Hugo Assman, chama de re-encantamento. E o que queremos é re-encantar a educação.

Com um pouco mais de imaginação é possível utilizar o Word para que as pessoas vejam o ato de redigir como um desafio com certo encantamento. Uma dessas formas é a redação cooperativa. Meu primeiro contato com tal proposta aconteceu quando conversei com Bernie Dodge sobre um projeto de software educacional que ele criou por volta de 1990. Tratava-se de um exercício de redação que utilizava um dos ambientes do MacIntosh, o Hypercard. O projeto de Dodge, chamado Irrawaddy, partia de um texto inicial que sempre terminava com a indicação de que a história poderia seguir dois ou três caminhos diferentes. O ponto de partida era construído pelo professor. A continuidade da história era tarefa dos alunos. E estes, da mesma forma que o professor, deviam dar prosseguimento à história deixando-a numa encruzilhada para decisão de um novo redator. Num dos exemplos, Bernie Dodge contou-me que o Irrawaddy foi utilizado num exercício de recontar a Odisséia. O texto inicial, além de sugerir continuidade nos termos da história original, indicava outras possibilidades narrativas. Os alunos em tal tipo de exercício podiam reinventar um texto literário clássico explorando novos caminhos para o herói.

Muitos anos depois, lembrei-me do projeto de Bernie Dodge ao me perguntar se o Word poderia ser utilizado de modo criativo em aulas de redação. E vi que seria possível adaptar a criação de meu amigo gringo para um ambiente mais simples que o Hypercard. Imaginei um exercício nos termos descritos pelo post “Redação Cooperativa” . Como meus alunos da Licenciatura vêm de diversas áreas de saber – letras, biologia, educação física, artes etc. – resolvi trabalhar com um tema conhecido por todos, histórias infantis. Inventei um contexto: trabalho criativo de redação numa editora. Também inventei uma tarefa: escrever um livro de histórias infantis de um modo original. A dinâmica de redação que imaginei é aquela descrita no post já citado.

Como já observei, a redação cooperativa é uma alternativa interessante no ensino da redação. Mas ela pode ser utilizada para outras coisas. Há situações que exigem dos alunos domínio de princípios, capacidade de análise e aplicação de conhecimentos que podem ser bem desenvolvidas por meio de redação cooperativa. Dei em aula alguns exemplos que vou resumir aqui. No campo da educação física podemos imaginar um caso que explore maior compreensão da relação entre regras de um esporte e estratégias de jogo. Suponhamos que, finalmente, mudanças significativas aconteceram no futebol. A FIFA mudou duas regras: a do impedimento foi eliminada, a da proibição de toque com a mão ficou reduzida apenas a jogadas dentro da área. O professor pode elaborar um texto inicial com essa notícia surpreendente, terminando seu escrito com a indicação de que a partir de tais regras é preciso repensar certas estratégias para jogar o jogo. Isso é um desafio para técnicos de futebol, papel que os alunos passam a exercer para dar continuidade ao texto apresentado pelo professor. Acho que esta pode ser uma experiência interessante para discutir as relações entre regras e estratégias.

No campo da história podemos pensar uma análise sobre desdobramentos da Guerra do Paraguai. Mas em vez da história acontecida, o professor poderia redigir um texto inicial que informasse que o Paraguai foi o vencedor do conflito. A provocação inicial do professor desafiaria os alunos a repensarem os destinos de Brasil, Argentina e Uruguai com um Paraguai vencedor. Se alguém estiver interessado em explorações históricas deste tipo, sugiro uma leitura de História do Cerco de Lisboa, de José Saramago.

Algo parecido poderia ser feito em literatura. Que tal um texto inicial que narra uma recente descoberta: Dona Flor e seus Dois Maridos não foi escrito por Jorge Amado? Sabe-se agora que esse romance famosos foi escrito por Érico Veríssimo. Dar sequência a tal notícia poderia ser um belo exercício de mostrar compreensão da obra literária de dois dos mais importantes escritores de nossa terra.

Meus palpites são isso mesmo: palpites. Mas eu acredito neles. Se professores de alguma área quiser experimentar redação cooperativa nos termos aqui propostos eu gostaria de acompanhar a experiência e ajudar naquilo que estiver a meu alcance. Até aqui fiz uma longa exposição sobre o assunto. Mas o meu compromisso inicial ainda não foi cumprido. Preciso compartilhar os inícios de histórias infantis utilizadas em minha aula sobre redação cooperativa. Por isso, sem mais delongas, vou aos finalmentes. Seguem aqui as histórias que comecei a contar. Mais exemplos poderiam ser dados em outras áreas, mas fico apenas com as histórias infantis, esperando que o leitor possa imaginar muito mais coisas que podem ser inventadas.

A Fada que procurava emprego

Chamava-se Anne Krissimina e era uma fadinha nova. Tinha só mil e duzentos anos. Apesar de nova, tinha muita experiência. Fez um sapo virar príncipe. Encantou um rei com sua voz maravilhosa. Cachorros bravos ficavam mansinhos quando a viam. Ajudou muitas outras fadas em histórias que toda criança conhece. Mas os tempos mudaram. Ninguém mais acredita em fadas. E já faz mais de dez anos que Anne Krissimina está desempregada. Procurou emprego em toda parte, mas não há serviço para fadas no mundo de hoje.

Um dia, a fadinha andava pela rua distraída. Olhava os carros estacionados lendo as placas para saber se existiam mais números ímpares ou números pares. Os ímpares estavam vencendo. Num carro antigo, cor de rosa e placa de número ímpar, ela viu um adesivo que a deixou animada. Nele estava escrito; “eu acredito em fadas”. Anne Krissimina voltou a ter esperanças. Quem sabe o dono ou dona daquele carro não poderia lhe arrumar um trabalho de fada. A fadinha ficou aguardando, tinha certeza que sua vida ia mudar.

A garrafa perdida no mar

Era uma garrafa comum. Feita de vidro verde claro. Durante muitos anos foi guardada num lugar escuro, uma adega. Mas um dia tomaram o vinho que ela conservara por tanto tempo. E por ser uma garrafa comum foi jogada no lixo. Mas ela teve sorte. Um menino curioso a recolheu e a levou para casa. E ela passou a fazer companhia a muitas outras garrafas vazias que o garoto colocava numa prateleira da despensa. O menino não colecionava garrafas. Ele as usava para mandar mensagens para lugares muito distantes. Quando ouvia no rádio notícias de desastres em outros países, ele escrevia bilhetes para pessoas que tinham perdido tudo, mandando-lhes mensagens de esperança. Esses bilhetes eram colocados dentro de uma de suas garrafas. E estas eram lançadas ao mar, na esperança de que, um dia, pudessem chegar a seu destino.

O dia da garrafa de vidro verde finalmente chegou. O menino tinha escrito uma mensagem para duas garotas que tinham perdido seus pais quando uma onda gigante invadiu a ilha De Flores na Indonésia. Escolheu a garrafa verde clara para a missão. Colocou nela o bilhete e a lançou ao mar. A vinte mil quilômetros de seu destino, a velha garrafa de vinho começou uma aventura que a levaria a dar volta ao mundo.

Aventura na Selva

Neco, finalmente, conseguiu realizar seu grande sonho; viajou para o Amazonas. Foi, com seus avós, para um hotel de selva parecido com uma gigantesca casa da árvore. Macacos muito vivos e engraçados não saiam da Janela do quarto de Neco. Os bichos estavam sempre de mãos estendidas pedindo mais uma banana. Mas o dono do hotel tinha avisado:

_“Não abram as janelas para os macacos! Esses bichos, se entrarem em seus aposentos, irão estragar tudo que acharem pela frente: roupas, sapatos, livros, brinquedos etc.”

Mas Neco não acreditou nesse aviso. Os bichinhos pareciam muito inteligentes, e o menino pensou que poderia falar com eles. Sabia que eles entenderiam. Um dia, quando seus avós ainda estavam tomando café no restaurante do hotel, resolveu abrir a janela para os macacos. Foi aí que começou a aventura de Neco na selva amazônica.

A flor curiosa

Era uma vez uma flor muito bonita. Ela vivia num galho de árvore sobre um rio de águas verdes. Borboletas, abelhas e beija-flores visitavam a flor todos os dias. Nela encontravam seu alimento. E enquanto bebiam o gostoso néctar produzido pela flor, contavam-lhe histórias do mundo que viam em seus vôos. A flor morria de inveja de seus amigos alados. Ela não podia sair do galho em que vivia. Todos os dias via o mesmo rio, as mesmas pedras, as mesmas árvores. Seu sonho era viajar para conhecer o mundo. Daria tudo para voar como abelhas ou borboletas. Mas era apenas uma flor.

Certa noite, uma grande tempestade passou pelo rio onde morava a nossa flor. Um vento forte fazia os galhos de árvores dançarem para todos os lados. E num desses movimentos, a flor se soltou e caiu no rio. A correnteza começou a levá-la. Ela finalmente iria conhecer o mundo. Começava aí a aventura da flor que sempre sonhou com um mundo desconhecido.

O sétimo gatinho

Eram sete irmãos. Gatinhos lindos a procura de um lar. Desfilavam felizes pela vitrine à espera de uma criança que os quisesse levar para casa. As crianças não resistiam. Em pouco tempo todos os gatinhos encontraram um lar definitivo e foram levados por crianças felizes que iriam cuidar muito bem deles.

Todos? Não. Mimi ficou para trás. Era até mais bonito que seus irmãos. Mas, num acidente, perdeu o movimento de uma das pernas. Por isso andava de um modo muito engraçado, usando apenas as três pernas sadias. As crianças o queriam. Mas os pais diziam: ele é aleijado. Não vamos levá-lo não. Ele vai dar muito trabalho. É melhor escolher outro bichinho. E Mimi foi ficando na loja de animais, sem esperança de encontrar uma casa que fosse sua.

O tempo passou. O dono da loja até quis dar Mimi de graça. Mas os pais sempre convenciam as crianças que um gato aleijado daria muito trabalho. Um dia, um menino mal vestido ficou olhando Mimi pelo vidro da vitrine. Não tinha dinheiro para comprar aquele gatinho de raça. Contentava-se em brincar com o bichinho de longe. Mimi ficou encantado por aquela criança de olhos grandes e tristes. O dono da loja viu a cena e decidiu dar bichinho para o menino pobre. O sétimo gatinho, finalmente, iria ter um lar. Ao sair da loja, Mimi começou uma vida muito movimentada.

74 Respostas to “012. Redação Cooperativa e Histórias Infantis”

  1. Maria Says:

    Achei muito interessantes as sugestões para desenvolvimento de histórias que se encontram neste artigo.
    Sou professora do 1º ciclo e tenho andado a pesquisar sobre o assunto, em virtude de, este ano lectivo, querer desenvolver um projecto de criação de histórias on-line , no Agrupamento de escolas a que pertenço. As histórias terão início numa escola do agrupamento e serão desenvolvidas e ilustradas, por capítulos, pelas restantes escolas.
    Será possível utilizar algumas destas “introduções” para pôr em prática o referido projecto?

  2. jarbas Says:

    Cara Maria,

    Ficarei muito honrado se vocês utilizarem algumas da “introduções” em vosso trabalho. Peço apenas um favor: mandem-me informação sobre resultados do projeto. Eles serão de grande valia para futuros trabalhos com meus alunos. Abraço, Jarbas.

  3. Maria Says:

    Sr. Jarbas Novelino Barato

    Desde já, agradeço a atenção dada ao meu pedido e à resposta enviada. Fico satisfeita em poder utilizar uma das sugestões, para já, uma vez que o objectivo do projecto é desenvolver outras histórias, caso haja a devida colaboração das escolas envolvidas.
    Neste momento, estamos a elaborar o Projecto para que possa começar a ser desenvolvido no início de Outubro, uma vez que envolve um grupo de 13 escolas que incluem cerca de 40 turmas.
    Posso, desde já, adiantar que o projecto se irá intitular “De Roda de Uma História” e a introdução escolhida pelo grupo de trabalho foi “A Flor Curiosa”.
    A História vai “viajar” por todas as escolas onde, semanalmente, grupos de duas turmas terão de desenvolver um capítulo, no qual terão de acrescentar um novo elemento (personagem, aventura, mistério…)Estamos a criar um Blog onde as turmas irão publicar os capítulos desenvolvidos. Como esse blog será inserido na plataforma Moodle do nosso Agrupamento de escolas, penso que será de acesso restrito.
    No entanto, terei todo o gosto em enviar o desenvolvimento do trabalho criado.

    Grata pela atenção
    Maria Alves

  4. emellyn Says:

    qeria uma redação

  5. emellyn Says:

    oi*-*
    tudo beim com vcs??
    qeria saber o siignificado da felicidade

    obrigada pela a atenção
    tenha um bom dia
    ;*

  6. A aula que eu queria « Boteco Escola Says:

    [...] Semana passada quase cheguei lá. Nas minhas turmas de Pedagogia e Licenciatura, para começar o trabalho no laboratório de informática, coloquei o pessoal numa situção de redação cooperativa. Utilizei para tanto idéias e materiais que já são conhecidos de alguns leitores deste Boteco. E quem não os conhece pode vê-los em 012. Redação cooperativa e histórias infantis. [...]

  7. Kete A. Silva Says:

    Olá Professor….adorei a aula sobre redação cooperativa, acho que é uma atividade muito interessante, e que além de utilizar a imaginação e a criatividade, faz também com que haja a interação entre os alunos no caso, pode ser um ótimo exercício para as primeiras semanas de aula, o Sr. não acha??
    Abçs…
    Kete =^.^=

  8. Danilo Riva Says:

    Acredito que a proposta de se trabalhar a redação cooperativa pode trazer resultados extremamente positivos para o ensino, por ter uma abordagem ampla, pois trata de uma integração dos alunos com um recurso tecnológico que, por sua vez, serve como suporte para o desenvolvimento de um trabalho em qualquer área do conhecimento, que permite, inclusive, uma importante integração entre os próprios alunos.

  9. Natalia Says:

    A proposta da redação cooperativa a meu ver, é fazer com que a imaginação e o conhecimento ou apenas palpites sobre determinado assunto se misturem, gerando algo criativo.

  10. Juliana Aranha Says:

    Muito interessante!

  11. Sílvio Baratti Says:

    A alguns anos atrás falei, ao meu irmão, sobre a minha idéia de criar uma estória onde um grupo daria continuidade de um pedaço até seu desfecho. Uma criação coletiva. Estava orgulhoso por tido essa idéia original, mas para minha surpresa a idéia já era antiga e fiquei sabendo que havia até concursos sobre isso. Enfim se o grupo for harmonioso em termos de um trabalho em equipe, cujo cada membro repeita a idéia do outro e procura dar continuidade de forma construtiva é muito produtivo e recompensador. Porém corre-se o risco de haver um revanchismo de idéias querendo um predominar sobre o outro e talvez seja essa a parte negativa. Provavelmente quem se junte a um grupo deve estar previamente interessado mais em agregar do que prevalecer suas idéias. Vale a pena passar por esse processo.

    SMB

  12. Fabiana Martins de Almeida Says:

    Adorei a técnica de redação cooperativa, pois é uma técnica que promove maior interação entre os alunos. Tive a sorte de participar desse tipo de redação na primeira aula que assisti na disciplina de Tecnologia Educacional com o professor Jarbas e pretendo colocar em prática assim que estiver atuando em uma sala de aula ou mesmo com minhas colegas de curso aqui na faculdade São Judas. Penso que todas as formas de estimular as pessoas a pensar, criar, ler e escrever são válidas para um pleno crescimento pessoal.

  13. Rosana Leite Silva Says:

    Achei muito interessante a técnica de redação cooperativa. Para falar a verdade até o momento em que foi apresentado a idéia não sabia como poderia utilizar o Word de uma forma educacional com os alunos em sala de aula. A redação cooperativa é uma forma de se utilizar a tecnologia de maneira que se possa trabalhar a imaginação, interpretação, entre outras coisas com os alunos, estimulando-os a escreverem de forma mais correta até mesmo em um simples e-mail.

  14. Rebeca Costa e Silva Says:

    Olá Prof. Jarbas,

    Sou uma aluna sua de licenciatura e mesmo com toda a minha ingenuidade acadêmica creio que a redação cooperativa é uma ferramenta simples porém com desdobramentos ilimitados, enfim é genial!
    P.S. Você poderia dar um exemplo legal que poderia ser usado na psicologia?

  15. Marcos Borégio Says:

    Achei muito interessante a redação cooperativa, pois sou da área da educação física e trabalhamos muito com a imaginação,inovação e principalmente na área esportiva de adaptar algumas regras para tornar o jogo mais dinâmico ou de passar um conteúdo de forma mais lúdica.

  16. Rita de Cássia de Oliveira Says:

    Adorei!!!!!!!
    É uma pena que não participei
    desta aula.
    Gostei de ver a criatividade de cada um e como eles
    conseguiram com essa redação cooperativa, elaborar
    uma história muito interesante.

  17. Luanah Says:

    Realmente acredito que idéias como esta podem “aguçar” a criatividade de nossos alunos e com isso fazer com que eles tenham interesse em descobrir coisas novas. Acredito que esta falta de entusiasmo dos professores e consequentemente dos alunos é o que está “acabando” com a Educação. Vale a pena tentar novos metódos!!

  18. Maria Daniela Clementino Says:

    A Redação Coletiva é um aplicativo ótimo para desenvolver o raciocínio das pessoas, além da oportunidade de conhecer como seu colega de classe pensa.
    De certa forma o Word facilita as pessoas a desenvolverem um bom trabalho, podendo utilizar mais que a imaginação com o auxílio de outros programas.

  19. Rodney Zampoli Iunes Says:

    Achei esta Técnica muito inteligente, tanto em relação ao bom uso da tecnologia quanto ao modo de criar redações a partir de um texto, pois quando se dá apenas um tema, os alunos que não tem facilidade em escrever ficam mais “travados”. Esta maneira apresentada, ainda mais com bastante criatividade, parece-me a melhor.

  20. Andressa Castro Says:

    Acredito que a aplicação da redação cooperativa seja viável a qualquer disciplina. Isso porque integraria o educando e alimentaria a vontade de expor suas crenças, vivências e críticas diante da possibilidade de dar continuidade à uma história e principalmante no desafio de mudá-la, resolvendo assim novas questões e problemas apresentados.

  21. Rita Says:

    Achei a proposta muito interessante. Simples e viavel. Sou aluna de Liciatura e quando fizemos a dinâmica em sala me perguntei porque nunca tinha ouvido falar nisso. Gostaria de ter feito isso quando eu estudava na escola.
    Sai da aula imaginando mil possibilidades para aplicar a redação cooperativa na area que escolhi para mim, as artes cênicas.
    Talvez alguma coisa ligada a criação de personagens ou leitura. Ainda estou pensando.
    È empolgante saber que existem outras possibilidades para o ensino a altura de nossas mãos.

  22. Dionis Galdino da Silva Says:

    Achei uma atividade bacana, frutifera e realmente ajuda a desenvolver a imaginação e a capacidade de criar no índividuo, auxiliando é claro na escrita também, e por fim, é uma atividade de “construção”, faz com que se pense em várias situações que podem surgirem na estória ou história criada pelo próprio, e não só de “enchimento de cabeça” ou de cópia! Valeu

  23. Roseane Soares Says:

    Caro professor Jarbas,
    Acredito que boas relações sejam construidas por respeito e, inclui-se nisso a sinceridade. Iniciei hoje tua aula e, confesso, cheguei com aquela apreensão natural de quem faz algo desconhecido… Entretanto, ouvindo a proposta da redação cooperativa no começo da aula e lendo-a, depois, neste blog, de alguma maneira senti-me mais confortavel.
    Assim como o senhor, acredito na criatividade. E gostei muito da citaçao de Hugo Assman, sobre “re-encantar” a educaçao. Sou e serei sempre uma aprendiz. Como tal, quero experimentar sempre o prazer e o encantamento do “apreender” e, claro, desejo que meus futuros alunos possam sentir o mesmo. Vejo a educaçao de nosso pais hoje e, embora nao seja a melhor e nem a mais sabia pessoa para falar do assunto, vejo que falta gostar de aprender e, as vezes, gostar de ensinar… nao sei, deve ser um ciclo vicioso, mas de algum modo, a educaçao nao pode parecer algo chato, inutil ou para poucos. Acho que ja estou divagando… mas voltando ao meu raciocinio inicial, acho que entendi o porque de minha apreensao ter, por ora, desaparecido: gosto de propostas criativas e libertadoras e, sem saber explicar, acho que isso é o que a redaçao cooperativa é. Trabalha tantas coisas: criatividade, imaginaçao, trabalho coletivo… gostei, espero aplica-la no fututo e, assim, te enviar os “resultados” (nao gosto muito dessa palavra nesse caso, mas por nao recordar outra…). Mas primeiro, preciso aprender mais.
    Ate mais, professor!

    Roseane

  24. Lucélia Says:

    Sou aluna da licenciatura e fiquei muito entusiasmada com a primeira aula que tive com o professor Jarbas. Depois dessa aula conclui que existem muitos caminhos para melhorar a qualidade das aulas nas escolas.
    Sou formada em Artes Cênicas e fiquei imaginando o que é possível fazer para incluir a Redação Cooperativa nessa matéria.
    Existem muitas possibilidades e me agrada o fato de estarmos buscando soluções para problemas que vemos frequentemente.
    A Redação Cooperativa pode ser muito útil ao teatro, seria desafiador aplica-la em estudantes de artes. É uma forma de desenvolver a criatividade, conhecer personagens ( ou criá-los) e também trocar experiências e conhecimentos com outras pessoas.

  25. Verônica Pinheiro Says:

    Olá prof Jarbas!
    Sou aluna da Licenciatura e deixo aqui minha reflexão em relação á Redação Cooperativa
    é uma proposta muito inovadora pois estímula o trabalho em equipe, pratica que um dia todos os aluno terão de enfrentar futuramente em um local de trabalho por exemplo , mas em minha opnião o ponto ápice é
    é a pratica em fábulas , pois o estímulo da imaginação é ainda maior.
    Muito engrandecedor no sistema pedagogico

  26. Angélica Says:

    Querido Profº Jarbas,
    é com imenso orgulho que confesso ter participado de uma redação cooperativa, adorei a experiência, pois forçando a imaginação com a pressão do Sr. Jarbas ( chefe da redação), acaba saindo grandes histórias com diversos sentidos.
    A proposta de redação cooperativa, é uma experiência empolgante e estimulante de fluir a imaginação!!!

  27. Roseane Soares Says:

    Outra coisa, onde posso encontrar mais informaçoes sobre esse assunto (alem desse blog)? Bibiografia, projetos, locais que aplicam, fotos, etc… Obrigada.

    Roseane (de novo…)

  28. Fernanda Oliveira Says:

    Olá professor,

    Creio que a redação cooperativa é muito interessante e eficaz para que a confecção de um texto deixe de criar receios nos alunos. Do meu grupo de Licenciatura saíram quatro textos diferentes, um mais surpreendente que o outro. E ainda surgiu um debate sobre as mensagens das histórias infantis, se elas deveriam retratar a realidade ou assegurar finais felizes.

    abraço,
    Fernanda Oliveira

  29. Claudio Rodrigues da Silva Says:

    Cumprimento-o Professor Jarbas pelas excelentes propostas para redação cooperativa. A diversidade apenas comprova que a imaginação não se limita, mas sim, que se podem começar belíssimas histórias de conteúdos diversos e finais surpreendes. O assunto objeto da redação pode ser de cunho pedagógico, jornalístico, uma lenda ou como a exemplo do ilustre professor, histórias infantis.
    Vale ressaltar que o Word é uma ferramenta completa, que oferece a prática da digitação como curso para quem deseja ser um bom digitador, além das opções de formatação de fontes, margens, cor do fundo e a inserção de imagens. Assim sendo, cabe aos educadores oferecer a seus alunos a oportunidade de tornarem-se bons escritores, apreciadores da literatura, conhecedores desta ferramenta com a qual desenvolverão ótimos trabalhos.

  30. Nayane Vieira Says:

    Eu adorei o trabalho, porque nos incentivou a superar desafios, pois assim como no nosso trabalho na vida muitas vezes passamos por experiências desse jeito onde temos que continuar algo que não fomos nós que começamos e nos ajudou a sermos mais criativos!
    A aula foi bem dinâmica e interativa!!!
    Gostei muito!
    Beijinhos Nayane.

  31. Damarys Nastri Says:

    A atividade foi de extrema aprendizagem em diversas formas , primeiro porque gerou muitas rizadas pois é um trabalho super divertido de ser criado e segundo por que instiga o aluno a deselvover a imaginação e se superar ao criar o fim da história.isso mostra que o o word pode ser uma ferramenta fantástica no deslvovimento de textos e agregado com muita criatividade e imaginação vinda do aluno pode-se criar um elo muito interessante entre as aulas e a tecnologia sem deixar de lado a diversão.adorei!

  32. Fêh Says:

    Redação cooperativa é muito bom, não apenas para reforçar o trabalho em grupo, mas sim para alimentar a imaginação, dar continuidade na história que outra pessoa acha que poderia ser diferente.
    O projeto de levar a redação entre escolas é muito boa, para ver como alunos de lugares diferentes dão continuidade para a história.
    Como eu já havia feito essa redação na escola onde estudava, achei fácil até.
    O projeto devia ser levado pra todas as escolas onde há laboratório de informática, é um trabalho diferente, onde muitos alunos iriam gostar de mexer com isso, e não ficar na mesmice da sala de aula!

    BeijO~*

  33. Marcos José Rocha Says:

    Gostei muito da técnica utilizada em sala de aula por você (Redação cooperativa), pois, além de incentivar a criatividade individual, serviu para um maior entrosamento entre os alunos.
    Eu que não tenho o hábito de ler, consegui participar ativamente da redação e aprovei tal tarefa.
    Legal sua aula.

    Marcos

  34. Amanda Antonelli Says:

    Olá professor.
    Saiba que adorei este tópico sobre redação coorporativa. Esta é muito interessante pois desperta a imaginação das pessoas. Este tipo de atividade além de aguçar a imaginação consegue fazer a interação entre os alunos; sendo assim é muito bom para que haja troca de idéias.

  35. cristianna epifanio amarante Says:

    Bom adorei foi uma forma de me aprocimar das pessoas que ainda não tinha conhecido e a melhor forma de conhecer alguem é modo pelo qual ela pensa !! o professor conduziu a aula de uma forma descontraida e alegre . Adoro imaginar e escrever mais no começo me assustei pois as ideis não vinham e comecei a achar um saco mais depois que sentei na cadeira visinha entrei no embalo e foi maravilhoso . bom com os meus alunos conserteza usare a tecnica para os da quarta serie pq já são mais maduros a unica coisa que eu mudaria e que eu deixaria eles imaginar a historia ao inves de trazer metade .

  36. Marcela Says:

    Acho que esse exercício da redação cooperativa pode até mesmo ir mais além… e se nós pudéssemos fazer com que cada aluno criasse uma parte da mesma história? E assim teríamos uma história criada pela sala inteira.
    Acho que Redação cooperativa é uma forma dinâmica e criativa de incentivar os alunos a escreverem.

  37. Priscila Barros Costa Says:

    Esta maneira diferente de dar aula é muito interessante,pois faz com que o aluno não só aprenda mais também se divirta e se interaja com os outros colagas.Gostei muito deste tipo de aula,para mim, totalmente novo e muito interessante.

  38. Vivian Jales 1APGN Says:

    Olá Profº Jarbas,

    Pelo o que lí, a redação cooperativa é uma alternativa muito interessante de trabalharmos com redação. Infelizmente não participei da aula passada, mas minhas colegas fizeram ótimos comentários sobre a aula!

    Tenha uma boa noite.

  39. Monique Tomás de Carvalho Says:

    A técnica aplicada realmente,deve ser muito eficaz.Além de desenvolver a criatividade,trabalha também muitos outros pontos que são imporantíssimos em uma redação.
    Este método ajuda a desenvolver incluvise a capacidade gramatical,pois exige que nos adequemos ao que está sendo proposto.E,por ser uma redação cooperativa,acaba despertando o verdadeiro sentido do trabalho em grupo.Mostra que todos devem ser maleáveis e,ao menos,tentar entender a idéia ou opinião do outro.
    Pelo que percebo,muitos orientadores ainda não utilizam este método,mas seria muito interessante se estes pudessem conhecer e aprofundar-se ,para a melhoria do ensino e desenvolvimento das aulas.

  40. Juliana Says:

    Gostei bastante da forma com que introduziu a aula, nos fazendo entender a relação entre o uso da ferramenta junto à imaginação.
    Desde já penso em estratégias, planejamentos que quero executar em minhas aulas, e quero que todas elas sejam muito dinâmicas.Pretendo então usar essa técnica como um método para mostrar aos meus alunos o quão fundamental é a conciliação dessas duas para o aprendizado.
    Parabéns pela ideia!

  41. fernando raizaro vitorino Says:

    Eu achei muito interessante essa tecnica de destravar um mau redator, posso dizer por experiencia propria, no começo da história da flor eu fiquei todo atrapalhado, mas ,ao pegar uma redação de uma outra pessoa as ideias fluiram,desenbestei de escrever!

    abraço!

  42. Vanessa Quirino do Nascimento Says:

    Essa técnica de redação cooperativa eu já tinha vivenciado, mas fazê-la novamente foi algo muito estimulante. Conheci essa técnica em um processo seletivo, numa dinâmica em grupo. Naquele caso, a introdução era apenas uma frase na qual tinhamos que desenvolver partindo do que outro havia escrito.
    Trabalhar com essa técnica no word e partindo de um texto infantil, foi algo novo, um estímulo a criatividade não apenas ao conhecimento, conseguimos perceber que é possível criar elos entre diferentes pontos de vista em um único propósito, e o resultado é sempre diferente e imprevisível.
    Fazia uma ideia diferente dessa disciplina, mas acredito que ela decorrerá sempre muito dinâmica e criativa, ingredientes essenciais a uma boa aula.

  43. Natalia Costa. Says:

    Professor, realmente a idéia da redação cooperativa em sala de aula, pode despertar muito a criatividade dos alunos, a experiência foi ótima!
    A idéia de começar um texto e depois continua-lo, sendo que parte dele veio de outro raciocínio, completamente diferente do seu é um desafio muito interessante !
    Parabéns!
    Boa Noite!

  44. Vanessa Rizardi Says:

    Acho essa didática bastante produtiva, já que desperta a curiosidade e consequentemente a criatividade e intersse pela escrita e leitura, já que o resultado final é bastante aguardado, pois há vários pontos de vistas na história, portantom o resultado final será uma surpresa, que será contada por todos os participantes.

  45. Carolina 1APGN Says:

    Achei muito interessante essa técnica de redação cooperativa, e uma das coisas que mais me interessou nessa técnica, é a necessidade de flexibilidade e de criatividade que o aluno precisa para desenvolver essa técnica de redação.
    Já passei pela experiência da redação cooperativa o ano passado e o tema escolhido pelo senhor, foi A garrafa perdida no mar, e foi muito interessante ver como as ideias se completavam ao decorrer da atividade.

    Carolina Müller Pandjarjian

  46. David matos Says:

    Esse tipo de projeto seria muito bem vindos nas escolas de ensino fundamental e medio ,para q os alunos q ali estão, possam apreender a trabalhar em conjunto e de certo modo apreender a conviver com o ponto de vista de outra pessoa

    abraços

  47. Renata Rocha Says:

    Adorei esta forma de trabalhar com a redação. Acredito que se todos experimentasse este novo meio de se trabalhar e de criar histórias desenvolveria-se muito mais a paixão pela leitura e escrita. Tenho certeza que utilizarei essa nova didática futuramente. Parabéns.
    Renata Rocha

  48. wendel assis santos Says:

    acredito que seja uma ótima técnica para explorar a imaginação, conhecimentos sobre algum assunto específico, criatividade e interação do grupo de alunos, possibilidade de desenvolver exploração da máquina (pc), da língua portuguesa.

  49. Lidiane Guirra Says:

    Achei esta atividade muito interessante e produtiva,onde ira ajudar a desenvolver a imaginação, a capacidade de criatividade do indivíduo criando várias situações, além de também desenvolver a escrita.

  50. Eliane Says:

    Conheci a técnica de redação cooperativa na semana passada, ao participar da aula de técnica educacional. Textos escritos de modo cooperativo possibilitam um incrível exercício à imaginação, tornam a atividade de redigir mais empolgante e despertam o respeito de um escritor ao trabalho do outro, pois todos se empenham no sucesso de um projeto comum. É uma excelente atividade para ser aplicada em sala de aula, já que envolve brincadeira e didática.

  51. Jéssica Cristina Arão Says:

    Olá professor Jarbas,
    eu adorei as introduçoes de historias infantis,
    comecei pedagogia agora e ja faço estagio em uma escola
    particular onde cuido sozinha de uma sala do período integral
    a idade das crianças varia muito, entao fica complicado de arranjar atividades para os mesmos.
    Mas ja tenho uma atividade bem legal para passar rsrs
    infelismente nao poderei usar o WORD pois nem todos sabem como
    utiliza-lo, entao vou pedir para que eles continuem falando a historia que eu vou contar (que vai ser a da fadinha rsrs)…
    adorei a atividade!

    bjO

  52. jussara téles Says:

    Achei uma ferramenta didática muito interessante,por dispertar o interesse ,dar sequência a uma história iniciada.Abre espaço para a criatividade,como também acelera o interesse do participante em contribuir com o desenrolar da história.O mais interessante é como cada um dos participantes interpretam e desenvolvem uma mesmo tópico.O resultado acaba tendo características de cada participante,mas um mesmo senso comum,e correspondendo todos os requisitos que uma ótima história merece:começo,meio e fim.

  53. Gisleide Says:

    Eu gostei muito da forma em que o senhor mostra como podemos diversificar.Gostaria de ter tido aulas desse tipo na escola que mexe com a imaginação e criatividade.Quando tive que escrever a continuação da minha história me empolguei e disse a mim “mesma nossa minha história vai ficar ótima”, mais o que eu não esperava era que o senhor fosse fazer a turma trocar de lugar ai eu tive que mudar todo o roteiro da minha história e dar continuidade a outra . Esse método é muito bom pois alem de mexer com a imaginação das pesssoas desperta a vontade de escrever cada vez mais.

  54. Evelyn Says:

    A redação corporativa é uma otima tecnica para desenvolver a nossa imaginação, para tornar o nosso raciocínio mais rápido, e para nos ensinar que podemos compartilhar o mesmo principio e ter diversos resultados. É uma participação coletiva onde todas as histórias contam com a criativadade de todas as pessoas.

  55. Walkiria Correia Says:

    Gostei da proposta de aula do professor Jarbas, inovadora e diferente ele propôs para nós alunos que continuássemos sua história, o mais interessante para mim, foi ter que trocar com o colega, para que assim a história ganhasse um novo rumo, e um contribuísse com a história do outro, fizemos isso umas 4 vezes, no final da história, elegemos a melhor.

  56. Nathália Fávero Says:

    Professor Jarbas,

    É realmente criativa e interessante esse tipo de redação, fez-me lembrar uma brincadeira que eu e minhas amigas, por volta dos dezesseis anos fazíamos na escola; já era uma redação cooperativa, mas diferente: pegávamos uma folha de caderno e uma das meninas começava a história, depois de escritas duas linhas no máximo a regra era deixar no meio da linha uma oração incompleta e dobrar a folha para que a próxima não visse o que já estava escrito e desse continuidade. No final da brincadeira, saiam histórias muito engraçadas por conta da mudança brusca de assunto, falta de concordância…nos divertíamos muito sem saber que estávamos praticando a escrita e usando a imaginação. Já na sua técnica de redação, gostei do fato de que a leitura do que já foi feito ajuda aqueles que têm dificuldades para cter idéias.

  57. Juliana Duarte Ferreira Says:

    Bom a última aula foi muito interessante e divertida, pois os alunos puderam trabalhar em grupos, de forma cooperativa como citada no texto, pudemos nos conhecer melhor, e conhecer também a imaginação das outras pessoas, pois cada um continuava e inventava a história que vinha na cabeça. Tinhamos também que colocar a imaginação para funcionar para continuar a história dando sentido. Enfim, foi uma aula diferente e inovadora, onde aprendemos a trabalharmos juntos.

  58. Izabela Matias Says:

    Professor,
    Apesar de não ter participado da aula, achei super interessante a idéia de Redação Cooperativa, creio que além de estimular a imaginação e a prática do conhecimento integrada os alunos da sala, só não tenho idéias de como colocar em prática esse tipo de atividade na Matemática, o desenvolvimento de problemas seria uma boa?

  59. Edna Chinem Says:

    Querido professor.

    Como é bom saber que existem pessoas ainda interessadas pela formação de novos homens e mulheres, digo isso porque achei esta história de redação coorporativa o máximo!!!!!
    Mexe com a imaginação, nos obriga a um trabalho em equipe e além de tudo nos ensina a doar um pouco de nós mesmos.

    Abraços

    Edna Chinem

  60. Fátima Aparecida Fotunato Says:

    Olá professor Jarbas,
    Adorei a redação cooperativa.
    é uma tecnica bem construtiva!
    obrigada!

  61. Natalia Pereira Melo Says:

    Boa noite.

    Na última aula sexta-feira passada no dia 20 de Fevereiro me vi numa completa agonia que durou poucos momentos, quando meu professor de Tecnologia Educacional nos propôs uma redação cooperativa, quase tive um “troço” porém logo que comecei a desenvolver a redação mal vi o tempo passar. No final da aula impressionei-me com que rapidez nós nos desarmamos e começamos a digitar. Adorei muito a atividade, criei e imaginei, assim como interagi com meus colegas.

    1APGN2009

  62. Eduardo mathias Says:

    Otima iniciativa,certamente que essa tecnica revolucionara a educaçao podendo contribuir no conhecimento,criativa e acima de tudo a imaginaçao ajudando ao longo dos anos aos trabalhos academicos.otima ideia.

  63. Gustavo Fram Says:

    Artigo muito interesse para icentivar as crianças para escrever redações com criatividade e imaginação onde onde no futuro será muito importante para futuras provas vestibulares e trabalhos academicos.

  64. marli lucia de freitas Says:

    adorei ler sobre essa tecnica e gostaria da sua opinião é viavel trabalhar com crianças pequenas.abraços marli

  65. jarbas Says:

    Oi Marli,

    Acho difícil trabalhar redação cooperativa com crianças pequenas, mesmo que alfabetizadas. Mas nada conheço do dia-a-dia da educação dos pequenos. Talvez seja possível a atividade, com necessárias mudanças para que as crianças entrem no jogo com vontade.

    Ao ler seu comentário, pensei na possibilidade de histórias interativas elaboradas oralmente. Não sei como concretizar isso. Será preciso trabalhar com algum recurso de gravação e com cuidados de planejamento para assegurar interesse. Pense nisso. Será que dá para fazer algo nesse sentido?

    Abração, Jarbas.

  66. Histórias orais cooperativas « Boteco Escola Says:

    [...] orais cooperativas By jarbas Recebi, em Redação Cooperativa e Histórias Infantis,  de Marli Lúcia de Freitas, indagação sobre possibilidade de utilizar técnicas de escrita [...]

  67. Redação: imaginação para começar « Boteco Escola Says:

    [...] Alguns alunos conversaram comigo para saber como melhorar. Outros, ao se manifestarem, acharam que eu estava falando de gramática ou ortografia. Para estes últimos, respondi que a meu ver a boa redação começa pela imaginação e capacidade de se comunicar com clareza. A gramática não é essencial neste sentido. Algumas vezes sinto que professores universitários fazem a mesma confusão. Acham que boa redação se define a partir de padrões gramaticais. Isso tem a ver com ensino de redação que ressalta em demasia correção formal. Acho que o ponto de partida é outro. Neste blog, um exemplo de ensino de redação que enfatiza a criatividade aparece em registros feitos sobre redação cooperativa (com uso de recursos tecnológicos). Se quiser ver o que já escrevi sobre isso, comece por aqui. [...]

  68. Maria Alves Says:

    Caro professor Jarbas,

    …passado um ano de ter comentado pela 1ª vez neste página, para solicitar autorização de utilizar uma das propostas apresentadas, regresso, como prometi via email, para informar que a nossa história colaborativa “A flor curiosa”, inserida no projecto “De Roda de Uma História”, chegou ao fim. Foi uma experiência fabulosa. Possibilitou o desenvolvimento da fluência tecnológica dos nossos alunos, bem como, o enquadramento da actividade nos objectivos do Plano Nacional de Leitura. No final do ano lectivo o trabalho estava concluído e espelhava plenamente a realidade e o imaginário das crianças envolvidas.
    O empenho dos alunos e professores levou-nos à hipótese de tornar o Projecto mais ou menos profissional e oferecer a todos os intervenientes (cerca de 1000 alunos e professores) o registo material da história produzida.
    A Câmara Municipal da localidade acarinhou prontamente a iniciativa, promovendo a sua publicação.
    A primeira história do Projecto está concluída e mostra bem que, com empenho e dedicação, é possível abraçar um sonho e torná-lo realidade.
    Prometo voltar brevemente para novas ajudas… já que o Projecto irá continuar com uma 2ª história.
    Obrigada por este artigo.

  69. maynara Says:

    essa da flor ela e interessante.

  70. stefani Says:

    chato demais

    • jarbas Says:

      Stefani,

      Me mande suas histórias. Devem ser ótimas, divertidas, criativas e de qualidade. Vou usá-las, com muito prazer, em minhas aulas e projetos. Abraço, Jarbas

  71. vitoria graziele ferreira de souza Says:

    certa vez,um poete muito certificado de que todas as mulhere gostam dele e falava:
    _ah para que fazer poesia se as mulheres so merecem a pior,e seus amigos falavam:
    _as mulheres nao merecem a pior,ela merecem as melhores pois nao me emporto com poesia eu gostaria que as mulheres gostassem de mim como eu sou por dentro,como me expresso e nao como eu sou por fora.um de seus amigos querendo ser engraçado falou:
    _ninguem vai querer voce como e por dentro pois voce por dentro deve ser muito feio e ele disse:
    _voce diz isso agora pois quando voce morer voce vai feder como eu vai virar po e vai para o ceu ou para baixo e nao vai levar a sua lindeza com voce.
    Seu amigo descabriou e falou:
    _me desculpe por ter falo isso pois eu nao tinha penssado como poderia te machucar eu so queria me divertir,com as custas dos outros
    -pois consseguiu voce me machuca que e uma beleza e ainda por cima voce quer ser meu amigo gostaria que as mulheres que voce tanto fala ouvisse isso que voce me falou e ainda por cima voce quer compra-las com poesia das mais pessimas que tem e garda as melhores pra voce porque voce nao trata as mulheres do jeito que voce quer ser tratado se voce tivesse namorando voce mesmo
    _ok irei tratalas bem vamos la
    _vamos vamos olha uma delas esta chegando
    _meo amor nao tenho palavras para expressa a voce mas encotrei tres para lhe falar eu te amo
    sua mulher falou:

    _nossa porque voce esta falando isso eu nunca penssei que que voce seria capaz de falar isso mas agora eu vi que tudo podes diante de deus para mim tudo que sai de sua boca para mim e um milagre
    _mas meu amor voce sempre foi grata com oque eu lhe falo por que voce esta fasendo isso com migo eu ate me mudei por ti meu amor, e sua mulher disse :
    _eu decidi que eu iria tatalo como voce me trata que so assim nos dois iriamos ser ingrato e tambem eu penssei que o homem nao merecesse isso tudo
    _isso tudo oque?
    amor,carinho,e etc…
    e homem disse :
    _eu penssei que podia viver por mim mesmo eu pensei que as coisas do mundo nao iria me derrubar e o orgulho tomou conta do meu ser o pecado devastou do meu viver fui embora de seu bai dai meu vive da minha parte que restou so a erança fui embora de seu bai me restou so o pecado e hoje eu sei que nada e meu tudo devo a voce.
    eles se resouveram e pediu a deus para darlhe uma vida eterna seguiu o exemplode seu amigo e agradeceu para ele porque graça ao seu amigo ele levou uma vida nova dando valor as mulheres.

    • jarbas Says:

      Cara Vitoria Graziele,

      Se bem entendi, você brinca com erros comuns de digitação, fonética, ortografia, concordância. Contestação geral. Fica interessante. Um conto ou romance assim escrito seria uma novidade. Abraço,

      Jarbas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 106 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: